História Troubled Teachers - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Once Upon a Time
Tags Swanqueen
Visualizações 611
Palavras 2.255
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), FemmeSlash, Ficção, LGBT, Romance e Novela, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa leitura, pessoal❤️

Capítulo 4 - Swans Saturday


"Eu acho que está muito bom.", Emma comentou enquanto ela e Henry saíam do barbeiro na tarde de sábado.

"Eu gostei", Henry disse, um sorriso genuíno nos lábios pela primeira vez em dias enquanto passava o dedo pelo cabelo recém-curto. "Obrigada mãe."

"De nada", Emma sorriu. "Você gostaria de andar de patins agora ou quer jantar primeiro?"

"Patins primeiro, eu acho", disse Henry. "Caso contrário, eu vou andar bem lento de tão pesado."

Emma acenou rindo e os dois caminharam uma curta distância até o calçadão à beira-mar. Eles conversavam normalmente pela primeira vez desde que começaram no Storybrooke e ambos se sentiam mais leves por isso. O que quer que tenham passado, Emma e Henry sempre foram capazes de confiar um no outro e ambos estavam sentindo a tensão dos hormônios adolescentes de Henry e a divisão que havia crescido entre eles.

Quando chegaram ao passeio, Emma rapidamente encontrou um banco à sombra perto do farol e sentou-se. Henry levantou e logo se afastou. Emma ficou observando por um tempo enquanto seu filho patinava para cima e para baixo no asfalto liso, a entrada e saída de outros visitantes aproveitando o sol da tarde. Logo, Emma pegou o livro e começou a ler.

"Hey, senhorita Swan."

Ótimo, Emma pensou. Isso não demorou muito.

"Olá, Felix, Peter", Emma disse ao olhar para os dois adolescentes que estavam diante dela, um par de patins pendurados no pescoço de Felix. "Você está gostando do seu fim de semana?"

"Sim", Felix assentiu. "Henry está aqui?"

Emma examinou o mar de pessoas diante dela até apontar para o filho que estava patinando para trás, em velocidade.

"Ele está se exibindo lá", disse ela.

"Obrigado, senhorita", disse Peter enquanto ele e Felix se dirigiam para Henry.

Emma observou com um leve sorriso quando os novos amigos de seu filho o cumprimentaram. Ela não podia ouvir a conversa, mas eles pareciam estar impressionados com suas habilidades de patinação, batendo nas costas dele e admirando seus patins. Felix sentou-se para colocar os seus próprios e juntou-se a Henry, os dois competindo entre si pela orla, enquanto Peter observava, sentado no encosto de um banco com os pés no assento.

Emma ficou tão imersa em seu livro que não viu o que realmente aconteceu. Mas o grito e os gritos subsequentes atraíram sua atenção com rapidez suficiente. Olhando para cima, ela ficou de pé enquanto observava Henry se soltar de uma mulher. Assim que Felix saiu de fininho, e Peter correndo atrás dele.

Apressando-se, Emma ajudou Henry e começou suas desculpas.

"Eu sinto muito!" Emma exclamou quando se virou para a mulher idosa que agora estava sentada no chão. "Aqui, deixe-me ajudá-la."

"Obrigada", a velha disse, estendendo a mão para Emma e lentamente se levantando.

"Meu filho, ele não estava olhando para onde estava indo. Sinto muito", Emma repetiu, tentando checar a mulher por qualquer sinal de lesão. Ela não conseguia ver nada. "Você está bem?"

"Acho que sim", disse a mulher, endireitando-se adequadamente e olhando seu próprio corpo. "Provavelmente apenas um pouco machucado."

A essa altura, uma pequena multidão havia se formado em torno do grupo, intrigando os pedestres ansiosos por sentir o gosto do drama. Henry estava parado ali perto, cambaleando um pouco em seus patins e parecendo culpado.

"Henry peça -"

"Sinto muito", disse Henry antes que sua mãe pudesse terminar. "Eu estava patinando muito rápido e não vi você. Foi minha culpa. Peço desculpas."

