História Sweet Creature - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Candice Swanepoel, Justin Bieber
Personagens Candice Swanepoel, Justin Bieber
Tags Candice Swanepoel, Chaz Somers, Criminal, Drama, Gravidez, Gravidez Indesejada, Justin Bieber, Máfia, Revelaçoes, Romance, Ryan Butler
Visualizações 184
Palavras 2.032
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Essa capítulo ficou bem bostinha e eu sinto muito por isso, de verdade! Mas, o próximo vai ser bem grandinho e cheio de emoções pra compensar, eu prometo!
Não esqueçam de dar aquele favorito maroto e comentar o que vcs estão achando, pois eu AMO ler os comentários e respondo todos ♥♥♥
Boa leitura, bebês!
AH, E >>>SPOILER<<<: Leiam esse capítulo longe das pessoas hehehe.

Capítulo 9 - Capítulo nove


Tracie Riviera

Eu estava relativamente bem.

Assim que chegamos na casa do Justin, conheci sua funcionária, Ophelia, e conversamos bastante, enquanto ele estava trabalhando em seu escritório. Inclusive, ela me contou que havia passado pelo mesmo problema que eu, em sua primeira gestação, e o pior: Ela estava abaixo do peso.

Ophelia não chegava a ser idosa, mas era bem mais velha que eu e tinha muito mais experiência com a maternidade, já que era mãe de três rapazes e avó de duas crianças, as quais ela sempre carregava consigo, em uma foto 3x4 de cada uma.

Ela foi a responsável por me tranquilizar, dizendo que pensamentos negativos atraem coisas negativas para sua vida, portanto, eu deveria pensar positivo, se quisesse energias positivas em minha vida.

E assim eu estava fazendo: Pensando positivo a todo instante.

Ophelia também havia prometido que eu e o bebê estaríamos em todas as suas orações, pois ela é uma pessoa de muita fé e acredita que Deus pode curar tudo.

Eu torcia que sim.

— Tracie?

Estava deitada no sofá, assistindo uma série qualquer, porém muito interessante, que passava na TV, então escutei a voz de Justin, fazendo-me levantar o rosto para o encarar.

Antes eu não tivesse feito, pois, infelizmente, ele estava apenas com uma bermuda jeans, deixando todo seu peitoral tatuado a mostra.

Merda, ele é muito gostoso.

E eu gostaria de beijar cada uma daquelas tatuagens.

Droga, Tracie, pare de pensar nessas coisas, apenas lembre: Ele não presta.

— Sim?

— Gostando do que olha?

Seu sorriso era sacana e eu pude perceber que tinha sido pega olhando seu peitoral.

Puta merda!

— O que você quer?

Fugi do assunto, revirando os olhos e dando de ombros, fingindo que não me importava.

— Só ia avisar que preciso terminar algumas coisas que restaram, e então, posso leva-la em casa assim que tiver feito, certo?

— Aham, sem problemas.

Ele se retirou da sala, seguindo, provavelmente, para seu escritório.

Eu estava quente, e preferia por toda a culpa nos hormônios da gravidez, mesmo sabendo que eu também tinha boa porcentagem nessa culpa.

E o Justin também tinha, afinal, porquê ele é tão bonito e atraente? Se não fosse, facilitaria as coisas.

Ah, e a falta de sexo. Essa, com certeza, era outra grande culpada.

25% Hormônios. 25% Tracie. 25% Justin. 25% Falta de sexo.

Graças às grandes culpadas, a série que eu estava assistindo, havia se tornado completamente um tédio, ao ponto de eu zapear os canais, à procura de algum outro programa que fosse bom o suficiente para me entreter.

Nenhum canal parecia ser bom. Bufei irritada, desligando a televisão.

Eu não me relacionei com muitos homens em minha vida: Apenas 4. Primeiro foi Edward, o cara com quem perdi minha virgindade, depois Thomas, meu primeiro namorado, logo foi Sebastian, e então Justin. Chelsea dizia que eu era puritana, pois apenas queria algo depois do namoro. Talvez eu fosse mesmo, mas já estava começando a mudar meu conceito.

Sebastian havia me tornado assim, pois não foi preciso Edward se tornar meu namorado para que eu perdesse a virgindade com ele.

Certa vez, quando estávamos jogando verdade ou desafio, Sebastian me perguntou com quem eu havia perdido o cabaço, palavras dele, e então eu lhe contei toda a história com Edward, que eu havia o conhecido numa festa, no meu último ano do ensino médio, e que tínhamos ficado a festa inteira, então ele me convidou para ir à sua casa, e eu aceitei, mesmo sabendo do que aconteceria ali. E foi assim que aconteceu. Edward havia sido de uma noite só e no primeiro encontro, e isso não agradou nenhum pouco Sebastian, que já estava bem alto por conta da quantidade de tequila que ele havia bebido, então meu "ex namorado" me humilhou na frente de todo mundo.

