1. Spirit Fanfics >
  2. Um amor (Não) Recíproco - Imagine Neji Hyuuga >
  3. XVII - Akai Ito.

História Um amor (Não) Recíproco - Imagine Neji Hyuuga - Capítulo 18


Escrita por:


Notas do Autor


☔☔☔☔☔☔☔☔☔☔☔☔☔☔
B
O
A

L
E
I
T
U
R
A
☔☔☔☔☔☔☔☔☔☔☔☔☔☔

Capítulo 18 - XVII - Akai Ito.


Fanfic / Fanfiction Um amor (Não) Recíproco - Imagine Neji Hyuuga - Capítulo 18 - XVII - Akai Ito.

            Não estou te ignorando de maneira tola, estou aprendendo a deixar de te amar.

                                                   Thayna P.

-----------------------------------------------------------------

               Capítulo Anterior

S/N parecia estar feliz, mas algo em seu pescoço me chama a atenção. marcas vermelhas. Meu pequeno sorriso se fecha por um momento e sinto meu peito doer um pouquinho. Ela já achou outro alguém. S/N nota meu olhar em seu pescoço e fica estática, parece ter percebido. Faço uma expressão confusa, como se eu não tivesse visto nada e ela se acalma voltando a rir com os outros. Não vou ficar no caminho dela.

— Está tudo bem, Nii-san? - Indaga Hinata.

— Está sim. - Afirmo sorrindo. Mesmo com o meu peito apertado. Quem sou eu para ficar impedindo alguém de ser feliz?

                  ----------------------

                     S/N P.O.V

Volto a rir com meus amigos, mas eu ainda sentia o leve suor em minhas costas e um frio na barriga. Eu senti Neji me encarar, especificamente meu pescoço, e isso me fez gelar.

Vou até ao banheiro do estabelecimento, dando uma desculpa qualquer. Molho uma pequena toalha na pia e passo em meu rosto, com batidinhas ao entorno, tentando eliminar as poucas áreas de suor. Olho no espelho e noto algumas pequenas manchas vermelhas, quase invisíveis, em meu pescoço. Itachi...

— Foi isso que viu? - Ri fraco. - Como pode ser tão observador, Neji?

— Falando sozinha? - Gelo ao ouvir sua voz.

— Sabe que aqui é o banheiro feminino, não é? - Indago sorrindo de lado. Posso estar envergonhada, mas ainda mantenho minha postura debochada.

— Acredite, esse é o menor dos meus problemas. - Tranca a porta, me assustando. - Não sou desses, S/N. Fechei apenas para ninguém interromper o assunto. - Diz sério.

— O que pretende? - Indago.

— Primeiramente, me desculpar. Fui idiota ao não acreditar em você. - Diz, e confirmo com a cabeça, aceitando. - Segundo, irei sair do caminho. - Sorrir fraco. Me deixando confusa.

— O que?

Me encosto na pia de mármore negro, criando um contraste com as paredes de madeira escura do local, cruzando os braços. O Hyuuga me olhava confuso, como se eu já soubesse sobre o que ele falava.

— Eu vi, S/N. - Sorrir. - Vi que encontrou alguém. Não vou ficar atrapalhando, você merece ser feliz. - Diz sério. Abre a porta atrás de si, saindo em seguida. Sem me deixar falar.

Saio do banheiro, vendo duas garotas me olharem, rindo e cochichando. Resolvo não ligar e seguir meu caminho, mas uma delas segura meu braço.

— Ei, como você faz isso? - Questiona a ruiva. A encaro confusa.

— Fazer essas coisas e nem borrar o batom, ficar descabelada ou ofegante? Ainda mais com um homem daqueles. O prodígio dos Hyuuga. - Indaga a morena rindo com a amiga. Reviro os olhos e puxo meu braço.

— Normalmente, as pessoas ficam calminhas depois de uma foda! - Grita uma delas. Babaca. Sempre tem esse tipo de pessoa em todo ambiente.

