História She is the sunlight - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bleach
Personagens Orihime Inoue, Ulquiorra Schiffer
Tags Orihime Inoue, Ulquihime, Ulquiorra Schiffer
Visualizações 25
Palavras 816
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Musical (Songfic), Shoujo (Romântico)

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Fanfic do ano passado que eu achei excluída em outro site e gostei.
ps; É quase toda Ulquiorra-centred.

Capítulo 1 - Ela é a luz do sol, mas o sol se foi;


 

I

Se o certo é ir embora, eu prefiro estar errado.

 


Lá estava ele. Estático, em sua posição de sempre. Vigiando Las Noches. Aquela noite eterna era tediosa, mas naquele dia ele sentia que algo estava saindo fora de seu controle e ele não sabia dizer exatamente o que era. Piscou seus olhos esmeralda com calma e ficou com sua mão esquerda em seu bolso, despreocupado. Grimmjow não estava em Hueco Mundo, então a integridade do local estava segura. Seus cabelos pretos balançaram lentamente e ele sentiu uma presença. Ele sabia quem era, mas não se virou; tampouco disse algo.


Os ruídos dos passos da mulher de cabelos ruivos eram perfeitamente desenhados na percepção de Ulquiorra. Barulhenta como sempre. Se alguém tentasse o atacar, certamente não seria ela que iria suceder nisso.

 



Se todas as flores sumissem
E se toda as tempestades decidiram ficar
Então você iria me encontrar a toda hora
Ela é o amanhã e eu sou o hoje

 


— Ulquiorra? - A voz de Orihime ressoou doce. Parou ao lado dele, que não fez menção de querer olhar para a mesma.  — Você vai ao menos me dar um adeus? Sabe, eu voltarei para Karakura amanhã.


Os olhos verdes de Ulquiorra pararam nos acinzentados dela. Sua boca crispou mas ele permaneceu calado, uma expressão vazia.  — Eu deveria? E por qual motivo você está se despedindo de alguém que sequestrou você? - A voz dele saiu em um tom baixo e áspero.



E se o certo é ir embora, eu prefiro estar errado
Ela é a luz do sol, e o sol se foi

 


— Deveria. - Ela disse, e esperou que o mesmo falasse alguma coisa. O silencio permaneceu entre os dois e eles ficaram daquele jeito por algum tempo. Ele estático e ela ao seu lado.


A verdade é que alguma coisa perturbava Ulquiorra. E talvez ele soubesse, talvez não, ou até mesmo fingisse não saber; afinal, aquilo era totalmente irracional. Para Ulquiorra, sentimentos não existiam. As únicas coisas que poderiam se permitir existir deveriam ser palpáveis e vistas. O que não era visto, logo, não existia. E assim, ele poderia apenas afirmar que tudo que possuía dentro de si era o vazio. Ou talvez ele tivesse sido vazio todo esse tempo, mas agora havia deixado de ser? Mas exatamente... por que ele havia deixado de ser?

 



Se amá-la é uma dor para mim
E abraçá-la significa que eu tenho que sangrar
Então eu sou o mártir e o amor é a culpa
Ela é a cura e eu sou a dor

Ela vive em um sonho do qual eu não pertenço

 



E mesmo que ele já não fosse mais vazio, ele não se permitiria sentir isso. Primeiro, porque era um espada. Segundo, Orihime já tinha alguém pelo qual nutria um sentimento parecido. Terceiro, ele era seu sequestrador. Eram necessários mais motivos para que ele soubesse que aquilo não daria certo? Ele a protegeria, e a observaria, mas só se permitiria fazer aquilo de longe. Orihime certamente não gostaria de alguém como ele. Não que ele realmente se importasse. Não que ele precisasse a aprovação de alguém. Se ela estivesse feliz e protegida, com quem quer que fosse, então Ulquiorra acreditava que tudo estava certo. Mesmo que para ele não estivesse.

 


Amanhã vai ser como sempre foi
E eu vou me apaixonar por ela novamente

 


Orihime era extremamente barulhenta, irritante, teimosa, mas acima de tudo isso, ela era bonita. Ulquiorra não a achava "bonita" no sentido de se sentir atraído pelas condições físicas daquela mulher, embora aquilo também estivesse em jogo, mas Orihime era diferente. E ele sinceramente não entendia porque aquilo lhe atraía tanto. Ela era uma simples humana, e ele não gostava de humanos. Qual seria a explicação disso?


Sentiu que a ruiva agora tinha se encostado nele. Piscou. Ela estava com a cabeça em seu peito, e entrelaçava seus braços nele, como se estivesse o abraçando. Olhou a expressão dela e a mesma tinha fechado seus olhos, em uma expressão sonolenta. Mas ela definitivamente possuía um pequeno sorriso no canto dos lábios.



E se o certo é ir embora, eu prefiro estar errado
Ela é a luz do sol, e o sol se foi

 


Ulquiorra teve uma reação que Orihime definitivamente não esperava. Ele baixou um pouco seu rosto e lhe deixou ficar ali. Passou sua mão direita sobre ela lhe puxando para mais perto e ela sabia que, naquele exato momento, deveria estar vermelha. O sorriso dela aumentou e Orihime escondeu mais seu rosto.


— Então isso é um adeus? - Ela perguntou, sem se mover.


Ulquiorra cerrou seus olhos e soltou um suspiro baixo.


— Provavelmente. - E a manteve ali, passando a mão sobre seus cabelos.


— Vou sentir sua falta. - Ela sussurrou.


Ulquiorra permaneceu calado, mas Orihime sentiu quando o mesmo lhe apertou com um pouco mais de força.


E ela soube que o amanhã poderia esperar mais um pouquinho.


Notas Finais


Baseada nesta música aqui: https://www.youtube.com/watch?v=km_JvvizkBc
Não sei porque exclui isso. Eu gostei. Who knows.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...