História Trapped - Capítulo 12


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Incesto, Nammin, Taejin, Yoonmin
Visualizações 13
Palavras 3.105
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Ficção Adolescente, Lemon, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Sessão dupla, como prometido!
Apreciem com moderação! S2
~Darkness

Capítulo 12 - If You


Uma tensão gigantesca dominava a sala de aula na hora do intervalo, quando ninguém mais estava lá - apenas um inútil no canto da sala descansando os olhos da noite mal dormida.

Jimin mordia o lábio nervosamente, estava sentado numa mesa enquanto balançava suas perninhas que não encostavam o chão - aquela cena não poderia ser mais adorável.

Taehyung acariciava a mão de Seokjin numa forma de conforto - o que me deixou levemente irritado, já que eu não gostava de Seokjin. Todos naquela sala pareciam saber de algo que eu não fazia ideia, e posso admitir que isso me deixou um pouco preocupado.

- Vocês vão me contar o que está acontecendo? - perguntei após soltar uma curta risada sem humor.

- Yoongi-Ah, o que... - Seokjin fez menção de começar, mas eu levantei o indicador para ele e neguei com a cabeça.

- Só porque eu perguntei, não significa que eu queira que especificamente você me explique. - disse, num tom que era para parecer amistoso, mas pareceu mais debochado.

Okay minha raiva não pode ser controlada. - admiti para mim mesmo.

- Hyung... - Taehyung iria me repreender, mas o olhar que eu lhe dirigi o fez comprimir os lábios antes que ele falasse qualquer coisa.

- Yoongi-Hyung. - começou Jimin, saindo de cima da mesa e colocando suas mãos dentro dos bolsos do moletom preto. Sua expressão estava realmente séria. - Lembra-se de Kang Inyong?

Então aquele era o motivo daquela tensão toda? Sério? Minha raiva e preocupação se transformaram em desdém numa fração de segundos, mas eu não seria grosseiro com Jimin. Com ele, não.

- A puta? - sussurrei para ele, ele assentiu após suspirar de meu jeito de falar e se aproximou dois passos lentos de mim. - O que tem ela?

- Ela... - ele suspirou, encarando seus allstars sujos. - Ela está chantageando Jin-Hyung.

Olhei para o casal a minha frente com uma expressão confusa. Chantageando? Mas o que Inyong poderia saber que colocasse o casal TaeJin em uma situação vulnerável?

- Que história é essa? - exigi para o casal diretamente, minha preocupação voltando.

- Há uns dias, o Jin foi na minha casa porque tínhamos combinado de assistir filmes. Quando ele voltou para casa... - Taehyung comprimiu os lábios e desviou o olhar, visivelmente assustado.

Lancei uma olhadela para Seokjin, como se permitisse que ele continuasse (ou começasse) a falar de uma vez.

- Haviam fotos espalhadas no chão da sala e no quarto dos meus pais. Inyong estava lá. - confessou Seokjin, recebendo um aperto na mão de Taehyung, tentando consolá-lo.

Coloquei meus polegares nos passadores da minha calça e olhei para Jimin, ainda confuso.

- Que tipo de fotos? - Jimin se mostrou desconfortável ao tentar explicar, então eu olhei Taehyung e ele estava corado, mas Seokjin se mostrava impassível, como se o fato de eu saber não fosse o maior problema.

- Fotos... pessoais. - disse Seokjin, coçando a nuca, apontando para Taehyung com a cabeça. - Minhas e dele.

- Nudes. - o inútil no canto da sala balbuciou, levantando a cabeça da mesa e dando um sorriso malicioso ao nosso grupo.

- Cai fora, imbecil. - grunhi rudemente, então ele piscou para mim e enfiou a cabeça na mesa de novo. - Okay, o que mais?

- Inyong está obcecada por mim. Ela disse que se nos casássemos, minha vida seria mais fácil que assumindo um relacionamento com Taehyung, e também disse que... - Seokjin fechou os olhos, parecendo inconformado.

- Não desistiria. Jamais. - completou Taehyung, o vinco em sua testa denunciava sua raiva.

Pelo menos eu não era o único com raiva ali.