Vou em direção a mesa de meus amigos, olhando por toda extensão da mesa amadeirada e não notando a presença do Hyuuga. Eu não havia citado sobre a decoração do local, mas é deveras interessante. Um local rústico, a madeira era bastante aproveitada nas mesas e assentos, mas também nas paredes do local.

— Ele foi embora, S/N. - Diz baixinho. Típico da garota tímida.

— Obrigada, Hina-Chan. - Sorrio fraco.

Me sento em meu lugar. Quero vê-lo e explicar a situação, mas não posso fazer desfeita. Neji...parece que faz tanto tempo que não o vejo. Talvez Itachi esteja certo, eu gosto do Hyuuga. Meus sentimentos não foram embora, apenas estavam guardados em um baú.

Ainda sinto seu beijo doce em meus lábios. Sorrio boba sem perceber. Ah Neji, por que nunca conseguimos ficar juntos? Será que o nosso destino é estarmos separados?

As horas se passavam lentamente, acabo sentindo um cansaço e apagando, deixo o rosto enterrado em meus braços sobre a mesa.

             [Quebra de tempo]

Me remexo um pouco sentindo estar em um lugar confortável. Abro meus olhos, me acostumando com a luz solar, notando estar em meu quarto. Como eu cheguei aqui? Será que Naruto me trouxe?

Me espreguiço e me levanto. Olho para minha cama, já com saudades, parece que faz dias que não durmo. Meu corpo está esgotado e dolorido. Vou em direção ao banheiro, me despindo e entrando no box. Uma rajada de água fria me faz acordar completamente. Escovo meus dentes e visto as roupas e o colete verde de sempre, obrigatórios aos shinobis e pego meus utensílios ninjas. Tranco a porta e saio de casa.

As ruas de Konoha já estavam decoradas. O clima natalino de certa forma me acalma. Paro em uma lojinha no intuito de comprar alguns dangos, é o meu doce favorito, acabo me lembrando de Itachi e compro a mais.

— Sharingan... - Sussuro. Vou a um beco vazio e faço alguns selos, logo me transformando em um corvo.

Sobrevôo me afastando de Konoha e sigo meu caminho. Por que nunca tentei isso antes? É um ótimo jeito de sair de Konoha sem ninguém perceber. Acelero meu vôo, chegando depois de alguns minutos ao esconderijo da Akatsuki.

— NII-SAN, CHEGUEI! - Grito. Me sento em um lugar qualquer. Pego um dango, logo o devorando.

— Que baderna é essa, garota? - Questiona. - Acha que está na sua casa? Ainda não acredito que aceitei isso.

— Não se estressa, Pain. - Ri fraco do mais velho. - Já te falei que tem lindos olhos? - Sorrio debochada.

— Também tem mania de arrancar os olhos dos outros, como seu irmãozinho? - Exclama, revirando os olhos. Tive um déjà vu  com isso, talvez por isso já ter ocorrido.

Esse povo é tão estranho, ainda não sei como Itachi consegue ficar com eles. Não vou dizer que não são fortes, mas são bizarros. Vejo Deidara passando, ele estava tão focado em sua argila que nem me notou. Eu tinha um leve crush nele quando o vi pela primeira vez, mas nada grandioso, apenas por algumas semanas. Coisas de uma adolescente com os hormônios a flor da pele. É tão estranho o fato dele ter sido meu "primeiro amor" Ya! Não considero "primeiro amor" foi apenas um "crushzinho" nada além disso. Ou o estranho é eu só ter tido dois crushes na minha vida, sem incluir o Itachi?

— Oi? - O assusto.

— Invasão! Katsu! - Exclama, me jogando algumas aranhas de argila. Por pouco consegui escapar, mas ainda assim as cinzas vieram ao meu rosto. - Ah, desculpe. Você me assustou. - Sorrir sem graça, com as mãos pousadas em sua nuca. O olho zangada e o mesmo se aproxima limpando meu rosto. Bonitinho, mas nada cavalheiro.

