História The Unknown Side Of Love - TaeKook - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias 4Minute, Bangtan Boys (BTS), EXO, F(x), TWICE
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Ji Yoon, Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Momo, Park Jimin (Jimin), Victoria Song, Xiumin
Tags Cárcere Privado, Ciumes, Homicidio, Mensão Jikook, Mensão Yoonmin, Morte, Relacionamento Abusivo, Suícidio, Taekook, Violencia
Visualizações 72
Palavras 1.824
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Famí­lia, Festa, Lemon, LGBT, Luta, Mistério, Romance e Novela, Slash, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Cross-dresser, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


eae, postando corretamente estou eu, que novidade não?
espero que gostem desse capitulo, ele já vai dar uma pequena (bem pequena) amostra de que tem alguns problemas ai né.
BAAM! BAAM!
que musicão.
Bem, espero que gostem deste capitulo, perdão pelos erros.

TRADUÇÃO: Problemas
*NARRADO PELO JUNGKOOK*

Capítulo 3 - Problems


Fanfic / Fanfiction The Unknown Side Of Love - TaeKook - Capítulo 3 - Problems

Enquanto trabalhava, não conseguia deixar de me preocupar com meu Taehyung, naquele shopping, sem mim, com pessoas o olhando, desejando seu belo corpo, aquilo me dava uma imensa raiva. Ninguém além de mim pode desejar o seu corpo, ninguém além de mim pode tocar em seu belo corpo, ele é meu e somente meu.

Ouço o som do meu interfone sendo tocado, com certeza é a secretaria querendo anunciar alguém ou avisar alguma reunião que ela tenha marcado, então, atendo.

- Sim?

- Senhor Jeon, O senhor Kim Namjoon o espera na sala de reuniões, ele diz que precisa conversar algo importante com o senhor.

- Certo. Obrigado, Song. – Digo e me apresso em desligar o interfone.

Apreço-me em levantar da minha cadeira e pegar meu palito que tinha deixado em cima do pequeno divã da sala, abrindo a porta e seguindo para a sala de reuniões ajeitando as abotoaduras do meu palito. Chegando à porta da sala de reuniões, sem bater na porta, abro-a vendo Namjoon, meu braço direito na empresa, sentado em umas das cadeiras ao redor da mesa, concentrado em alguns papeis.

- Kim? – Chamo sua atenção.

- Jeon. – Ele responde sem tirar os olhos dos papeis. – Sente-se. – Ele diz e assim o faço.

- O que querer tratar comigo?

- A medica me ligou hoje. – Finalmente ele largou os papeis e me encarou. – Ela disse que ele está mal, causando vários problemas na clínica, e que você terá que pagar os equipamentos que ele quebrou. – Respiro fundo antes de tudo, tentando me acalmar um pouco antes de responder.

- Céus, não preciso de mais problemas agora. – Digo passando a mão no rosto.

- Problemas que você mesmo causou Jeon Jungkook! – Namjoon diz usando um tom mais sério. – Até hoje, tento saber o que passou na sua cabeça por fazer isso, melhor dizendo, o que se passou na minha cabeça por te ajudar!

- Agora já foi Namjoon, você já está nessa comigo, entendeu? – Digo também usando um tom mais sério. – Agora nós temos que aguentar. Você consegue fazer que o dinheiro para pagar os equipamentos não deixe rastros, como da última vez, certo? – Vejo o mesmo assentir. – Então faça de novo, não quero rastros da minha conta passando dinheiro para aquela clinica aonde ele está.

- Certo, farei isso o quanto antes. – Namjoon diz já se levantando acompanhado por mim.

Andamos até a porta em silencio, Namjoon a abri-o, mas antes de fechar a mesma, ele para e se pronuncia.

- Só te digo uma coisa, Jeon, resolva esse caso o quanto antes, ok? Se continuar assim, algum dia alguém vai descobrir. – Ele diz e eu simplesmente assinto com a cabeça. – Ótimo, se me der licença.

- Toda. – Digo e o mesmo sai me deixando sozinho na bela sala, com uma mesa imensamente longa com várias cadeiras ao seu redor.

Ô céus, como vou fazer para isso se resolver? Se Taehyung descobre, ele não vai querer mais ficar comigo, e eu não vou perdê-lo, não vou deixar que ele acabe com meu relacionamento com o Tae.

