1. Spirit Fanfics >
  2. Tomorrow - Creepypasta x Leitora >
  3. Cabana - Capítulo 6

História Tomorrow - Creepypasta x Leitora - Capítulo 6


Escrita por:


Capítulo 6 - Cabana - Capítulo 6


Fanfic / Fanfiction Tomorrow - Creepypasta x Leitora - Capítulo 6 - Cabana - Capítulo 6


O momento estava incômodo, por mais que Tyler e os outros estavam tentando acabar com a tensão do momento mas em qualquer outro barulho eu me sentia estática e olhava apreensiva para onde veio o barulho, talvez ainda incomodada com a pessoa que estava nos filmando o que certamente não é comum alguém assim entrar na sua casa sem você ao menos ouvir o ranger das velhas tábuas no chão ou o eco dos cômodos semi vazios, Dan havia mostrado os vídeos e as fotos para todo mundo menos para Tyler já que ele era apenas uma criança, depois de um tempo ainda naquele incômodo ar que rondava pela sala onde estavamos, Tomas de repente deu a ideia de irmos explorar a trilha que mais cedo havia falado sobre.

Após isso todos nos animamos com a ideia e meus pais chegaram, vimos alguns filmes de terror e fomos dormir, os meninos ficaram no quarto de Tyler e as meninas no meu, simplesmente porque elas eram menores então não teriam problema em dormir na mesma cama que eu no meu quarto e também porque nosso pai não gostou da ideia de todos nós dormimos no mesmo cômodo.


Horas depois ainda não conseguia pegar no sono, estava impaciente pelo amanhecer mas parecia que eu era a única pois não se ouvia mais nada pela casa a não ser os roncos de Phill e Jully falando dormindo, resolvi ir na cozinha para pegar algo para comer ou algo que me deixe com sono, então depois de sair do quarto em silêncio passei na porta do quarto dos meninos e estava um deles mexendo no celular mas ignorei então segui meu caminho indo para as escadas e por fim para a cozinha, chegando lá vou até a pia em frente a janela que estava embaçada pela neblina na de fora e o chuvisco que estava caindo, pego um copo de água ficando um pouco mais distraída.

Nesse momento ouço o assoalho rangendo mas ignorei por achar que era por causa de um choque de temperatura pois mesmo estando com o aquecedor ligado, estava parecendo que estava ventando dentro de casa mas mais desses barulhos foram se formando que mais pareciam passos, seguro a respiração ao sentir alguém parando atrás de mim

Sem consegui me mover como se estivesse paralisada, a coisa que estava atrás de mim segura meu cabelo e puxa brutalmente para trás fazendo eu me encostar em seu corpo, era um homem e pela pouca iluminação que vinha do lado de fora por causa da luz da varanda junto a janela borrada dava para ver bem pouco ele pelo reflexo que sua blusa estava em um tom de laranja e amarelo, fora isso seu cheiro se misturava entre terra molhada e cigarros.

Paro de pensar quando sinto algo gelado se encostando na minha garganta, era fino e estava dando uma leve ardência no local onde encostava

- Shhhh.... não estou aqui para machuca-la ainda.... não ainda..— Ele fala baixo sem fazer barulho, parecia que algo tampava sua boca então sua voz saia maia grave e abafada, o que me fez estremecer de medo e quando vou responder ele puxa bem pouco a provável faca que estava no meu pescoço que fez eu sentir uma maior ardência

Foi nesse momento que me toquei 
Era a pessoa das gravações 
Ela estava nesse momento atrás de mim mas em qualquer movimento que o ameace, eu provavelmente acabaria morta
 


Sinto ele respirando bem perto do meu pescoço, senti um arrepio com isso mas não um arrepio de prazer, foi mais como nojo e repulsão, havia me dado uma enorme vontade de vomitar depois

- Tenho que avisar algo importante mas antes....queria brincar um pouquinho...com você.. — Sentia ele puxando mais forte os meus cabelos fazendo o couro cabeludo arder em uma dor insuportável e o desconforto de sentir as gotas de sangue que estavam saindo do corte do pescoço escorrendo por ele.

Eu sabia que não era uma simples segunda intensão, ele exalava um terrível cheiro de morte o rodeando, engulo o seco fechando fortemente os olhos

- O que faz aqui nestas horas ? E porque a porta está aberta ali ?— Dan acende a luz da cozinha fazendo eu me assustar e virar rápido

- E...eu.....— Olho para os lados com a mão na garganta ainda sentindo a ferida ali mas não vi em nenhum ligar o homem — Vim...tomar algo e fiquei distraída...e você, veio fazer o que aqui ?

- Te vi mexendo na porta do outro quarto e vim pedir o carregador emprestado — Ele fala levantando o celular que mostrava parte da tela em laranja como se estivesse ligado a opção se economizar energia

- Vou pegar para você, não estou usando muito o meu — Falo andando na direção da porta e a tranco depois de espiar o lado de fora ainda meio em choque pelo que tinha acontecido.

- Você realmente está bem ?

