1. Spirit Fanfics >
  2. Uma rosa por um sorriso >
  3. Capítulo Único

História Uma rosa por um sorriso - Capítulo 1


Escrita por: e jisurng


Notas do Autor


oioi!!
eu estou super animada com o início desse projeto incrível e único, então me animei um pouco e escrevi algo super bobo pro começo e que eu fiquei tocada ao escrever, então espero que gostem:(

Capítulo 1 - Capítulo Único


Quando Jisung entrou na cafeteria naquela sexta-feira, seu humor não estava o mesmo dos outros dias daquela fatídica semana. Estava cansado, queria apenas relaxar em uma das cadeiras tão familiares, sentir o cheiro de café pelo local e ouvir as canções antigas que sempre colocavam para tocar.

O inverno não ajudava em nada seu ânimo, era como se o frio o deixasse mais para baixo do que o normal. Não se sabe ao certo a razão de todo o seu mau humor, só sabe-se que Jisung queria apenas espantar todos os pensamentos e sentimentos ruins de perto de si.

Foi atendido por Seungmin, um dos muitos atendentes da cafeteria e que, com o passar do tempo, virou amigo do Han e já sabia seu pedido decorado.

— Obrigado, Seung. — Sorriu simpático, não querendo jogar o peso de sua semana em cima do garoto.

Seungmin saiu poucos minutos depois, dando a Jisung a oportunidade perfeita para que pudesse fazer seu passatempo favorito: olhar para a praça que ficava em frente à cafeteria, onde todos os dias havia um garoto desconhecido vestido de Pierrot. O garoto fazia mímicas para arrancar sorrisos das pessoas que passavam apressadas pelo local.

Jisung sempre apreciava o desconhecido. Amava saber que ainda havia pessoas no mundo que estavam dispostas a distribuir amor de uma maneira diferente e que não tivesse ligação com alguma tecnologia.

O Han nunca havia trocado uma palavra com o mímico, mas se sentia bobo pelo mesmo. Adorava o ver divertindo algumas crianças que paravam para cumprimentá-lo ou aos sábados, quando a praça ficava bem movimentada e ele fazia questão de comprar muitas flores e dar às diversas pessoas que cruzavam seu caminho.

Só havia uma única coisa que Jisung não entendia: por que ele se vestia de Pierrot? Sendo que a sua roupa é de um palhaço triste? O garoto não havia nada de triste em si, pelo contrário: ele era todo sorrisos.

Jisung percebeu que a mão já estava dormente do tanto que pesava a sua cabeça apoiada, então percebeu que deveria ir embora — mas antes passaria pelo garoto. O Han sabia que se sentiria mais leve se ao menos o desconhecido o notasse. Ele já havia melhorado o péssimo dia de Jisung ao sorrir para quem passava por si, então o que viesse a seguir seria lucro.

Após pagar tudo o que consumiu, Jisung saiu de sua cafeteria favorita e atravessou a rua em direção à praça, não desviando o olhar do mímico por um segundo sequer. Olhou rapidamente para seu relógio de pulso, vendo que não estava tão tarde, então ainda tinha pelo menos uma hora para poder observar o garoto.

Sentou-se em um banco, ao lado de uma fonte da qual crianças e adultos estavam sentados na borda, e deixou sua mochila no chão, já sorrindo automaticamente por ver o mímico começando mais um de seus shows.

Toda a sua leveza deixava Jisung encantado. O garoto era carismático, engraçado e, acima de tudo, bondoso. Disso Jisung tinha certeza. Não precisava nem o conhecer para descobrir o óbvio.

Jisung estranhou quando o mímico tirou uma caixa cheia de flores de trás de um banquinho onde se sentava para fazer alguns truques — o dia das flores era só aos sábados! De lá, começou a entregar algumas rosas brancas para pessoas que estivessem ao seu redor, fazendo Jisung ter a certeza de que ele se sentia grato ao receber um sorriso como agradecimento.

Poderia passar horas o olhando, mas seu celular tocou, o impedindo de prosseguir com tal coisa, ainda mais sabendo que era seu chefe.

A chamada não durou muito, mas foi o suficiente para sobrecarregar Jisung mais que o necessário. Teria que ir embora para entregar um arquivo para seu superior. Todos os seus planos de ficar observando o desconhecido foram por água abaixo. Na mesma hora, se sentiu triste.

Jogando a mochila no ombro, Jisung olhou o mímico por um último momento, não deixando de sorrir ao vê-lo entregando uma rosa para uma senhora. Esperava o encontrar ali no dia seguinte assim que fosse o ver de longe, escondido na cafeteria.