"Está tudo bem, meu jovem", a mulher idosa disse, sorrindo gentilmente para o adolescente corado. "Não foi totalmente sua culpa. Quero dizer, eu insisti em andar no caminho de você e seus amigos."

"Onde estão Felix e Peter?" Emma perguntou, olhando em volta quando de repente notou sua ausência. Henry encolheu os ombros.

"Mãe?"

Assim que o grito foi ouvido, um homem de meia-idade abriu caminho entre a multidão que agora rodeava o pequeno grupo, correndo para o lado da vítima e abraçando-a.

"O que aconteceu? Você está bem? Quem fez isso com a senhora?"

"Acalme-se Sidney," insistiu a mulher. "Eu estou bem."

"Quem derrubou minha mãe?" o homem cuspiu, girando ao redor e avistando Emma e Henry. "Senhorita Swan?"

"Sr. Glass?" Emma franziu a testa, surpresa ao reconhecer o homem como um dos professores de inglês da Escola Secundária Storybrooke.

"Então é o seu filho que está patinando ao redor derrubando senhoras idosas indefesas, não é?" ele zombou, lançando um olhar furioso para Henry.

"Foi um acidente", Emma franziu a testa, ajeitando-se na sua altura total, então ela era um par de centímetros mais alto do que o outro professor. "Henry já pediu desculpas e sua mãe aceitou graciosamente. Eu lamento que isso tenha acontecido, mas isso não precisa se tornar um grande problema."

"Não é grande coisa?" Sidney latiu. "Ela poderia ter quebrado um quadril ou a perna."

"Sidney, cale a boca, eu estou inteira ainda" a mulher mais velha lembrou a ele, colocando uma mão gentil em seu braço. "Venha agora ou vamos perder o começo do campeonato de Dança."

Sidney hesitou por um momento, seus olhos ardendo de raiva antes de concordar. "Vem mãe", ele disse, segurando na mão dela uma vez. "Henry, eu espero você em meu escritório na manhã de segunda-feira para sua punição."

Emma abriu a boca para protestar, mas Henry deu um empurrão nela. "Sim, Sr. Glass. Sinto muito, de novo."

Com isso, Sidney se virou, dirigindo a mãe pela multidão e voltando ao passeio.

"Ótimo", Henry resmungou. "Aposto que ele vai me manter em detenção esta semana inteira."

"Não que você não mereça, mas ele realmente não pode disciplinar você por algo que aconteceu fora da escola", Emma disse enquanto ela e Henry se dirigiam para o estacionamento. "Onde Félix e Peter foram de qualquer maneira? Eu vejo que eles correram ao primeiro sinal de problemas."

"Fui eu quem esbarrou na mãe do senhor Glass", apontou Henry.

"Sim e eles deixaram você para lidar com as conseqüências", respondeu Emma.

"Mãe, por favor, não", Henry implorou. "É difícil o suficiente ser o novo garoto que conseguiu fazer amizade com caras do ano superior, sem que minha mãe tenha se queixado a eles pelo que acontece fora da escola."

"Por que você é amigo dos garotos do 1° ano?" Emma perguntou. "O que há de errado com o 9° ano?"

"Não sei", Henry disse quando se sentou em um banco perto do final do passeio. "Eu gosto de Felix e Peter. E eles gostam de mim. Não é isso que importa?"

"Sim, mas não se esqueça que eles podem ou não sair da escola no ano que vem. Você tem que fazer amigos que ficarão aqui também."

"Eu sei", Henry balançou a cabeça quando Emma tirou seus tênis da sacola e entregou-os a ele. "Michael ia se juntar a nós, mas ele teve que cuidar de seu irmão mais novo e Felix não queria que John viesse também".

"John Darling? Do 7° ano?" Emma perguntou.

"Sim", Henry assentiu.

"Ele é um amor", disse ela. O menino foi muito atencioso em suas duas primeiras semanas na escola e contribuiu bem para cada uma de suas aulas até agora.