Decidi ir para minha sala e pedir para que Song me trouxer uma xícara de chá. Chegando na minha sala, sentei na minha cadeira, massageando minhas têmporas. De repente, o som de batidas na minha porta poderia ser ouvido.

- Entre. – Digo com o cotovelo apoiado na mesa ainda massageando minhas têmporas.

- Seu chá, senhor Jeon. – Song diz entrando.

- Ah, obrigado Song. – Digo pegando o chá. – Dispensada senhorita Song, tire o resto do dia de folga.

- Como queira, senhor Jeon. – Ela diz fazendo uma pequena reverencia e saindo da sala.

Passei o resto do dia focado, ou tentando me focar, no meu trabalho, mas ainda bem que hoje era só assinar alguns papeis e revisar alguns documentos, bem monótono, se não fosse a preocupação com meu namorado fora de casa, num shopping sem mim, e a preocupação de um lunático me dando problema. Bem, eu avisei a ele, mas ele não me escutou e agora está nessa situação me dando problemas.

- Jungkook? – Namjoon diz depois de bater na porta e a abrir. – Só vim avisar que estou saindo e que já resolvi o problema do dinheiro para a clínica.

- Obrigado, Namjoon, de verdade, obrigado.

- Você sabe que eu gosto de mais de você para te deixar em furada sozinho, vou sempre te ajudar.

- Você é o melhor hyung! – Digo rindo.

- Você é o melhor dongsaeng! – Ele diz rindo comigo. – Vou indo, até amanhã, senhor Jeon. – Ele diz com um leve tom de debochado na parte do Senhor Jeon.

- Até, senhor Kim. – Digo como mesmo tom de deboche na parte do Senhor Kim.

O mesmo sai e eu continuo com meu trabalho que logo se acabou e eu fui para casa na esperança de encontrar meu Tae alegre como sempre.

Fui para casa e estacionei o carro na garagem, e depois fui para dentro da casa esperando o belo ser de cabelo avermelhado e pele dourada clara me receber com um sorriso lindo e retangular.

- Tae? – Pergunto entrando na casa. – Tae? – Digo ouvindo certo barulho musical vindo do quarto. – TaeTae? – Pergunto entrando no quarto percebendo que a música não vinha do quarto em si, e sim, do banheiro do quarto.

Com muita cautela, eu abri a porta vendo o ser de cabelos vermelhos de costas enquanto passa shampoo em seus belos fios ruivos, enquanto canta alguma música.

- Lítio, não quero me trancar por dentro
Lítio, não quero esquecer como é ficar sem
Lítio, eu quero permanecer apaixonada pela minha tristeza.

- Você canta tão bem – Pergunto fazendo o mesmo se assustar escorregando no box o fazendo quase cair.

- Ai que susto Jungkook! – Ele diz colocando a mão no peito. – Quer me matar? Hum? – Ele diz e eu rio. – Para de rir seu imbecil! – Ele diz e pega o pote de shampoo e jogando contra mim.

- Agressivo você em! – Digo rindo mais.

- Me deixa Jungkook! – Ele diz fazendo biquinho raivoso.

- Ok, ok. Pode continuar seu banho/show. – Digo saindo e ouvindo outra batida na porta na hora que fechei a mesma, com certeza ele tacou outro pote de shampoo.

Fui para o closet pegar uma peça de roupa para mim, e depois fui para outro banheiro da casa tomar meu banho. Me despi, liguei o chuveiro no gelado e entrei no box deixando a água gelada cair nos meus músculos o relaxado os mesmos. Terminei meu banho e vesti minha roupa, calça de moletom e uma blusa que ficava folgada em mim.

Me dirigi para a sala de estar, aonde o Tae já se encontrava sentado no sofá zapeando pela TV a procura de algum canal que o agradasse. Me sentei ao seu lado e o mesmo virou para mim com seu belo sorriso.

- Agora que eu já não estou mais no meu banho, como foi seu dia hyung? – Ele pergunta sorrindo.

- Bem monótono, nada de importante aconteceu. – Menti. – E o seu?

- Foi incrível! – Ele diz e seu sorrindo parece aumentar. – Fiz compras, andei no shopping, comi em restaurante, que por sinal é muito bom, temos que ir comer lá de novo!