- Você disse que sim? - perguntei a ele, a voz gélida como uma geleira do Ártico.

- Nunca. - disse prontamente, me encarando como se estivesse ofendido. - Eu não gosto da Inyong.

- Mas se gostasse... - eu começaria minhas suposições, mas Seokjin me interrompeu.

- Yoongi-Ah, para. Eu sei o que vai insinuar, mas eu não sou esse tipo de cara que você pensa. Eu realmente gosto do Taehyung. Mas mesmo que não gostasse de verdade, eu não brincaria com ele. Nem estaríamos tendo esta conversa se eu estivesse procurando apenas diversão.

Olhei nos olhos de Seokjin, procurando lê-los, e o que vi foi nada menos que a verdade. De repente, tudo mudou. Seokjin realmente tinha pretensões com Taehyung, mas não as pretensões errôneas que eu imaginara. Ele realmente gostava de meu amigo e admitir isso para mim mesmo quase me fez sentir constrangido por julgá-lo mal.

Eu disse quase.

- Há quanto tempo? - perguntei, me referindo às ameaças de Inyong.

- Uns quatro dias. Eles resolveram nos contar agora porque ficaram com medo de que ela fizesse algo contra nós. - disse Jimin, me revelando um milhão de pensamentos com os olhos.

Merda! - pensei, aumentando proporcionalmente minha preocupação.

- Ela... - comecei, me dirigindo à Jimin, passando a mão pelos cabelos em pleno nervosismo. - Ela sabe...

- Não. Aparentemente. - Jimin se apressou, se aproximando mais um passo de mim, mas se contendo. Eu sabia que sua intenção era me abraçar para que eu não ficasse nervoso, mas não estávamos sozinhos.

O casal que nos acompanhava parecia muito confuso com a nossa conversa, mas não se atreveram a perguntar sobre o que estávamos falando.

Melhor assim... - pensei, me sentindo grato por não ter que explicar aquilo que eu sequer tinha a explicação pronta.

- Ela chegaria a tanto? - perguntei ao casal, minha mão em meu queixo.

- Inyong não tem limites. E já deixou isso bem claro. - disse Taehyung após dar uma risada sem humor, saindo de cima da mesa e se pondo à minha frente. - Como se já não bastasse fazer tudo o que fez, agora está andando com Namjoon-Hyung e...

- O quê? - só o nome daquele verme fora o suficiente para aguçar meus sentidos. - O que Kim Namjoon tem a ver com isso?

- Não percebeu que nos últimos dias eles têm estado bastante próximos? A minha teoria é que ela tem tentado envenená-lo contra Jin e eu, também. Mas... - interrompi Taehyung, uma onda de raiva me consumindo.

- Mas agora está tudo mais claro! - disse, como se fosse óbvio. - Se ela fizer algo contra nós, será a pedido dele!

- Como é que é? - Taehyung levantou a sobrancelha, confuso.

- Ele deve estar com raiva porque Jimin terminou com ele, então... - Seokjin me interrompeu.

- Espere aí, você terminou com o Namjoon, Jimin? - perguntou Seokjin, o olhar exigindo explicações.

Droga... Eu e minha boca grande. - pensei, culpado.

- Eu... - Jimin começou, corando violentamente e respirando mais rápido, sentindo-se pressionado pelo olhar de Seokjin.

- Jimin terminou com ele porque ele é um idiota. Sem mais perguntas. - eu disse, dando de ombros.

- Por que você não me contou? - Seokjin se aproximou, a doçura no tom de voz se misturando à mágoa. - Você disse que...

- Não era verdade, Hyung. - murmurou Jimin, então eu fiquei confuso. - Eu não gostava de Namjoon... assim...

- Então por que fez o que fez? Cinco meses, Jimin! - Seokjin disse, visivelmente indignado.

De repente Namjoon se tornara a vítima e Jimin o destruidor de corações. Ah! Mas é claro que eles não conheciam a verdadeira pessoa de Namjoon.

- Eu não... - Jimin olhou para Seokjin com os olhos embargados, eu queria dizer algo, mas discutir com o melhor amigo de Jimin o deixaria pior, então me mantive calado à muito custo. - Eu não queria que ele se iludisse...

