1. Spirit Fanfics >
  2. The brightside. ;hyunknow >
  3. Only; it's alright

História The brightside. ;hyunknow - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


hoje é aniversário do gay.

Capítulo 1 - Only; it's alright


 - Ei, Hyunjin... Já é meia noite. - Minho dizia em um tom baixo enquanto balançava levemente o corpo adormecido de Hyunjin, que acordou aos poucos enquanto resmungava um pouquinho. Minho sorriu quando os olhares de ambos se encontraram. - feliz aniversário.


   O Lee sussurrou antes de pegar uma das mãos do mais alto, o puxando para que se levantasse. Hyunjin coçou seus olhos de gatinho e Minho ajeitou a camiseta branca larga no corpo do namorado antes que o mesmo se levantasse. O Hwang imediatamente abraçou o mais velho que não recusou aquele contato, levando sua canhota até os cabelos do seu garoto antes de afastá-lo depois de um tempo, descendo até que estivesse com o rosto fofinho e cansado entre suas mãos.


   Por um momento, Lee Minho sentiu como se segurasse o seu mundo ali entre seus dedos.


 - Fecha os olhos. - O mais baixo disse e Hyunjin sorriu fraco antes de obedecer. Minho andou até atrás do menino Hwang, segurando os braços do mesmo como forma de mostrar que ainda estava ali. - Não pode abrir até eu dizer 'abracadabra.


   Hyunjin deixou que uma risadinha escapasse antes de cobrir os olhos com suas próprias mãos. Minho começou a caminhar junto de Hyunjin, o guiando para fora do quarto parcialmente escuro e caminhando pelo corredor onde ficava o banheiro na porta quase em frente ao quarto do casal. O Lee caminhou lentamente junto do mais novo até a cozinha também quase completamente escura. 


   A única iluminação possível eram velas sintéticas espalhadas pelo local, fazendo com que a visão de um bolo redondo e claramente decorado pelo Lee fosse mais ou menos clara.


 - Abracadabra. - Minho disse em um tom baixo e imediatamente Hyunjin tirou as mãos da frente de seus olhos, abrindo-os lentamente e não segurando a sua expressão de surpresa.


   Hyunjin procurou Minho com os olhos, o encontrando e enfim conseguindo abraçá-lo mais uma vez. O Lee se sentiu estranho no início, Hyunjin nunca o havia abraçado daquele jeito. 


   Nunca forte daquele jeito, como se possuísse um medo incomum de o deixar escapar. Afinal, namoravam há mais ou menos um ano e meio, tendo começado a morarem juntos há quase seis meses. Era pouco tempo, ambos reconheciam isso, mas o jeito que os dois se encaixaram desde o começo levaram-os a não pensar muito nisso.


   Fora o jeito que os sentimentos transbordavam espontaneamente, algo que contribuiu para que ambos começassem a morar juntos tão cedo foram os problemas de Hyunjin, em relação principal, com a própria família.


   Era difícil por em palavras, afinal o garoto era adotado, tendo sido criado por religiosos e bem... Hyunjin não era lá uma pessoa muito normal, fora o fato de ser bissexual, ainda houveram alguns fatores que fizeram com que o garoto houvesse sido obrigatoriamente convidado a se retirar da casa de seus tutores pelo bem da sua saúde mental e física.


   E porra, Hyunjin tinha Asperger, mas em seu antigo ambiente familiar isso não era levado em consideração. Assim como não entendiam o porquê do garoto se apaixonar por homens e por mulheres, não entendiam o porquê dele possuir tanta dificuldade em se comunicar com outras pessoas. Enfim...


   Lee Minho havia sido a sua luz no fim do túnel, seu salvador. Antes dele, Hyunjin não conseguia enxergar que o brilho do sol não só poderia queimar, como também trazia consigo a beleza da manhã e a perfeição do poente no oeste. Antes dele tudo era frio, antes dele o garoto dos olhos felinos nunca havia comemorado o próprio aniversário... Aquele era um dos motivos pelos quais as lágrimas do Hwang molhavam a camiseta preta de Minho.