— Obrigada, mas pode deixar. Você já fez o bastaste quase explodindo a minha cara. - Reclamo tirando as mãos do mesmo do meu rosto. O garoto dá de ombros e se retira resmungando. - Só tem maluco nesse lugar.

                   Itachi P.O.V

Eu me encontrava deitado em minha cama, enquanto desenhava em um bloquinho de notas, eu o tinha desde a infância. Cada desenho nele representa algo. Um pequeno exemplo é a paisagem pintada apenas de preto e vermelho, representando a Akatsuki. Minha mais nova "obra" é um coração deitado em uma mesa cirúrgica, como se fosse um paciente em meio a uma cirurgia. Os médicos são cérebros representando a minha mente, que tentavam suturar o coração. A mente tentando curar o pobre coração que sofreu com os incontáveis erros da pobre mente, inocente, surda e cega. Transformo meus pensamentos e dúvidas em desenhos. Não sou um apreciador da arte como Deidara e Sasori, diria que sou apenas um "artista amador".

Eu estava finalizando a minha arte até ser interrompido por batidas em minha porta. Bufo e permito a entrada, logo vendo uma cabeleira loira. O garoto nota uma de minhas sobrancelhas arqueada, demonstrando minha impaciência.

— A sua prima está aqui. - Diz tedioso. - Cara, o que essa garota tem? Ela é tão dramática e esquentadinha. - Termina e sai do quarto. Acabo sorrindo de lado com os resmungos do garoto.

Eu não estava pronto para vê-la, mas uma hora isso aconteceria. Retiro meu manto devido ao calor que fazia, o penduro na porta e saio. Logo vejo a garota comendo dangos com uma expressão irritada. Vamos lá, Itachi! Lembra do que você mesmo disse a ela. Nada aconteceu.

— Olá, S/N. - A comprimento. Meu nervosismo aumenta pela minha formalidade exagerada.

— Não seja tão formal! - Exclama, me abraçando. - Primo, o Deidara é tão sem noção! Acredita que ele quase explodiu a minha cara?! - Denuncia exagerada. Apenas ri com a mais nova.

— Você não mudou nada, Linda. - Digo, afagando suas madeixas. - Sempre exagerada.

— Exagerada?! Dou um perdido em Konoha apenas para te trazer dangos e ainda sou ofendida? - Diz indignada. Rio ainda mais da garota. Será que Sasuke também continua assim?

A mesma pega uma sacola e me entrega. Assim que olho o conteúdo, meus olhos brilham. Não é exagero, isso é uma das maravilhas do mundo. É o melhor doce que existe! Faz tanto tempo que não como um, não vende por essas redondezas. Pego um e o coloco na boca em seguida. Fecho os meus olhos, aproveitando aquela sensação maravilhosa.

— Parece que gostou. - Diz rindo.

— Obrigado, irmãzinha. - Digo com a boca cheia, causando mais risadas a mais nova. - Mas me conte, só veio por isso? - Indago.

— Também preciso de conselhos. - Diz rindo fraco.

— Por que sempre me pede conselhos e nunca os segue? - Indago indignado, causando mais risadas a garota.

— Não me aponte o dedo, você também é assim! - Diz, Cessando os risos.

A garota termina de comer seus dangos e se senta novamente, a sigo no mesmo ato. Ela logo fica tristonha, algo a estava incomodando. Seus olhos estavam tristes, mas eu ainda conseguia ver dúvida e culpa neles.

— Não gosto de vê-la triste, linda. - Levanto seu queixo, a forçando a levantar a cabeça. - Me diga o que aconteceu.

— É o Neji. - Diz. A olho atentamente. - Eu estraguei tudo! Ele pensa que tenho outro alguém.

— E quem seria? Achei que tivesse se envolvido apenas com ele. - Digo, confuso.

— Oras, você. - Diz, mas continuo com minhas expressão confusa. - Olha. - A garota abaixa um pouco a gola do colete e vejo algumas marquinhas vermelhas, o que me faz corar.