- Peraí, você e Namjoon estavam namorando? - perguntou Taehyung, a cabeça tombada para o lado em pleno desentendimento.

Por que meu melhor amigo tinha que ser uma anta?

- Taehyung... - neguei com a cabeça para ele, como que dizendo que eu explicava depois.

- Ele fez alguma coisa com você para que terminassem? - perguntou Seokjin, cruzando os braços.

- Não.

- Sim.

Dissemos ao mesmo tempo, então Jimin me encarou assustado e negou com a cabeça, deixando Seokjin irritado.

- Jimin, o que eu sou pra você?! - o tom de sua voz pôde até me sobressaltar. - Você não confia mais em mim? O que foi que eu fiz?

- Hyung, me desculpa, é que as coisas... aconteceram tão rápido que eu... - Jimin piscava sem parar, as lágrimas ameaçando cair, tropeçando nas palavras.

- Que coisas? O que aconteceu? - Seokjin o pressionou ainda mais, como se não visse que aquilo o estava machucando.

- Seokjin, por que você não... - fui interrompido por ele bruscamente, então me dei conta de que ele estava realmente magoado.

- Isso não tem a ver com você, Yoongi-Ah.

- Pessoal...

- Se tem a ver com o Jimin, então tem a ver comigo, também. - disse, como se fosse óbvio.

- Pessoal...

- Agora você virou babá dele?! Acha mesmo que vou esquecer que, não há muito, ele era maltratado pelo seu gênio rude?! - descruzou os braços, dando continuidade à briga ao olhar para mim.

- Eu mudei, tá bom?! Eu admiti que estava sendo um idiota, o que você deveria fazer agora, olha como o está deixando! - apontei Jimin com a cabeça. Nossa briga não estava ajudando, mas deixar Jimin desprotegido não era uma opção para mim, nunca seria.

- Pessoal! - gritou Taehyung, então todos olharam para ele, até o inútil do canto da sala. - Será que eu sou o único que tá com o fio da meada aqui? Essa não é a questão!

- Claro que não. - Seokjin olhou para Jimin, o olhar ferido, então se virou e foi para o lado de Taehyung.

- Hyung, não... - interrompi Jimin, me colocando ao lado dele.

- Jimin, para. Você não consegue ver que ele não vai entender? - disse, como se fosse óbvio, mas sem a intenção de ser grosso.

- Eu poderia entender se você o deixasse explicar. - Seokjin levantou a sobrancelha para mim, usando minha entonação.

Cruzei meus braços e olhei Jimin, como se dissesse com os olhos que ele não precisava dizer nada que não quisesse, eu estaria ao lado dele em todo caso.

Seus dedos brigavam entre si, denunciando seu nervosismo, então uma lágrima caiu de seu olho, quebrando uma parte de meu coração.

- Jimin... - eu estava pronto para tirá-lo daquela sala e mimá-lo até que se sentisse melhor, mas ele me interrompeu para começar a contar:

- Eu nunca gostei de Namjoon do jeito que ele gostava de mim. Ele me amava, eu não, não do jeito que ele merecia. - disse ele, me fazendo comprimir os lábios e me virar para a porta da sala, travei. - Então, para que ele não se iludisse pensando que... eu levaria isso adiante por mais tempo... eu terminei com ele.

Me virei para Jimin, tentando avisá-lo sobre quem estava na porta da sala, mas ele interpretou errado o meu gesto e recomeçou a falar.

- Realmente foi o melhor. Eu não podia arriscar ser infeliz por ele, mas eu nunca quis machucá-lo. Namjoon é uma pessoa incrível e merece alguém melhor que eu, então... Pra onde vocês... - quando Jimin olhou para a porta da sala arregalou os olhos.

Namjoon estava lá, encarava os próprios pés com as mãos enfiadas nos bolsos do moletom e o lábio preso entre os dentes, como se aquilo diminuísse sua mágoa. Eu sabia que não.

- Namjoon-Hyung... - Jimin sussurrou, então Namjoon levantou a cabeça e eu pude ver seus olhos embargados, o que me assombrou.