Seus passos eram lentos, parecia que seu corpo não queria ir na direção contrária à que estava tão tentado para voltar. Seu olhar era cabisbaixo.

Jisung estancou no lugar, se assustando ao ver alguém surgindo em sua frente, com a mão estendida para que parasse. Era o mímico.

— Hm? — Jisung franziu as sobrancelhas, encantado com os detalhes do desconhecido vistos de perto. — Posso ajudar?

O certo para um mímico seria não dizer nada, mas mesmo assim e estendeu uma rosa branca para o Han e disse sorrindo:

— Uma rosa em troca de um sorriso!

Jisung sentiu-se bobo por ter ficado mais encantado pelo garoto. Mesmo sentindo seu coração acelerar conforme sentia o olhar do outro, mais penetrante em si, Jisung estendeu a mão e segurou a rosa, mas o mímico não a soltou para que pudesse pegá-la.

— Um sorriso em troca do seu nome — o Han disse, tentando conter o próprio sorriso. Parecia automático.

O mímico pareceu pensar, piscando os olhos diversas vezes, ato fofo aos olhos do mais baixo.

— Meu nome em troca do seu.

Jisung se rendeu, abrindo um sorriso pela forma boba do garoto.

— Han Jisung, ao seu dispor.

— Lee Minho — o mímico disse, soltando a rosa para que Jisung a segurasse. — Seu sorriso é lindo!

Jisung sentiu suas bochechas corando, assim como seu coração perdeu uma batida.

— Por que está tristonho hoje? — Minho questionou, se pondo ao lado de Jisung, como se quisesse o acompanhar para algum lugar. — Ontem você estava alegre enquanto cantava uma música.

Jisung ficou surpreso, afinal, nunca havia reparado que o mímico o conhecia de longe, apenas por passar por ali.

— Trabalho, nada demais…

Jisung percebeu que Minho segurava uma mochila nos ombros, de um jeito extremamente adorável para o Han.

— E o que posso fazer para arrancar outro belo sorriso seu? — Minho questionou, começando a andar em passos lentos, acompanhado do mais alto.

— Você sempre me faz sorrir quando faz de tudo para fazer outras pessoas rirem — admitiu, sorrindo fechado para o Lee. — Por que você escolheu um palhaço triste, sendo que o que você faz é ser feliz?

Minho pareceu pensar numa resposta, ficando alguns segundos em silêncio.

— A história do Pierrot é triste, mas ele encontrou a felicidade após Colombina voltar para si, depois de descobrir seus sentimentos por ela. — Minho sabia que estava indo ao caminho contrário de sua casa, mas mesmo assim acompanhava o Han sem se preocupar. — Mas, antes disso, ele ainda continuava arrancando sorrisos das pessoas, mesmo estando sofrendo.

— E você se espelha nele?

— De certa forma, sim. Eu não encontrei alguém para amar ainda, porém eu estou nesse caminho. Enquanto isso não acontece e eu não atinjo minha maior felicidade, eu faço palhaçadas para os outros sorrirem, é o que me faz bem, de qualquer jeito.

Jisung não pôde deixar de se sentir admirado com as palavras de Minho. Sabia como era aquele sentimento de querer achar um porto para se agarrar à felicidade e não conseguir encontrá-lo.

Quando o encarou de volta, percebeu que Minho tirava a maquiagem de seu rosto. E, uau, Jisung quase ficou sem ar.

— Por que está me acompanhando até a minha casa mesmo? — Jisung perguntou após um intervalo de tempo em que ficaram em silêncio.

— Porque eu ainda tenho chances de te ver sorrindo de novo. — Minho realmente não tinha filtros, o que fazia Jisung ruborizar facilmente.

— Sinto muito te dizer, Minho, mas não vai, porque já chegamos — Jisung disse, parando em frente a um prédio de, no máximo, dez andares.

— Poxa… — Minho suspirou, se fingindo de triste. — De qualquer forma, você irá até a cafeteria amanhã?

Jisung abriu a boca sem dizer uma única palavra.

— Você me olhava de longe, qual o problema de eu também te olhar? — Minho questionou, risonho. — Eu gosto de receber sua atenção. Você parece relaxado depois de pedir um café, se sentar na janela e me ver fazendo mímica para as crianças que estão sempre ali.

— Tenho medo de você agora, vou mais não — brincou, arrancando uma risada do Lee.

— Quem manda você ser bonito e chamar minha atenção?