— Desculpa. - Suspiro. - Olha, tenta falar com ele. O diálogo sempre resolve as coisas, bom, na maioria das vezes. - Sorrio.

— E se ele não acreditar em mim?

— Ser for para ser, será. - A abraço. - Assim como Akai Ito. - Sorrio, a soltando.

— Akai Ito?

— Sim, podemos chamar de “Fio vermelho do destino” é uma lenda de origem chinesa e, de acordo com este mito, no momento do nascimento, os deuses amarram uma corda vermelha invisível nos tornozelos dos homens e mulheres que estão predestinados a serem “alma gêmea”. - Explico, a garota abriu um enorme sorriso.

— Que lindo. - Sorri. - Obrigada por tudo, Itachi-kun. Vou conversar com ele. - Me abraça. - Até a próxima.

— Até a próxima, linda. - A solto. - E da próxima vez traga mais dangos, esses não foram suficientes. - Digo rindo, recebendo um leve soco no braço como resposta.

A garota logo se transforma em um corvo e vai embora. Você ainda vai ser muito feliz, linda, pode ter certeza disso. Eu espero que esse tal Neji seja o cara certo.

                     S/N P.O.V

Assim que chego em Konoha vou até a floresta, onde sempre me encontro com os meus amigos. Vejo todos reunidos, incluindo o Hyuuga.

— Oi, pessoal. - Os cumprimento, sendo correspondida. - Ah, Naruto! Obrigada por ter me levado para casa ontem. - Sorrio para o loiro.

— Não foi eu quem te levou. - Diz rindo fraco.

— Foi o Neji. - Diz Ino. - Ele havia ido embora, mas acabou voltando. - Responde parecendo prever minha próxima pergunta.

— Ah, Obrigada. - Digo tímida. O garoto apenas acena com a cabeça. - Que tal irmos ao Ichiraku? Estou faminta, os dangos que comi não foram suficientes. - Rio.

— A maioria de nós iremos para missões, apenas o Neji que está de "folga" - Diz Sakura.

— Mas se nossas equipes vão em missões, por que não vamos? - Indago desconfiada.

— Você está temporariamente proibida de ir a missões, como castigo. Ordens da Hokage. - Explica a rosada. - E Neji já usou bastante seus olhos em uma missão recente, achamos melhor que ele fique.

— O que? - O Hyuuga questiona indignado.

— Bom, é isso. Tenham uma ótima refeição. - Diz Kiba, saindo com os outros.

Eles saem tão rápido que não consigo pará-los. Isso está muito estranho. O Hyuuga ri fraco ao me ver confusa. Meus braços cruzados e uma de minhas sobrancelhas arqueada o mostraram isso claramente.

— S/N, Você não percebeu? - Indaga, o olho ainda confusa. O garoto apenas suspira. - Eles armaram isso para ficarmos sozinhos. Por que não diz logo a eles que já tem outro alguém? - Indaga incomodado. Seguro seu braço, o impedindo de ir embora.

— Dessa vez não vou deixá-lo fugir. - Digo, olhando em seus olhos perolados.

— Por favor, não brinque com o meu coração. - Pede baixo. - Se já tem alguém, não faça isso com ele. Um coração partido dói, ainda mais se for quebrado por alguém que ama intensamente. - Diz, acariciando meu rosto. Coloco minha mão sobre a sua.

— Me deixe explicar, hum? - Peço acariciando sua mão com o meu polegar, a mão do garoto ainda se encontrava presa em meu rosto. - Por favor. - Digo, o puxando.

Caminho pela floresta, ainda segurando o pulso do mais velho. Eu pretendia encontrar um lugar solitário e confortável. Acabo encontrando uma casa abandonada. Sua madeira estava gasta, mas ainda assim era linda, flores lilás a cercavam e seu telhado estava cheio de flores azuis. Puxo o garoto para dentro da mesma, não havia móveis algum, apenas um tapete felpudo azul bebê cobrindo o chão, ele estava levemente empoeirado, mas resolvo não ligar.

