1. Spirit Fanfics >
  2. Substitute >
  3. Bourbon

História Substitute - Capítulo 6


Escrita por: EvieJonas

Notas do Autor


Olá quero muito conseguir terminar a história. Espero que gostem

Capítulo 6 - Bourbon


Fanfic / Fanfiction Substitute - Capítulo 6 - Bourbon

Ponto de vista de Elena

- você se acha tão esperto..-- debochei e levantei a sobrancelha como Katherine.

- eu sou..-- passa o dedão lentamente em meu lábio inferior.

- Damon me da um pouco de espaço, tá? -- tremo e me afasto dele com certa pressa deixando o homem muito confuso.

- okay..-- da de ombros e se levanta da cama.

- onde você vai? -- pergunto enquanto me cubro com a espessa coberta.

- por aí..-- Diz sem olhar para trás.

Me sinto estranha. Quase mal por ter feito isso, e por ele ter saído assim. Não acho que eu devia estragar o casamento da minha sósia.. apesar de achar que se ela vai ficar um ano fora de casa, o casamento não deve lhe importar muito.

- oi? -- alguém põe a cabeça pela porta após duas batidinhas.

- o que houve? -- me levanto atordoada. Estava quase caindo no sono.

- Caroline fez o jantar.. você vem? -- Stefan entra.

- claro..-- fiz pouco caso.

- onde está o Damon?-- olha em volta, buscando Damon pelo quarto.

- não sei..-- levanto da cama e vou até o armário para procurar uma roupa.

Stefan se aproxima e observa enquanto vou fuçando o armário.

- acho que essa está boa...-- pego uma calça jeans e uma blusa de mangas compridas.

- confio no seu gosto..-- ele parece querer passar tempo comigo.

- eu preciso me arrumar! -- cruzo os braços de frente a ele.

- vá em frente! Não me incomodo..-- desceu o olhar pelo meu corpo. Mesmo eu estando de pijama.

Olhei de forma misteriosa e sensual e segurei a barra da blusa pronta para tirar, mas interrompi e disse:

- mas eu sim me incomodo. Tchau!!!-- abri a porta e acenei.

Ele sorriu contrariado, mas pareceu achar graça e saiu do quarto me deixando aliviada.

Ao descer e ver a mesa elegante da mansão clássica e escura dos Salvatore abro um sorriso leve e elogio Caroline.

- quanta coisa! -- foco na mesa -- Caroline você está de parabéns..-- me sentei numa cadeira na lateral da grande mesa.

- obrigada.. se eu não cozinhar o que nós teríamos para comer, não é?

- bom.. eu poderia contratar alguém..-- Stefan diz após beber um pouco de vinho.

- vocês não tem empregada nem pra limpar? -- fiquei curiosa.

- nossa Katherine.. falando assim parece que não mora aqui. -- Caroline olhou confusa. -- você até já ameaçou demitir a senhora que faz faxina aqui toda sexta feira.

- oh...-- me dei conta de que tinha me distraído e esquecido que estava fingindo ser outra pessoa -- é que eu achei que Damon tinha me ouvido e.. mandado essa inútil embora.-- disse a última parte da frase na forma mais prepotente possível.

- olha só! -- respirou fundo -- a senhora Watson é ótima e muito paciente por arrumar essa casa enorme e cheia de quartos que ficam acumulando pó.-- uma veia saltou na testa da loira.

- Car..-- Stefan a chama pelo apelido tentando a fazer parar de falar.

- Querida! fica tranquila...-- fingi demência -- a mulher ainda tem o emprego, não tem? -- dei de ombros e peguei uma faca para cortar meu bife.

- Damon não vem pro jantar? -- Stefan muda de assunto.

- acho que ele tá bravinho...-- falo ainda terminando de mastigar.

- ele pareceu sentir sua falta.. enquanto você viajava-- Caroline me olha de forma estranha.

- e? -- não entendi o que isso tinha a ver.

- é seu marido afinal... -- levantou a sobrancelha -- você poderia demonstrar que sentiu saudade também.

- o que você tem a ver com isso mesmo??-- toquei no queixo pensativa, mas em forma de deboche.

- você é inacreditável! -- bufou

- que jantar agradável..-- O irmão do meu marido de mentira resmungou enquanto batia com o metal do seu anel na taça de vinho.

- e a culpa é minha???-- a esposa dele olhou indignada.

- você está atacando a Katherine...-- ele argumenta.

- é claro que você vai defender ela..-- seu olhar mostrava como ela tinha mágoa. Largou os talheres e saiu.

- oooh -- fiz careta -- alguém tá precisando de uma rapidinha..-- soltei um veneno.

Stefan não esboçou reação e apenas disse:

- vou ver se ela está bem..

Olhei toda aquela comida e os pratos pela metade e me senti um pouco culpada. Porém sabia que meu papel estava sendo feito.

Aproveitei que estava sozinha e liguei para Klaus afim de saber notícias do meu irmão Jeremy.

- oi

- olá amorzinho.

- como meu irmão está? -- faço careta ao ouvir o jeito "carinhoso" do cara que me manipula.