Namjoon sempre me pareceu tão forte e inabalável, vê-lo prestes a chorar por causa de Jimin... Me deixou empático. Eu também não ficaria feliz se Jimin me deixasse.

Quem eu quero enganar? Tudo acabaria para mim. - admiti em minha mente, alheio à tudo o que estava acontecendo.

- Namjoon! - gritou Jimin, saindo da sala e correndo atrás de Namjoon quando ele foi embora.

Seokjin passou a mão pelos cabelos e apoiou a cabeça no peito de Taehyung, ficando corcundo, então meu amigo acariciou as costas dele e suspirou.

- Parece que não somos os únicos que têm problemas... - murmurou Taehyung, encerrando aquele assunto de Inyong de uma vez por todas.

- Vocês nem fazem ideia. - murmurei, jogando a cabeça para trás com os olhos fechados. Imaginando, indesejavelmente, o que estariam fazendo Namjoon e Jimin, mas não me dispus a procurar, aquele era o momento de Jimin.

Mas no meu interior, bem lá no fundo, eu pedi aos deuses gregos, egípcios, hindus, qualquer entidade existente, para que Jimin não me deixasse, para que voltasse para mim, mesmo que fosse egoísta de minha parte.

Eu queria Jimin de volta.



[...]



Desde que Jimin e eu chegáramos em casa que ele não dissera palavra alguma. Me assombrei por ele nunca ser tão calado, mas fiz o que pude.

O chamei para almoçar, ele não foi. Lhe disse para ir tomar banho, ele também não foi. Disse que seu desenho favorito estava passando, ele nem se dispôs a ir assistir.

Eu começara a me preocupar com o que Jimin pensava. Talvez estivesse pensando em como me deixar da maneira menos dolorosa para voltar com Namjoon, mas ele tinha dito que me amava... E também tinha dito que nunca amou Namjoon.

Aish, por que pensar tanto?! - pensei, subindo as escadas em plena quatro e quarenta da tarde.

Me sentei ao lado de Jimin na cama, que ainda não tivera movido um músculo. Seus olhos despejavam lágrimas sobre sua expressão apática e seu peito subia e descia copiosamente, como se ele estivesse bem, com exceção das lágrimas e da expressão agoniada.

- Jiminnie... - chamei após clarear a garganta, tentando sorrir para ele. - Por que você não toma um banho? Você pode me ajudar a cozinhar.

Ele negou com a cabeça, o olhar ainda perdido num canto qualquer do quarto.

Não desisti.

- Então... Kimbap? Omma adora Kimbap! E se nós fizéssemos alguns para quando ela... - pigarreei, aquilo não estava dando resultados. - Quer ficar sozinho?

Ele me olhou, a expressão lhe matando, então ele tombou a cabeça em meu peito e chorou, chorou tanto que em primeiro momento fiquei atônito, mas depois o abracei tão forte que ele gemeu, comprimido em meu colo.

- Vai ficar tudo bem, Jiminnie...

Realmente iria. No que dependesse de mim, eu faria de tudo para fazê-lo se sentir melhor de novo.

Eu deixei que ele chorasse porque diziam que ajudava, parecia que durante isso ele conseguia se livrar de todas as suas mágoas e sua dor, então não o interrompi nem pedi para ele parar em momento algum.

Ele soluçava e mais lágrimas eram derramadas de seus olhos à medida que o tempo passava. Quando me dei conta, estávamos à penumbra do quarto, anoitecera, e Jimin já parara de chorar, apenas encarava o chão, inexpressivo, enquanto eu continuava acariciando suas costas.

- Ele não me perdoou. - murmurou Jimin, a voz tão fraca que me fez morder o lábio inferior, e eu sabia que ele falava de Namjoon.

- Ele não tem o que perdoar. Você foi justo com ele, procurou não fingir para ele. Com o tempo, ele vai perceber isso. - disse, num tom doce e rouco, movendo minha mão que estava em seu ombro para seus cabelos.