"Ele é um garotinho mal-humorado", Henry disse enquanto se levantava com os tênis de volta e com os patins nas mãos.

"Ele só tem onze anos", Emma riu. "Eu duvido que ele queira sair com crianças de quatorze e quinze anos também."

"Bom, porque ele não foi convidado", Henry sorriu. "Agora, onde vamos jantar?"

"Você acha que eu vou levar você para jantar depois do que acabou de acontecer?" Emma perguntou, fingindo estar chocada. "Não, é a feijoada que tem em casa para você esta noite, jovem."

Henry gemeu, mas sabia que não deveria discutir. Eles alcançaram o carro e entraram, Henry afundando em seu assento, desanimado, quando Emma ligou o motor. Ou tentou. Eles ouviram o clique, o mecanismo tentando desesperadamente virar, mas nada aconteceu. Emma tentou novamente, girando a chave para trás e para frente, mas sem sucesso. O motor tossiu e zumbiu algumas vezes e morreu.

"Mais que merda", ela murmurou.

"Mãe, linguagem", repreendeu Henry.

"Agora não, Henry, por favor", suspirou Emma. Ela tem seu carro desde que ela teve Henry. Mais tempo, na verdade. Tentar colocar o assento do bebê na parte de trás tinha sido uma tarefa bem difícil, mas o carro fiel à tinha ajudado em alguns momentos difíceis.

"Devemos chamar o guincho?" Henry perguntou.

"É melhor", Emma assentiu, pegando sua bolsa e tentando encontrar o cartão de sócio para recuperação na estrada.

Meia hora depois, Emma e Henry estavam sentados lado a lado no capô do carro, lambendo sorvetes que Henry havia comprado para eles como oferta de paz (e porque ele queria sorvete).

"Ou poderíamos comprar um Porsche", Henry disse entusiasticamente, observando enquanto um Spyder saía do estacionamento. "Ooh ou aquele BMW Z4 ali."

"Você acha que eu defeco dinheiro?" Emma perguntou, rindo enquanto Henry continuava apontando os carros mais caros que ele podia ver. "De qualquer forma, ele vai ficar bem. O mecânico vai consertá-la e nós estaremos com ele de novo."

"Mãe, ele é mais velho que eu", Henry lembrou a ela. "Certamente você quer um carro novo agora também?"

"Mas ele é tão fofo!" Emma exclamou, esfregando o farol redondo carinhosamente.

"Não queremos um carro fofo. Queremos um carro legal", Henry corrigiu. "Oh! Esse é perfeito!"

Os dois observaram quando um Mercedes preto ocupou um espaço oposto a eles. Emma reconheceu imediatamente.

"É o de Regina", disse ela, assim que a própria mulher saiu do carro. "Ei! Doutora Mills!" ela chamou, acenando alegremente.

Regina olhou para onde vinha o grito. Apenas uma pessoa a chamava por esse nome. E com certeza, seus olhos encontraram os de Emma, ​​que estava sentada em seu carro comendo um sorvete ao lado de seu filho.

"Boa noite, Swans", disse Regina enquanto fechava e trancava o carro, caminhando até eles. "Eu gostei do corte de cabelo, Henry. Como foi seu sábado?"

"Obrigado, mas derrubei a mãe do Sr. Glass nos meus patins e agora ele me odeia", Henry informou no momento em que ele terminou de mastigar seu cone.

"Oh querido", disse Regina, tentando não sorrir. "E você tem o Sr. Glass como professor de Inglês?"

"Sim", disse Henry, desanimado. "Eu tenho que ir ao seu escritório na segunda-feira. Ele vai me dar notas ruins o ano todo não é ele.

"Eu vou ter uma palavra com ele", Regina disse gentilmente.

"Mesmo?" Henry perguntou, se animando.

"Regina, você não precisa fazer isso", Emma assegurou. "O garoto derrubou uma velha senhora. Eu digo que ele merece o que está por vir."