- Espera, achei que você só queria ir ao shopping fazer compras! – Digo ficando meio enraivado. – Eu deixei você é ao shopping somente comprar roupas! Não ficar passeando pelo shopping e depois ir almoçar em um restaurante.

- Mas Jungkook, foi só um almoço e passeio. O tem de mais isso? – Tae pergunta com seu sorriso sendo desfeitos aos poucos.

- O que tem de mais? Taehyung eu deixei você ir a porcaria do shopping e não sair desfilando por Seul! – Digo já mais irritado.

- Mas por que, eu não entendo, por que você não me deixa sair! - Tae disse com seus olhos ficando marejados. – EU NUNCA PENSEI EM TE TRAIR OU TE TROCAR! NUNCA! E VOCÊ QUASE ME AGRIDE SÓ PORQUE EU QUERO SAIR DE CASA! POR QUE NÃO ME DEIXA SAIR!

- É PARA O SEU BEM KIM TAEHYUNG!

- E COMO CARALHOS, ME MANTER PRESO DENTRO DE CASA, VAI ME AJUDAR?! HUM?!

- PORQUE NINGUÉM VAI TE MACHUCAR, NINGUÉM VAI OLHAR PRA VOCÊ, NEM TE TOCAR! NINGUÉM DEVERIA SE QUER RESPIRAR O MESMO QUE VOCÊ! VOCÊ É MEU E NINGUÉM DEVE CHEGAR PERTO DE VOCÊ! – Digo respirando fundo e tentando me acalmar vendo que ele já estava chorando de cabeça baixa, coloquei a mão em seu queixo com carinho e, levantando sua cabeça o fazendo me olhar. – Eu te amo e só quero seu bem Tae.

Tae me olhou com uma mistura de raiva e tristeza, tirou minha mão de seu rosto e se levantou e se dirigiu em passos pesados até o próprio quarto, batendo a porta com força.

Bufei em frustração, jogando a cabeça para trás, passando a mão pelo rosto. Que dia cheio, meu namorado agora está bravo comigo, e tem mais o caso dele me dando problemas. O som de meu celular que está em cima da mesa da sala começou a soar, tocando Boyfriend do Justin Bieber. atendo o mesmo sem ao menos olhar quem era.

- Jungkook falando, quem é?

- Senhor Jeon, aqui é da clínica psiquiatra.

...

Depois da ligação, decidi ir dormir. Bati a porta do Tae e não obtive resposta, por sorte não estava trancada. Abri a porta e vi que Tae tinha adormecido, cheguei mais perto e vi que seu rosto estava inchado. Passei a mão em seus cabelos que tampavam em seu rosto.

Não conseguiria dormir sem meu Tae do meu lado, não hoje. O peguei no colo e levei ele para o quarto onde dormíamos juntos e o deixei em cima da cama. Cobri seu corpo e tirei minha camisa, o abracei.

...

Terno alinhado, cabelo penteado e arrumado, perfume passado, mas sem exagero, sapatos colocados e polidos. É, estou pronto. Deixei um beijo na testa de Tae e sai. Fui até a garagem, peguei meu carro, mas não fiz a mesma rota de sempre. Ao invés de ir para a empresa fui até a clínica psiquiatra.

Chegando lá, dei minhas informações e falei quem eu queria visitar. Me guiaram até seu quarto, que estava cheio de papeis, e mais algumas bagunças. Me virei Ra enfermeira que me acompanhou e eu parei na porta assim que a abri e vi aquela bagunça. Olhei para a enfermeira depois para a bagunça, como se perguntasse sem usar palavras, o porquê de tanta bagunça.

- Ele é bem rebelde senhor, tudo que damos a ele para se distrair, tudo, revistas, papeis, lápis de cor, livros, tudo, ele destrói tudo. – Balancei a cabeça negativamente e fiz sinal para a enfermeira sair, e assim que ela saiu eu entrei. – Vou amarra-lo para o senhor não correr nenhum risco, pois ele anda bem agressivo. – Concluiu a enfermeira e eu assenti entrando no quarto logo depois que a enfermeira permitiu.

 

- O que você faz aqui?


Notas Finais


espero que tenham gostado, logo começa a ficar mais interessante

Bom Dia Pra Quem É Dia! Boa Tarde Pra Quem É Tarde! Boa Noite Pra Quem É Noite!
Que A Força Esteja Com Vocês!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...