Jisung não segurou o sorriso sincero que veio logo em seguida. Gostou do jeito nada envergonhado de Minho, assim como seu ar leve e descontraído, que era tudo que Jisung precisava no momento.

— Viu? Jisung, seu sorriso é lindo! — Minho exclamou, apontando como se fosse óbvio. — Você é lindo.

— Obrigado, Minho — Jisung disse, não sabendo se era pelo elogio, pela companhia ou pelo jeito do Lee. — A gente se vê amanhã?

— Sem dúvidas. — Minho sorriu radiante, ansioso pelo dia seguinte.

Jisung permaneceu em frente ao portão do prédio, vendo Minho ir embora. Porém, antes que estivesse longe o bastante, Jisung gritou para si:

— Minho? — o citado olhou para trás de uma só vez, como se estivesse esperando por aquele chamado. — Seu sorriso me faz sorrir!

E Jisung sabia que ia sonhar com o dono do sorriso mais lindo que já tinha visto. Assim como também ia vê-lo outras vezes, apenas para ter a chance de ver o mímico sorrindo e, consequentemente, o fazendo sorrir junto.

No dia seguinte, Jisung havia acordado um pouco mais tarde — afinal, era sábado — e consequentemente perdeu a hora de ir à cafeteria. Mas isso não era motivo para não ir, prometeu a Minho que ia vê-lo, então não perdeu tempo em correr até o seu local favorito. 

— Bom dia, Jisung — Seungmin disse, assim que o Han entrou na cafeteria. — Já deixei seu café na mesa, veio atrasado hoje, hein?

— Perdi hora, Seung. — riu baixinho, indo até a mesma mesa de sempre, mas não a olhando, e sim encarando o lado de fora da cafeteria pela janela onde sempre se sentava. 

Como sempre, Minho estava fazendo uma peça para as crianças e pessoas que passavam por ali, arrancando sorrisos de todos que o observavam fazendo suas bobeiras de sempre.

Jisung levou uma mão até o café, cegamente, ainda mantendo o olhar preso em Minho, assim como tinha seu sorriso leve e inconsciente nos lábios.

Suas mãos tocaram não só a xícara de café, mas também algo duro e molhado. Jisung rapidamente olhou em direção à mesa, vendo sua xícara, uma rosa branca e um papel ao seu lado.

Por que seu coração batia tão freneticamente ao saber a origem daquilo?

— Uma rosa por sua presença mais perto de mim. — Jisung leu, ficando meio confuso de primeira, mas quando olhou para fora, procurando os olhos de Minho, o Lee o chamou para perto, o fazendo rapidamente entender o que significava aquilo.

Jisung saiu da cafeteria com a rosa em mãos, prometendo a Seungmin que pagaria depois. O Han correu até a praça, aproximando-se de uma roda de pessoas que observavam Minho.

Após acompanhá-lo com os olhos, Minho foi até o Han, entrando no meio da multidão — com diversos olhares sobre si —, e chegou perto de Jisung, entrelaçando as duas mãos e o puxando para perto.

— Pode me ajudar? Quero te mostrar qual a minha motivação todos os dias — Minho sussurrou, tirando a caixa cheia de flores de trás de sua mochila.

Jisung aceitou de bom grado, distribuindo rosas e ganhando sorrisos de gratidão. Rapidamente, Jisung entendeu como era o amor de Minho por aquilo.

Quando terminaram e se colocaram lado a lado para finalizarem e agradecerem pelo show do dia, Minho voltou a entrelaçar sua mão na de Jisung e dirigiu para si o mais belo dos sorrisos, encantando o Han.

— Agora você entende o porquê de eu gostar desses sorrisos? — questionou, vendo Jisung assentir. — O seu sorriso é o que me motiva. O sorriso de todos me motivam.

— Você é luz, Minho — Jisung confessou, pegando o Lee desprevenido ao envolvê-lo em um abraço.

— E você é lindo, Jisung.

Era bem claro que Jisung estava encantado por Minho, e vice-versa. Jisung sabia que havia se perdido no brilho do Lee, assim como Minho sabia que logo se apaixonaria pelo Han e faria de tudo para vê-lo sorrir. Seriam as pequenas coisas da vida que fariam aquele amor nascer, em meio a mímicas, rosas brancas, cafés e, principalmente, sorrisos.

 


Notas Finais


foi isso! dêem amor às pessoas que vocês passam sem nem reparar!

obrigada em especial a @aniel que fez essa capa maravilhosa! e a @notalicethism que betou! vocês são incríveis~

dêem amor ao projeto que só está no início! vejo vocês por aí~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...