História Sea of Lost Love - Aurieta AU - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Orgulho e Paixão
Personagens Aurélio Cavalcante, Camilo Sampaio Bittencourt, Elisabeta Benedito, Ema Cavalcante, Julieta Sampaio Bittencourt "Rainha do Café", Personagens Originais
Tags Aurélio Cavalcante, Aurieta, Elisabeta Benedito, Gabriela Duarte, Julieta Bittencourt, Marcelo Faria, Olegário, Orgulho, Paixão
Visualizações 435
Palavras 1.764
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Tal como prometido o 2º capítulo de hoje!!
De emoções fortes se faz este capítulo, mas já não estamos habituados a ser arrebatados por Aurieta?
Espero não vos desiludir!
Vamos lá a mais um capítulo!
Boa leitura

Capítulo 4 - A festa


Fanfic / Fanfiction Sea of Lost Love - Aurieta AU - Capítulo 4 - A festa


Eram 7 da noite e estava dando uns últimos retoques na maquilhagem. Já fazia parte do feitio dela andar sempre bem arranjada. Colocou uma saia preta justa e um top também ele preto e com ligeiros brilhantes. Ondulou ligeiramente o cabelo. Colocou uma maquilhagem levezinha, pegou na sua carteira e saiu.
Olegário já lhe tinha enviado o SMS com a morada.
Após mais ou menos 1 hora chegara á festa. Já ouvia a música bem alta, como adorava!
Olegário tinha uma casa com um grande jardim. Chegou e logo foi recebida pelo anfitrião!
- "Olha se não é a minha Juju" - e com isto Olegário lhe deu um forte abraço.
Olegário além de ser um bom colega de turma, era um amigo excepcional! Era mesmo boa pessoa e Julieta adorava-o, pena tinha de não ter muito tempo para estar com ele.
- "Oi saudades!"
- "É verdade, faz mesmo muito tempo que não a vejo. Mas o tempo só lhe faz bem! Elá que bonita! O Pedro deixou-a sair assim de casa?" - perguntava Olegário divertido.
Julieta sorriu e respondeu - "Ele agora não tem influência nas minhas escolhas"
- "Mas está tudo bem?" - perguntava Olegário preocupado.
Julieta respirou fundo e respondeu - "Sabe que mais hoje é dia de festa, deixa isso para lá! Vamo-nos divertir"
- "Se prefere assim! Mas saiba que pode falar comigo!" 
POV AURÉLIO
Aurélio sabia que Olegário tinha convidado todos os colegas, mas será que ela tinha aceite o convite? Sabia que a última vez que tinham estado juntos as coisas não tinham corrido muito bem...
Será que ele a veria novamente? Iria descobrir brevemente porque já estava á porta de casa de Olegário acompanhado por Adriana que não hesitou em dizer que sim á festa. No fundo ele sabia que ela queria era provocar Julieta.
Tocou á campainha e logo Olegário apareceu na porta dando-lhe um forte abraço "Então como está!" 
- "Tudo bem" - respondia Aurélio. Adriana mantinha um olhar distante, nem cumprimentou Olegário.
- "Olhem eu vou ali ao bar, até já" - disse Adriana que logo se foi ignorando por completo Olegário.
- "Credo Aurélio eu sei que ela é sua mulher, mas caramba a simpatia nunca foi o forte dela, né mesmo?"
- "Olegário...."
- "Eh que foi? Não é verdade?"
- "Ela tem um jeito próprio...deixa lá.."
POV JULIETA
Julieta estava sentada num dos sofás junto á piscina a conversar com Elisabeta. Quando esta reconhece uma velha "amiga": "Lá vem ela! Como consegue manter aquele ar de galinha emproada?" - questionava Elisabeta.
Julieta olhava, era Adriana, mas vinha sozinha. Julieta fixava-a, olhava-a e tentava perceber afinal o quê que ela tinha mais do que ela. Era loira, elegante, não era indiferente a ninguém, toda a gente virava a cabeça para ela. Realmente nunca conseguiria competir com um mulherão desses pensava ela.
- "Ei Julieta? Ficou hipnotizada ou quê?" - perguntava Elisabeta.
- "Me desculpe" -  e com isso deu um gole na sua bebida até deixar o copo vazio.
- "Eita, calma aí!" - tirando-lhe o copo diz-lhe - "Não deixe que essa piranha tenha esse efeito em você! Pelo que vejo acho que já sabe com quem ela está casada..."
- "Sim, sei" - tentava Julieta dizer despreocupada, como se aquele assunto não a machucasse profundamente.
Elisabeta olhando para ela diz-lhe "Sabe não precisa de me mentir. É verdade que não nos vemos a algum tempo, mas ainda a conheço."
Julieta relaxou os ombros e olhando para Elisabeta diz-lhe "Eu voltei a vê-lo no outro dia na praia com as filhas. Eu só soube nessa altura que ele estava casado com ela"
- "E isso doeu, não foi?"
Nesta altura Aurélio já estava junto de Adriana. Ele mantinha o seu braço á volta da cintura dela. Olhando para eles Julieta respondeu a Elisabeta:
- "Muito."
POV AURÉLIO
Juntei-me a Adriana e logo ela pegou em meu braço para a abraçar, assim fiquei. Mas continuava á procura dela, olhava por todos os lados e não a via..Até que olhei junto á piscina e lá estava ela sentada no sofá com Elisabeta á conversa. Como ela estava linda. Cada vez que olhava para ela os meus olhos brilhavam.
Olhei para ela intensamente á espera que ela senti-se alguém olhando para ela e vira-se o olhar para mim. Resultou. 
Tentou olhar para outro lado, mas voltou a olhar para mim profundamente.
Esbocei um sorriso para ela a cumprimentá-la e ela apenas manteve a mesma postura. Vi que ela dizia qualquer coisa a Elisabeta e saiu.
POV JULIETA
Enquanto falava com Elisabeta parecia ter a sensação de alguém estar a olhar para mim e levantei o olhar. 
Era Aurélio, tentei virar o olhar, mas era impossível. Aqueles olhos azuis continuavam a hipnotizar-me.
Já não aguentando o sufoco do momento disse a Elisabeta:
- "Elisabeta vou ter que sair daqui. Eu não aguento a presença dele."
- "Vá para as traseiras, lá tem um grande jardim, estará mais sossegada."
- "Obrigada" - e como uma flecha me levantei e fugi dali.