- Hyung... - abruptamente, Jimin se levantou de meu colo e me olhou. Os olhinhos inchados o deixando ainda mais meigo e os lábios vermelhos depois de tanto serem mordidos dando-lhe uma aura sexy. Mas que paradoxo... - Você já parou pra pensar no que estamos fazendo e no quanto isso é errado?

Um tapa.

Jimin deu um tapa no meu coração.

- Eu procuro não pensar nisso... - fui sincero, desviando meu olhar do seu.

- Eu sempre tentei entender o por que de ficar arrepiado quando você me tocava, o por que de meu coração bater tão acelerado quando você estava por perto e o por que de eu sentir ciúmes de suas ex-namoradas. - ele suspirou, suas mãos brigando entre si. - Foi aí que eu cheguei à conclusão de que... tenho sentimentos por você.

Movi meus olhos para olhá-lo, ele parecia nervoso, não exatamente contente em estar me dizendo aquilo, mas a sinceridade que emanava dele me fez relaxar minimamente.

Ele estava se abrindo comigo sobre como era difícil para ele aceitar os próprios sentimentos para comigo, ainda mais tentar ignorar os ruins, como a culpa e a mágoa.

Porém ainda não tinha saído de minha cabeça a ideia de que Jimin poderia terminar tudo ali e naquele instante.

- E comecei a me sentir culpado a respeito de Namjoon. Eu terminei porque não sinto por ele o que eu sinto por você, e mesmo assim eu considerava ele o meu namorado. Mas você... - ele corou, abaixando a cabeça. - O que nós somos, afinal, Hyung?

Fiquei completamente paralisado. Quem eu queria enganar? Não sabia o que dizer. Respirei fundo e olhei para o lado, tentando não olhar para seu rosto e ver algo como a decepção estampada nele.

Aish! Por que eu sou tão confuso?! - me espanquei internamente, porque era óbvio o que eu queria, mas fazer ou dizer aquilo... Era complicado.

- Eu tentei pensar logicamente no que nós estamos fazendo, mesmo sendo irmãos... Eu não me importo. - disse Jimin, tomando minha atenção rapidamente.

- Não? - quase gaguejei, mas mantive meu tom de voz firme, tentando não mudá-lo pela surpresa.

- Não. - ele negou com a cabeça, sorrindo fracamente para mim. - Mas eu me importo em saber... O que sou pra você, Hyung?

Suspirei e o abracei com força, quase como se quisesse fundi-lo ao meu corpo. Sinceramente, também não me importava que fôssemos irmãos, nos gostávamos e para mim aquilo era importante.

Tudo bem que não iria ser fácil, mas pelo menos podíamos tentar fazer o que queríamos, apenas nós dois... Ninguém precisava se machucar com esta história.

- Jimin... Você é meu e eu sou seu... Sempre fui... É o que tudo isso significa para mim. - murmurei rente ao seu ouvido, sentindo-o estremecer sob mim.

Segurei seu rosto com minhas duas mãos e o aproximei de mim, colando nossos lábios de um jeito doce, lento, tão gostoso que espalhou arrepios de diferentes intensidades por minha coluna.

- Então... Você é... tipo meu namorado? - perguntou Jimin enquanto eu distribuía vários selinhos por seu rosto corado.

- Posso ser, se você quiser. - arqueei a sobrancelha para ele e sorri sacana. - Quer comemorar White Day comigo, é?

Ele arregalou os olhos e assentiu freneticamente, não tendo ideia do que aquilo provocara em mim. Uma felicidade tão grande, até maior do que a do dia em que eu comi bolo de chocolate pela primeira vez.

- Sim. - ele sussurrou, acariciando minha nuca com suas mãozinhas e sorrindo abertamente para mim, me presenteando com seu belo eyesmile. - Esse foi o pedido de namoro mais original e clichê que eu já ouvi antes.

Gargalhei e então comecei a fazer cócegas nele, me deleitando com sua risada gostosa, lhe fazendo tantas promessas mudas como seu namorado que meu coração não ficou calmo nem quando nos deitamos um ao lado do outro, descansando da brincadeira anterior.

Eu vou te fazer feliz, Jiminnie... Eu prometo.



Notas Finais


Até o próximo! :D
~Darkness


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...