— Sente aqui. - Digo, sentado no tapete junto ao Hyuuga. - Quero que me escute bem, ok?

— Tudo bem.

— Eu gosto de você. - Confesso. O garoto suspira. Ele iria dizer algo, mas o interrompi. - Você disse que iria me escutar! - O repreendo. - Eu não tenho ninguém, meu mel. - Digo rindo pelo apelido brega, e que não tem nada a ver com o mais velho. - Essas marcas que você viu, foi apenas um erro. Um erro que não quero cometer nunca mais, só se for com você. - Me declaro, acariciando seu rosto. O garoto sorrir.

— Você não sabe o quanto gosto de você, meu anjo. - Diz tristonho. - Mas já aconteceu tanta coisa que acho que nosso destino é estarmos separados. Talvez isso que rola entre a gente esteja impedindo que encontremos a nossa alma gêmea. - Diz, vejo uma pequena lágrima sair de seus olhos.

— Não, Neji! Já ficamos muito tempo separados, e eu tenho muita certeza que quero você. - Digo com os olhos marejados. - Não desista da gente, gatinho. - Olho para baixo. - Você já desistiu, não é?

— Eu queria que nossos destinos estivessem cruzados, mas não estão, S/N! - Grita, mas logo abaixa a cabeça arrependido. - Eu adoraria chamá-la de "minha", mas nossos fios vermelhos não estão ligados. - Diz, lembrando a linda lenda.

— MAS QUE DROGA! - Grito chorando. Saio da bendita casa, correndo pela floresta. O garoto me chamava inúmeras vezes, mas o ignoro.

Percebi estar longe por não saber aonde estou, mas esse é o menor dos meus problemas. Escorrego minhas costas por uma árvore, sentando sobre o chão. Enterro meu rosto sobre minhas pernas ainda chorando. Ele não gosta de mim, apenas não quer me magoar.

                      Neji P.O.V

Decidi deixar a garota espairecer a cabeça e voltar para casa. Depois de tomar banho e me vestir, pego aquela caixinha que guardei por um bom tempo. Olho o colar, deixando cair uma lágrima sobre ele. Pego um pedaço de papel, escrevendo uma carta. Pego a caixinha e a carta, saindo de casa.

No caminho compro alguns dangos, soube por umas fontes que esse é o doce favorito do meu anjo. Chego na casa da garota, vendo a janela aberta. Acabo rindo da mesma. Descuidada. Entro pela mesma deixando a caixinha, a carta e o saquinho de dangos sobre sua cama.

— Não duvide dos meus sentimentos, anjo. Só quero que seja feliz. - Sorrio. - Gostei de ser o seu mel, mas parece que não é para ser. - Rio fraco, ao lembrar de seu apelido brega.

Saio de sua casa, mas fecho a janela antes. Suspiro, seguindo o meu caminho. Eu gosto de você, mas as coisas que acontecem só nos separam. Será mesmo que é para ficarmos juntos?


Notas Finais


Gente, não me matem, ok? Eu sei que demorei pakas para mandar esse capítulo, mas eu não estava tendo idéias. Eu decidi dar um basta e escrever, não estou tão satisfeita com esse capítulo, devido a falta de criatividade, mas fiz de coração hihi

O que vocês acharam do apelido da S/N? Brega? Kkkkk

Esse "crush" aleatório que ela tinha no Deidara foi um surto meu, ok? Eu nem sei por que escrevi isso, mas fiquem calmos, belê? Esses dois não vão ter esse tipo de interação, e ele não vai aparecer tento na fic. Sei que a S/N (Vocês) é muito shippável, mas vamos nos controlar kkkkkkkk

Falta pouco para o #RumoAos300Favoritos, muito obrigada de coração ❤️ Se ainda não tiver feito perguntas, podem ir lá fazer.

Espero que tenham gostado ❤️

Não sejam leitores fantasmas, comentem 👻❤️

Perdoe-me os erros ortográficos 😬

Até o próximo capítulo, Saranghaeyo ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...