   Eram emoções completamente novas, intensas demais para serem reais. Eram completamente diferentes do medo, da angústia... Eram emoções boas, emoções intensamente boas.


 - Ei... Tá tudo bem, você não precisa chorar. É um momento feliz, um sorriso fica ainda mais bonito no seu rosto, hã? - Hyunjin assentiu enquanto Minho limpava as suas lágrimas, fazendo carinho na bochecha molhada e macia usando o próprio polegar. O Lee puxou Hyunjin até a bancada, fazendo com que o mesmo se sentasse em uma das banquetas enquanto o mais velho pegava o isqueiro perto do fogão.


   Minho acendeu as velinhas, uma a uma. Hyunjin contou vinte, exatamente o número condizente com o da sua idade enquanto agora poderia enxergar "HAPPY BDAY HYUNJIN" escrito em azul bebê com a caligrafia de Minho meio distorcida por aquilo ter sido feito com chantilly e um saco de confeiteiro.


 - Não é o bolo mais bonito que você vai ver na sua vida nem de longe, mas eu prometo que você vai...


 - É perfeito. - Hyunjin deixou escapar quase em um sussurro, fazendo com que o rosto do Lee ruborizasse imediatamente. - completamente perfeito. Minho... Você deve ter se esforçado tanto... - As palavras saíam pelos lábios do garoto dos olhos de gatinho assim como as lágrimas voltavam a aparecer.


   O Lee sorriu sem graça antes de tocar uma das mãos do namorado, fazendo com que o garoto olhasse nós seus olhos.


 - Fecha os olhos e faz um pedido. Você não pode me contar, se você contar ele não se realiza. - Hyunjin suspirou e assentiu antes de fechar os olhos e pensar em algo.


   "Eu quero ser feliz. Feliz ao seu lado"


 - Fez? - O mais novo assentiu. - Agora você assopra as velinhas.


   E assim o garoto fez, apagando o fogo e fazendo com que Minho batesse as palmas de suas mãos. Hyunjin o imitou, fazendo com que o namorado sorrisse diante daquela cena completamente adorável.


   Hyunjin era mais do que precioso


   O Lee correu até onde ficava o interruptor, ligando as luzes antes de voltar para a cozinha. O Hwang encarava o bolo com um sorriso, preso nas palavras em azul bebê sobre o chantilly branco, levando o mais velho a admirá-lo por alguns segundos. Imaginou o que poderia passar pela mente do seu garoto naquele momento enquanto pegava dois garfos, os colocando sobre a bancada antes de começar a tirar as velinhas do bolo.


 Seu ato anterior fora se sentar na banqueta ao lado do mais novo, tirando um pedaço do bolo com o garfo em sua mão direita e o levando até perto da boca de Hyunjin. O garoto comeu aquele pedaço, sorrindo completamente emocionado antes de suspirar encarando Minho com um olhar apaixonado.


   Involuntariamente se aproximaram um do outro, a distância curta entre os rostos foi diminuindo assim como a entre os lábios de ambos. O Lee fora quem tomou a iniciativa, quebrando a distância com um contato delicado que logo se tornou intenso e cheio de sentimentos. Hyunjin o beijou como quase nunca fazia, naquele momento não sentiu vergonha dos próprios sentimentos e sim necessidade de transparecê-los para o mais velho.


   Se separaram após um certo tempo, as mãos do mais novo acariciaram a curvatura do pescoço imaculado de Minho enquanto o mais velho mexia nos seus cabelos cor de mel.


 - Hyung.


 - O que foi? - o Lee sussurrou.


 - Eu amo você.


 



   















Notas Finais


não aguento mais me alimentar sozinha vão escrever seus bando de vagabundo tá todo mundo em quarentena A GENTE PRECISA SE ALIMENTAR


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...