- ele está na mesma, é só o primeiro dia. Não me ligue mais ou seu irmão vai encontrar uns amigos meus entendeu?-- fala com mais firmeza.

- eu preciso falar com ele! Trate de dar um jeito de eu falar com Jeremy!-- digo nervosa.

- você não está em posição de exigir nada. Faça seu trabalho!

- eu quero tanto falar com ele...-- comecei a chorar.

Estava tão preocupada com meu irmão mais novo. O que seria de mim passando um ano inteiro sem vê-lo?

Damon entra pela porta da frente e ao ouvir seus passos desliguei o telefone e limpei as lágrimas com pressa.

Ele entra na sala de jantar e fita a mesa cheia de comida e pratos, mas com apenas uma pessoa.

- jantar? -- ofereço.

- não estou com fome..-- ele se vira na direção da mesa menor e põe whisky num copo, puro sem gelo. -- onde estão Ken e Barbie? -- questiona sem me olhar.

- Caroline está irritada e seu irmão está tentando resolver... -- dei se ombros.

- o que você fez? -- diz naturalmente após dar um gole em sua bebida.

- eu? -- levantei a sobrancelha -- e por quê eu seria o motivo? -- remexo os legumes no prato com o garfo.

- alguma briga deles NÃO foi sobre você? -- ele diz baixo, mas parece incomodado.

Ele subiu para o segundo andar levando a garrafa inteira e fiquei pensativa. Onde fui me meter? Se brigam tanto, por que os dois casais moram juntos? Por que Katherine casou com Damon se não gosta dele? Será que ao invés de fazer papel de bruxa eu devo ajudar essas pessoas?

Comi mais um pouco e embalei as sobras para quem tivesse fome mais tarde. Respirei fundo e subi também.

Damon estava deitado no sofá de canto, encostado na janela, observando Deus sabe o que. Com sua camisa preta desabotoada e a garrafa sobre a barriga.

- achei que ia beber tudo..-- comento casualmente ao entrar.

- eu queria tanto ser diferente..-- ele diz ainda pensativo e paro de pé perto dele.

- como assim?

- meus pais.. você sabe! -- virou a cabeça e me olhou pela primeira vez desde que entrei no quarto.-- queria tanto ser diferente deles, meu pai era um merda.. minha mãe fria e infeliz. -- suspirou -- eu queria ser um cara leve e alegre como eu era quando criança, queria ter a vida que eles não tiveram...

Puxei uma cadeira da mesa de estudo e resolvi ouvi-lo.

- como nosso casamento virou esse desastre? -- me olhou profundamente nos olhos.

- eu.. -- não sabia que dizer. Eu nem era a verdadeira esposa dele -- acho que devíamos morar sozinhos..-- ri tentando brincar.

- Então é o Stefan mesmo, não é?-- ele parecia ferido -- sempre será o Stefan...-- voltou a olhar janela.

Meu coração apertou. Não podia deixa- lo assim, precisava concertar isso.

- Eu ainda amo você..-- digo quase num sussurro.

Ao ouvir ele se senta e põe garrafa de lado.

- eu não entendo..-- apertou os olhos enquanto me encarava. Parecia investigar minha intenção.

- eu casei com você, não casei? -- fiquei nervosa.

- caramba! Você sempre diz isso, mas não suporta ser minha esposa..

- isso não é verdade..-- nego com a cabeça.

Todo nosso diálogo era em tom baixo e calmo apesar do meu coração estar á 1000 por hora.

Estávamos sentados um de frente para o outro como se realmente fossemos resolver todos os problemas do casamento de Damon e Katherine.

- então me explica o que você tem na cabeça! -- ele queria muito entender.

- eu acho que te amava naquela época e..-- Eu tentava pensar em algo que não fosse me comprometer -- hoje em dia não me sinto tão a vontade com você, é como se a gente não se conhecesse tão bem quanto antes..

- então me deixa te conhecer de novo.. -- ele apoiou os cotovelos nas pernas e me olhava quase como se implorasse.

- eu não sei se eu consigo..-- respondi trêmula.

Seus olhos pediam por uma esperança e eu não sabia o que dizer ou fazer. Eu ia ter que passar um ano com esse homem.

Levei minha mão até o maxilar forte de Damon e passei meu polegar levemente em sua bochecha e por alguns segundos ele fechou os olhos ao sentir meus dedos em sua pele. Abriu os olhos novamente e nos encaramos. Os olhos dele brilhavam

e eram tão... Hipnotizantes. Movi minha mão afim de tira-la de seu rosto, mas antes que a retirasse ele levantou o braço repousando sua mão forte sobre a minha mantendo-a no mesmo lugar ele segurava minha mão  e seu dedo indicador descia e subia pelas costas da minha mão. Ele se aproximou mais pondo seu rosto a alguns centímetros do meu e ainda buscava meus olhos, então na tentativa de fugir da magia azul que me atraía fechei meus olhos e apenas sentia o ar quente de seu hálito alcoólico bater em minha boca.



Notas Finais


Obrigada por ler.
Nos próximos capítulos...
* Damon muda de foco
* Elena completa uma semana na mansão
* Stefan faz seu jogo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...