História Um cafajeste em minha vida - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias 50 Tons de Cinza
Personagens Personagens Originais
Tags Amor, Cafajeste, Cretino, Romance, Safado
Visualizações 85
Palavras 817
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Romance e Novela
Avisos: Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Chalé

Capítulo 9 - Capítulo 9


Fanfic / Fanfiction Um cafajeste em minha vida - Capítulo 9 - Capítulo 9

Não posso acreditar que a Lizzie vai viajar e me joga uma bomba dessa, logo agora que eu começo sentir essas coisas por ela.

Merda.

Eu não quero que ela vá. Mais é o pai dela, e eu sei que você pode me achar egoísta, e sou mesmo quando se trata de algo ou alguém que quero muito.

Chegamos no estacionamento e abro a porta do carro para ela, que entra em silêncio.

Pego a rota da rodovia Ayrton Senna e sei que irei passar entre São José dos Campos e Taubaté. Quando pegamos a rodovia longa, ela me encara perguntando:

— Para onde estamos indo Ramon?

Sorrio com sua cara de apavorada e digo: — Tenha calma mulher! Não estou lhe sequestrando, embora queira muito.

Tenho um chalé suíço aqui afastado, podemos conversar mais a vontade.

Ela sorri achando graça e acrescenta: — Chalé suíço é? Quantas horas de viagem?

Olho para o relógio e digo: — 2 horas e uns 30 minutos por ai.

Ela balança a cabeça e diz: — O que você não tem hoje não é Sr. Andrews?!

Encolho os ombros e continuo o trajeto em silêncio. Ela logo adormece no banco do carro, e fico todo bobo de ver como é linda dormindo.

------------------x------------------x-----------------x

Paro o carro em frente ao chalé e toco em seu ombro para acordá-la.

Ela desperta sonolenta, então desço para abrir a porta do seu carro. Segurando a porta por dentro e fazendo sinal para eu me afastar ela soa: — Quanto cavalheirismo de sua parte, mais eu consigo muito bem abrir a porta de um carro.

Obrigada.

Balanço a cabeça sorrindo e me pergunto como fui me apaixonar por essa mulher. Ela não sabe ainda e não sei se terei coragem de dizer algum dia ou momento.

Ela desce e fica encantanda com a vista.

O chalé suíço fica em Campos do Jordão.

Ele é composto por dois quartos, um banheiro grande e uma suíte, além de cozinha com estilo totalmente rústico. Tudo feito de madeira. Estamos numa área de floresta.

Pego em sua mão e a conduzo para dentro. Vejo preocupação em seu rosto e pergunto: — O que houve Liz?

Caminhando até um banco de madeira, ela se senta e soa: — Andrews, não podemos estar aqui. Eu ainda preciso comprar uma passagem aérea para viajar amanhã.

Confirmo positivamente e digo: — Não se preocupe, já tomei as providências cabíveis.

Ela me fuzila com os olhos e rosna: — O quê? Porque fez isso de novo? Você não pode simplesmente ficar comprando as coisas para mim. Eu trabalho para isso.

Ponho a mão em sua perna e digo: — Posso sim, e sei que você é bem orgulhosa para aceitar. Até então não vi você usando nenhuma das lingeries da La Perla que mandei.

Ela se levanta e para em frente a varanda e fala baixinho: — É. E não entendo como você nos trouxe para um lugar afastado, sendo que nem roupa temos aqui.

Puxo-a para perto de mim e falo: — Isso não será problema, tem muitas roupas aqui.

Arqueando as sobrancelhas ela pergunta ironicamente: — É mesmo? Você costuma comprar roupas para as mulheres que sempre trás para cá?

Respiro fundo.

Que mulher difícil.

Então digo: — Não Lizzie. Nunca trouxe outras pessoas aqui além da minha família. E as roupas que tem são da minha irmã. Novas claro, sempre que ela vinha trazia o guarda roupa inteiro praticamente, então sempre deixa algumas aqui.

Ela fica surpresa e murmura: — Ah... Desculpa. Não sabia que você tinha irmã.

Ponho ela em meu colo e falo: — Você não sabe muito sobre mim ainda Sra. Thompson.

Sorrimos e nos beijamos ao mesmo tempo. E entramos para dentro do chalé.

Lizzie fica mais encantada quando vê o imóvel por dentro. Não era muito grande, mais super confortável e aconchegante.

Do quarto de cima ao acordar, a primeira coisa que você verá é a floresta, e ouvirá o som dos pássaros. Sempre quis ter um lugar calmo e afastado para mim, por isso fiz o chalé aqui.

Vou até a lareira, coloco lenha dentro e ligo no aquecedor.

Vejo ela se aproximar e sentar-se no sofá, então ela fala: — Eu gostaria de tomar um banho, vai me acompanhar?

Você com certeza deve me achar um maior pervertido, e por partes sou sim.

Dou um sorrisinho malicioso e murmuro:

— Eu adoraria, mais tenho que preparar nosso jantar.

Ela fica de boca aberta, e creio que seja pela parte final do que acabei de revelar.

Caindo na risada ela fala: — Uau. Você sabe cozinhar?

Confirmo num sim e ela se aproxima me puxando e me beijando calorosamente.

Afasto-me um pouco, atordoado e digo:

— É melhor você ir tomar banho, antes que eu mude de ideia e te pegue aqui na sala mesmo. 

Dou um tapa em sua bunda enquanto ela se vira e sobe para tomar um banho.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...