Aurélio via aquela cena ao longe. Precisava de falar com ela. Então deu uma desculpa a Adriana e saiu dali. Ao passar por Elisabeta para ir em direção ás traseiras da casa Elisabeta barrou-lhe a passagem:
- "Deixa ela sozinha, já fez mal o suficiente."
- "Nunca foi minha intenção" - dizia realmente triste.
Aquela emoção não passava despercebida a Elisabeta. Esta baixou a guarda e olhando para ele diz:
- "Vá com calma. Sabe que ela precisa de tempo. Passe lá "
- "Obrigada"
Via-a agora ao longe junto á varanda. Mantinha um olhar distante e ele sentia um sentimento de culpa, por a estar fazer passar por aquilo, aproximando-se dela, respirou fundo e disse-lhe:
- "Julieta.."
Ela deu um salto
- "Não se assuste" - disse Aurélio.
- "Me desculpe tenho que voltar para a festa" - tentava Julieta fugir.
Ele pôs-se á frente dela "Me oiça primeiro"
- "Eu não quero falar consigo, me deixe ir"
Começaram os dois numa pequena luta e Aurélio puxou-a e agarrando-a junto a ele diz "Eu te amo. Estou aqui á sua frente abrindo meu coração. Eu nunca a esqueci. Vai perguntar, sim, sou casado, mas meu amor por você....Julieta não tem comparação. Eu acho que tentei buscar em Adriana aquilo que perdi em você"
Julieta o olhava 
Aurélio aproximou-se cada vez mais, os seus lábios tocaram-se e beijaram-se profundamente. A chama ainda estava lá e os dois estavam completamente absorvidos por aquele momento até que Julieta o afastou.
- "Que pensa que está fazendo. Olhe saiba uma coisa eu não sou mulher que anda aí roubando homem ás outras está-me a ouvir bem!" dizia Julieta completamente fora de si, o momento em que viu o seu marido com outra mulher ainda a assombrava e acrescentou "Me esquece, porque eu já o esqueci! Fez a sua escolha e eu fiz a minha! Sou muito bem casada e feliz." - mentia.
- "Me desculpe, pensava que sentia-mos o mesmo. Me precipitei" - dizia Aurélio ainda atónito com a reação dela. 
Ela olhava agora o horizonte, ainda buscando o folgo.
Aurélio olhava-a e disse:
"Julieta..."
Ela virou o olhar para Aurélio e este disse:
"Essa é a última vez que te procuro. A chance de conversarmos sobre os nossos sentimentos é agora.  - "Julieta olhava-o apreensiva - "Ou nunca mais!"
Julieta olhou para o chão e não o encarando respondeu:
- "Sendo assim será nunca mais!"
Aurélio acactou as palavras e saiu dali.
Julieta tentava-se recômpor e passado alguns minutos sozinha ainda tentava processar o que ele lhe tinha dito. Era hora de regressar á festa.
Vendo-a meia perdida Elisabeta aproximou-se "Você está bem?"
- "Vou ficar!" 
E com isso foi até ao bar, pegou numa garrafa só para si e passado algumas horas estava completamente bêbada.
- "Julieta, por favor já chega!" - dizia Olegário indo junto dela.
- "Deixe-me estar aqui no meu canto!"
- "Como queira" - dizia Olegário preocupado com a amiga, mas respeitando a sua vontade voltou para junto dos outros.
Julieta estava sentada num canto onde ninguém a via, mas ela conseguia ver todo o mundo. 
A música que passava chegava ao fim e o dj da festa interrompe "Ei maltinha esta é a música que tocava nos nossos tempos para os casaizinhos! Se juntem aí com os seus casais da altura bem agarradinhos porque o slow vai rolar" 
Todos os casais da época encararam aquilo como uma brincadeira e logo se puseram em pares. Adriana mantinha-se com Aurélio. Podia não ser a música deles, mas ele era o amor da vida dela já nessa altura. 
Os primeiros acordes da música tanto Julieta como Aurélio conheciam bem.