- Uhum — Respondo rápido terminando de trancar a porta

Depois disso nos dois subimos para os quartos, entreguei o carregador para ele e entrei no quarto, como estava escuro não teve como ele ter notado o corte, olhei para a janela uma última vez e vi que estava prestes a amanhecer mas ainda estava garoando e ainda com a neblina só que estavam menores


꧁ꯦQuebra de tempo꧂


Já era mais ou menos 08:30 quando resolvermos sair para a descobrir mais sobre a trilha, eu havia posto uma blusa de lã que cobria meu pescoço para tampar o corte mas também porque estava frio. Tinha parado de garoar a um tempo e ficou só a neblina então tivemos que esperar ela diminuir um pouco mais para sairmos sem problemas

- Pelas vezes que vimos aqui nunca havia notado que tinha uma trilha bem do lado da casa — Tomas falou preocupado mas ao mesmo tempo animado

- Eu também não — Tyler levantou a mão parecendo mais animado que Tomas

- Isso é porque você só quer saber de comer — Suspiro voltando a andar sendo a primeira a pisar no início da trilha e "encorajar" os demais — Mas mamãe e papai também não sabiam sobre quando olharam a casa com o chefe do pai, nas imagens que me mostraram também não parecia ter

- Deve ser nova já que a casa era um ligar "proibido" para ir até vocês chegarem — Jully fala agarrando a mão de sua irmã que estava com medo

- Então quer dizer que invadiram a casa antes ? — Falo brincando

- Não..sim...bom, talvez mas os cômodos trancados não entramos — Tomas falou tentando se mostrar menos culpado.

- Ahnm....Tomas...a casa em si estava trancada — Julliana falou rindo esquecendo um pouco do medo

Depois de alguns minutos de conversas jogadas fora e caminhando pela trilha escorregadia, vale lembrar que as duas irmãs e Tomas quase caíram algumas vezes, fora isso a trilha parecia apenas uma trilha de caminhada normal
Mas quando iriamos desistir de andar mais por ela, Dan viu uma casa entre as árvores bem longe fora da trilha quase coberta com a neblina, Jully falou que nunca ouviu de uma cabana no meio da floresta fora a minha casa e que se não fosse por Dan também nunca saberíamos
Andamos mais alguns minutos até chegar nela passando por uma pequena ponte de madeira atravessando um pequeno riozinho até chegar na frente da cabana, a cabana era simples, toda feita em madeira maltratada pelo tempo então não foi difícil abrir ela, alguns dos cantos estava com goteiras e infiltrações mas também tinha uns cantos que parecia que alguém limpava pois estava relativamente mais limpo que o resto da cabana que em si era pequena

Tinha apenas um quarto com duas camas de hospitais com algumas mantas rasgadas, a cozinha os armários estavam com as portas quebradas ou penduradas, a sala tinha apenas uma televisão antiga e um sofá mofado, também tinha uma pequena porta em um canto que não conseguimos abrir, as janelas também estavam todas trancadas e com alguns dos vidros faltando ou quebrados

Mas quando todos estávamos distraídos com as coisas da casa, a porta da frente de repente bate com força fazendo os vidros estremecerem e a gente ir correndo para a sala tentar abrir mas não dava, parecia que foi trancado por fora mesmo e mesmo com as madeiras podres da porta não conseguimos mover ela um pouquinho se quer

- Cadê o Dan ? —Tyler fala me abraçando em pânico

- Ele está....ele não está aqui —Falo olhando em volta, depois disso Tomas correu em todos os dois restantes cômodos da casa e nada de achar o outro garoto, quando ele volta ouvimos algumas batidas na porta que inicialmente havia nos assustado até ouvir a  voz dele do lado de fora 

- Galera ? Parem de brincadeira e abrem aqui para mim — Ele fala socando a porta — Está frio e acho que tem alguém aqui fora

- Você que está de brincadeira! Do nada a porta se fechou e você sumiu daqui de fora ?!? Isso está sem graça, Dan! —Jully grita

- Eu fui olhar o outro lado da casa! Não avisei que ia porque achei que tinham visto eu indo! e...—Ele dá uma pausa no que iria falar e suspira com um pouco de raiva — Vou ver se acho alguém ou alguma coisa que ajude a abrir a porta! — Depois dele falar isso dava para ouvir seus passos se afastando.

- E o que vamos fazer até lá ? Tem como passar pela janela — Julliana falou — E se realmente tiver mais alguém lá fora e pegar o Dan e depois vir atrás da gente ???

- A janela é estreita demais, não tem como um de nós passar — Tomas fala analisando uma das janelas

- Não acham meio suspeito ?...Tipo, foi ele que achou essa casa e a porta fechou com ele do lado de fora..e...não avisou que ia sair para dar uma olhada do outro lado...— Jully falou tomando a atenção de todos que deixou o momento mais tenso que antes.

- É verdade mas ele ainda foi atrás de alguém e — Tomas fala parecendo ficar nervoso por causa do momento mas Jully o interrompe

- E se ele simplesmente não foi embora ? Isso já aconteceu em muitos filmes de terror!

- Fiquem calmos, uma hora ou outra vão vir atrás da gente além do mais, ainda está cedo então de tarde devem já vir nos procurar — Eu falo dando um pouco de segurança para os demais mas algo me dizia que não seria tão fácil assim



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...