"Oh, o Sr. Glass pode guardar rancor. Eu só vou me certificar de que a punição se encaixa no crime e não exagere. A menos que você não queira isso", ela acrescentou, olhando rapidamente entre mãe e filho, sem querer.

"Por favor", Henry assentiu. Depois de um momento de hesitação, Emma assentiu também.

"Por que vocês estão sentados no seu carro?" Regina perguntou.

"Ele quebrou. Mais uma vez", disse Henry. "Nós vamos comprar um como o seu."

"Não vamos não", Emma riu. "Mas ele desmoronou. Estamos esperando pelo guincho."

"Bem, eu te ofereceria uma carona, mas tenho que encontrar com Robin", disse Regina. Assim que o nome saiu de seus lábios, seu rosto mudou. Seus olhos entristeceram, sua boca se estabeleceu em uma linha firme, e ela pareceu encolher de alguma forma dentro de si mesma.

"Bom, jantar romântico à beira mar?" Emma perguntou, sua curiosidade sobre o casal se formou quando notou as mudanças na linguagem corporal de Regina.

"Algo assim" Regina respondeu, envolvendo os braços ao redor de sua cintura enquanto falava. "E eu vou me atrasar, então é melhor eu ir embora. Boa sorte com seu carro."

"Obrigada", Emma chamou após a morena que estava se afastando.

"Isso foi estranho", comentou Henry.

"Concordo", Emma assentiu.

Os dois observaram Regina até ela sumir de vista, entrando em um restaurante caro que Emma admirara a caminho do estacionamento.

Às nove horas da noite, desmoronados lado a lado no sofá, Emma e Henry finalmente chegaram em casa. O guincho rebocou o carro para uma garagem e depois ofereceu-lhes uma carona para casa, pois não havia como o carro voltar a correr naquele dia. No momento em que eles cozinhavam o jantar, todos os reality shows que atormentavam os horários da noite de sábado estavam misericordiosamente acabados e agora eles assistiam Shaun of the Dead, o único filme que sempre era exibido na TV em algum lugar no fim de semana.

"Você acha que sobreviveríamos a um apocalipse zumbi?" Henry perguntou, observando como o elenco representava os mortos-vivos enquanto caminhavam por uma rua.

"Com certeza," Emma assentiu, arrumando a comida. "Somos corredores bem rápidos, certo? Tenho certeza de que conseguiríamos algum meio de mantê-los fora de casa."

"E o Sr. Glass?" Henry perguntou. "Acha que ele faria isso?"

Emma riu. "Espero que não."

"E a sra. Mills? Como ela se sairia?"

Emma ponderou a questão por um momento. "Eu acho que ela, ou jogaria, o que eu tenho certeza que é uma biblioteca interminável de livros de história pesada, para eles, ou subiria no telhado daquela casa enorme dela e ficaria bem."

"É realmente uma casa enorme", Henry assentiu. "O que o Sr. Mills faz?"

"Eu não sei", admitiu Emma. "Eu nunca perguntei a ela e ela nunca me disse."

"Eu aposto que ele é um traficante de drogas ou algo assim", comentou Henry.

Emma riu novamente. "Sim, porque Regina realmente parece o tipo de mulher que seria cortejada por um traficante de drogas."

"Como se consegue todo aquele dinheiro?" Henry perguntou.

"Talvez ele seja um advogado de sucesso? Ou um homem de negócios?" Emma sugeriu.

"Pergunte a ela."

"Eu vou."

Emma teve que admitir que sua curiosidade foi despertada, mas ela também estava um pouco hesitante em perguntar de Robin para Regina. Todas as conversas que tiveram envolvendo seu nome ou em sua presença tinham sido ... canceladas. Independentemente da insistência de Ruby e Rose de que Regina, com seu PhD de Cambridge, deixaria Robin se não estivesse feliz, Emma não pôde deixar de pensar que a situação era muito mais complicada do que se sabia.


Notas Finais


Se precisarem, falem comigo no Twitter @NandaHarbor❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...