— Deu de primeira, Tracie? Meu Deus, não sabia que você era tão puta. Por isso que eu não faço a mínima questão de te assumir pra todo mundo, afinal, não mereço uma namorada puta, que nem você é!

Obviamente, ele não saiu impune, pois Chelsea lhe acertou um tapa certeiro em sua bochecha, ela também me fez prometer que eu nunca mais olharia na cara de Sebastian.

Não aconteceu.

Como sempre, tentei achar uma justificativa razoável para o comportamento dele, e então encontrei: A bebida.

Eu era tola e idiota por não enxergar o quão abusivo Sebastian era. Foi preciso ele beijar outra, bem na minha frente, para eu perceber que ele não me merecia. Não mesmo.

Pensar em tudo que Sebastian já havia me feito passar, me deu uma súbita coragem. Pouco me importando pro que o Justin ia pensar, caminhei até seu escritório, abrindo a porta sem ao menos pedir.

Ele estava concentrado na papelada em sua mesa, enquanto travava o maxilar, ainda sem camisa, apenas com a bermuda Jeans. Eu não sabia se isso era humanamente possível, mas ele ainda estava mais sexy concentrado em seu trabalho.

— Justin?

Então ele subiu os olhos para mim, ficando vermelho, enquanto eu caminhava até ele, trancando a porta atrás de mim, anteriormente.

— Quem mandou você entrar aqui? Todo mundo sabe que...

— Shhhh.— Eu coloquei meu dedo indicador em seus lábios, o calando, e subi de uma vez em seu colo, colocando uma perna de cada lado, não quero demorar muito, pois eu sabia que poderia perder a coragem.— O que você acha de colocar seu plano em prática, huh?

Justin me encarava intensamente, e eu já estava começando a me arrepender de ter feito isso quando ele desceu seu olhos pra minha boca e colocou sua mão direita em minha coxa, levando a esquerda pra minha nuca.

Puta merda, ele era tão sexy, tão gostoso, que eu já estava excitada apenas com sua mão em minha coxa.

— Então quer dizer que a Tracie certinha Riviera, não é tão certinha assim?

Ele sorriu, apertando a minha coxa.

— Nunca disse que era certinha, Bieber.

E sem enrolar mais, juntei nossos lábios e pedi passagem com a língua, finalmente provando de seu beijo, o qual eu tanto ansiava. E Justin não demorou a corresponder.

O local que antes estava em total silêncio, agora pesava luxúria, como o nosso beijo.

Rebolei levemente em seu colo, fazendo-o arfar. Eu estava fora de mim, de fato, e nem respondia pelos meus atos, apenas fazia o que parecia se certo. E pelo jeito foi, pois Justin puxou alguns fios do meu cabelo assim que repeti o que havia feito.

— Quer saber de uma coisa? Desde que quando te vi dançando naquela festa, te achei gostosa pra caralho. E agora, conhecendo essa sua pinta de puritana inocente, porra, você me deixa louco.

Eu ri de seu comentário, o puxando e iniciando um trajeto de beijos em seu pescoço, e, em seguida, lambendo-o e chupando-o.

Ele levou suas mãos até a aba do meu vestido, tirando-o e me deixando apenas de calcinha e sutiã. Justin me olhou, sentada em seu colo, apenas com as vestes debaixo, e mordeu os lábios.

— Porra, Tracie.

Sua voz estava mais rouca e respingava desejo, o que me enlouqueceu de vez. Sem mais delongas, saí de seu colo e ajoelhei em sua frente, desabotoando a bermuda jeans com certa calma, e sem desviar do contato visual carregado de luxúria que estávamos tendo. Finalmente, desci sua bermuda, deixando-o apenas de cueca. Voltei a sentar em seu colo, e mais uma vez, rebolei, pois dessa vez não tínhamos mais a bermuda jeans para cortar nosso contato. Justin gemeu, mordendo o lóbulo da minha orelha, com o ato.

Ele levou suas mãos para minhas costas, retirando meu sutiã com uma habilidade invejável e logo massageando meus seios, enquanto voltava a me beijar.

Os toques de Justin me deixavam louca, e tudo que ele fazia parecia perfeito, como se ele tivesse estudado cada canto do meu corpo, apenas para toca-lo da maneira correta, da maneira que me levasse ao paraíso.

E se ele realmente tivesse estudado, eu diria que ele tirou dez em todas as matérias.

Caramba, eu estava em êxtase total com as suas mãos trabalhando em meus seios. E não satisfeito, Justin desfez o beijo, levando sua boca até meu seio direito, chupando-o e lambendo-o, mais uma vez, com perfeição. Eu gemi, segurando firme em seus ombros.

