1. Spirit Fanfics >
  2. Um conto do mar >
  3. Primeira Onda

História Um conto do mar - Capítulo 1


Escrita por:


Capítulo 1 - Primeira Onda


A beira mar, a poesia fica por conta das ondas e seu bater intermitente que desgasta as rochas com palmadinhas de amor. O sol, banhando as águas é um presunçoso poeta que a natureza elegera. Deus é de fato um arquiteto ou um mago para dar contornos tão sublimes a um quadro que, por vezes, por pressa, ou pura insensibilidade, deixamos de admirar. Quantas vezes estive diante de tal obra prima, mas tão bobo estava, que não a pude ou não quis contemplar como deveria. Agora, já velho e com vistas cansadas, recordo-me de outros tempos em que o cenário era quase sempre a praia, a praia de Copacabana e suas cores e amores banais. A praia que tantas vezes cantei em minhas canções e que agora me traz, dorida, imagens que meu subconsciente se recusou a esquecer.

Era lá por meados de 1970...

Eu podia ter vinte e quatro anos ou menos. Estava eufórico, suado, agitado, com o coração na boca e correndo feito maluco pelas areias amareladas e geladas de uma tarde de sexta feira. Atrás de mim, um Pedro ofegante.

-Pera aí, Chico. – Gritava as minhas costas e eu ignorava de doido que estava. – Porra, Chico, pera aí.

-Minha música, Pedrão!!

-Eu ouvi, eu ouvi. – Pedro parou com as mãos nos joelhos. E eu, cai sentado de alegria. Me deitei as gargalhadas olhando para o céu azulado.

-Ela gravou minha música...

-Eu só não entendo o que ela tem que as outras não tem. – O meu primo gorducho deitou ao meu lado. Pedro era um cara que não tinha sensibilidade para compreender o quanto era significativo para um poeta que sua musa emprestasse a voz para uma canção que, provavelmente, ele escrevera em uma madrugada de febre pensando nela. Pedro era menino demais ou pragmático demais para compreender o quanto eu estava feliz por ouvir aquela voz dando tons mágicos a minha canção.

-Ela é especial...

-Ela é apenas uma cantora dessas que vai fazer um sucesso meteórico e pronto. Essas modinhas de hoje em dia...

-Cala a boca, cara! – Dei uma cotovelada em sua barriga rechonchuda com a raiva de uma fã de orgulho ferido.- Você não manja nada dessas coisas.

-Você é bobão demais, Chico. Isso tudo é só porque ela é bonitinha...- O bonitinha atingiu meu ego e quase soquei a cara daquele invejoso repugnante. Mas lembrei-me que, apesar dos pesares, ele tinha certa razão. O que ela tinha, afinal, que outras não tinham? A fama era igual a de tantas que gravaram minhas canções e fizeram sucesso de alguns dias ou meses. Ela era uma aposta da gravadora, apenas uma carta a mais no baralho, nada demais. Porém, ela era belíssima e quando a vi pela primeira vez na TV, num daqueles programas de tarde de domingo, cantando ainda meio tímida e constrangida com o pequeno sucesso que já alcançara, me apaixonei de pronto.  Peguei meu violão e fiz a música que agora ela gravara e que ouvi inebriado no rádio. Pedro jamais entenderia....

 

Aquela doce imagem veio dançar na minha memória e uma lágrima banhou minha face enrugada. Saudades do meu primo e dela, principalmente dela. Que tempos bons aqueles em que podíamos nos dar ao luxo de fazer das areias de Copacabana refúgio de alegrias e dores, amores e transas ao luar. Quantas loucuras fizemos mesmo sob um regime duro e repressivo, cego e com mania de subversão. Éramos felizes, ainda que a alegria estivesse encarcerada ou vigiada.  Vendo o ir e vir das ondas, lembrei-me de Caimmy. Será mesmo doce morrer no mar? Nos braços das espumas ao gosto do vento? Quase descobri isso...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...