"Amo tua voz e tua cor
E teu jeito de fazer amor
Revirando os olhos e o tapete
Suspirando em falsete
Coisas que eu nem sei contar
Ser feliz é tudo que se quer
Ah! Esse maldito fecho ecler
De repente a gente rasga a roupa
E uma febre muito louca
Faz o corpo arrepiar"


 Aurélio dançava com Adriana mas seu pensamento estava bem distante. Pensava em Julieta e onde ela poderia estar agora.
Julieta, por seu lado, meia que escondida observava-os ao longe. A bebida tomava conta dela ao som da música 


"Depois do terceiro ou quarto copo
Tudo que vier eu topo
Tudo que vier, vem bem
Quando bebo perco o juízo
Não me responsabilizo
Nem por mim, nem por ninguém"


Foi indo na direção da pista e junto de Aurélio e Adriana atira  "Do que me lembro na altura o par dele era eu! Por isso se me dá licença!" - afastando Adriana de Aurélio.
Toda a gente estava surpresa, Adriana ia ripostar, mas Olegário prevendo isso puxou-a e começou a dançar com ela como uma forma de evitar que ela estragasse aquele momento
"Aurélio não fique paralisado! Tem que dançar!" - dizia Julieta sorrindo para Aurélio.
"Pensava que se tinha ido embora!"
"Não fui...e parece que ainda bem"
"A bebida está a falar por si e a fazer agir assim..."
"Shiuu...aproveite a música e dance"


"Não quero ficar na tua vida
Como uma paixão mal resolvida
Dessas que a gente tem ciúme
E se encharca de perfume
Faz que tenta se matar
Vou ficar até o fim do dia
Decorando tua geografia
E essa aventura em carne e osso
Deixa marcas no pescoço
Faz a gente levitar
Tens um não sei que de paraíso
E o corpo mais preciso
Que o mais lindo dos mortais
Tens uma beleza infinita
E a boca mais bonita
Que a minha já tocou"

 


Notas Finais


Obrigada por lerem!
O que virá a seguir?
Gostaram? Digam-me o que acharam
Fiquem bem, até ao próximo capítulo! ❤❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...