Merda! Ele era muito bom no que fazia.

Justin trocou o lado e passou a estimular meio seio esquerdo, fazendo-me remexer em seu colo, buscando mais atrito com seu pênis.

Sem aguentar mais, o interrompi, tirando minha própria calcinha, que eu agradecia demais por ser uma rosa rendada, do que qualquer uma de desenhos, e, em seguida, retirei sua cueca preta, vendo seu pau completamente petrificado em minha frente.

Justin me puxou novamente para seu colo e levantou, me sentando na mesa. Ele levou suas mãos até a mesa e derrubou tudo que estava ali em cima, deixando o lugar completamente vazio. A mesa era de madeira, o que não era muito confortável, mas eu não ligava para isso no momento. Eu simplesmente estava cega de tanto tesão.

Justin me deitou na mesa, ficando por cima de mim, com uma de suas mãos apertando minha bunda, enquanto a outra ainda apertava meu seio. Ele simulava uma penetração a todo instante e eu não poupava os gemidos quando ele o fazia.

— Justin, por favor, chega de provocações.

Choraminguei.

— E o que você quer, Tracie?

Ele disse, abrindo seu sorriso malicioso.

— Eu quero que você me foda. — Levantei um pouco meu corpo, o suficiente para que minha boca grudasse em seu ouvido— Me fode, Bieber.

Eu disse com a voz rouca de excitação, mordendo o lóbulo de sua orelha, em seguida.

Justin ofegou, e sem demorar mais um segundo, atendeu meu pedido, penetrando seu pau em mim. Gemi em aprovação. Ele começou a se movimentar numa sequência perfeita de "vai e volta", o que fazia-me gritar seu nome de tanto prazer.

Ele posicionou seus lábios em meu pescoço, às vezes beijando, ou às vezes chupando.

Empurrei seu tronco, fazendo-o me olhar confuso, mas assim que ele se sentou, eu sentei em seu colo, quicando e rebolando, em seguida.

— Caralho.

Justin estava de olhos fechados, enquanto eu estava com a cabeça tombada para trás, ainda rebolando em seu pênis. Ele ajudou, e investiu mais rápido em mim.

Não demorou muito e Bieber atingiu o seu orgasmo, fechando os olhos e tomando a cabeça para trás.

Eu estava quase lá, mas ainda não tinha conseguido atingi-lo.

Ele me empurrou, deitando-me novamente e continuou a investir. Mais forte e mais rápido, fazendo uma trilha de beijos entre o vão dos meus seios, chegando até meu pescoço, e continuando a trilha até o lóbulo da minha orelha.

— E agora você vai gozar, como uma boa garota faz.

Justin sussurrou, com a voz carregada de luxúria e, em seguida, chupou o local.

E como se meu corpo respondesse seus atos, eu gozei, assim que ouvi sua voz.

Meu corpo deu uma leve tremida, e eu precisei revirar os olhos e grita seu nome, sem ao menos se importar com as pessoas ao lado de fora.

Justin saiu de dentro de mim, beijando meus lábios, dessa vez, com calma. Não tínhamos força para um segundo round.

— Acha que agora o sexo salva?

Ele disse, enquanto descia da mesa, e catava suas roupas no chão. Eu estava tentando controlar minha respiração ainda.

— E-Eu...

— Literalmente te deixei sem palavras, acho que isso conta.

Justin jogou meu vestido e sutiã pra mim, fazendo-me pegar por reflexo.

— E a calcinha?

— Eu vou ficar com ela pra lembrar do dia que te deixei sem palavras.

Revirei os olhos.

— Ah sim, e vou embora sem calcinha?

Disse com as sobrancelhas arqueadas, com a voz sarcástica.

— Isso mesmo.

Ele sorriu, dando de ombros.

Vesti minha roupa, juntamente com Justin, porém, obviamente, sem calcinha, pois ela estava no bolso do estúpido do pai do meu filho.

O loiro avançou em minha direção, dando um selinho em meus lábios, e eu o encarei sem entender o porquê do gesto.

— Eu, com certeza, vou querer que você seja figurinha repetida.

Ele disse, piscando e saindo do local, deixando-me rindo sozinha.

E eu não me importaria de ser sua figurinha repetida. Afinal, ele também, com certeza, se tornaria minha. 


Notas Finais


UUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUHHHHHHH
primeira safadeza da fanfic! Me perdoem o hot pq n sou experiente nesse tipo de escrita hehehe
O que acharam?
Qualquer dúvida, crítica ou elogio vcs podem dizer no meu cc pq sou bem pobre de perguntas curiouscat.me/firejustinproof


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...