1. Spirit Fanfics >
  2. Uma surpresa de 9 meses >
  3. Miami

História Uma surpresa de 9 meses - Capítulo 11


Escrita por:


Notas do Autor


Oi genteee eu volteiii
Me perdoem a demora, eu tive um bloqueio fodid* no meio do smut e não sabia mais como continuar kakakakkakakak
(Se tiver erros é porque eu não revisei)

IMPORTANTE: Esse capítulo tem SMUT/HOT, se não gosta, não leia.

Boa leitura bebês

Capítulo 11 - Miami


Fanfic / Fanfiction Uma surpresa de 9 meses - Capítulo 11 - Miami

{1 mês depois...}



—Você tem certeza que não quer ficar lá em casa? Meus pais adorariam que você ficasse.

—Não amor, eu não quero incomodar, e além do mais, eu já aluguei o quarto de hotel pra eu ficar.

—Lauren, não quero ficar longe de você... -faço bico.

—Não vamos ficar sem se ver, eu vou te ver assim que eu sair da reunião.

—Você promete?

—Eu prometo. -ela sorri, me dando um beijo na bochecha e pegando minha mão. —Se você quiser podemos sair também.

—Tudo bem...

Depois de quase cinco horas de vôo, finalmente chegamos à Miami por volta das três horas da tarde. Saímos do aeroporto e fomos em direção à casa dos meus pais, Lauren iria me deixar lá e ir para o hotel onde ela iria ficar.

—Pronto. A reunião começa às cinco da tarde, lá pelas sete horas já deve ter terminado, eu passo aqui pra conhecer seus pais, okay?

—Okay. Boa reunião, me liga quando você tiver vindo. -dou um selinho nela antes de pegar minha mochila na parte de trás do carro.

—Obrigado babe. Eu amo vocês. -ela passa a mão em minha barriga.

—A gente também te ama. -sorrio antes de sair do carro e fechar a porta.

Asceno para ela e dou as costas, apertando a campainha, segundos depois escuto a voz de Sofi.

—Quem é?

—CAMILA! -grito, dando pulinhos.

—AAAAAH. -escutou ela gritar dentro de casa.

Em segundos o portão é aberto e Sofia vem correndo até mim, me abraçando com força.

—Cami, Cami, Cami, Camiiii. -ela fala enquanto pula. —Que saudade. Você veio de verdade.

—Eu disse que eu iria vir, não disse?

—CAMILA! -escutou minha mãe gritar e olho pra ela, ainda dentro de casa, vindo em nossa direção. —Filhaaa. -mamãe finalmente chega mais perto e nós podemos finalmente nós abraçar. —Ai meu Deus, que saudade, meu amor. -ela coloca as mãos em meu rosto, me olhando. —Olha como você está linda, meu Deus! Você tá gordinha, olha o tamanho das bochechas.

—Eu também está com saudade mamãe. -sorrio.

—Nossa, Camz, sua barriga da começando a crescer! Que legaaal, eu vou ter uma irmã grávida! -Sofia passa as mãos em minha barriga.

—Meu bebê vai ter um bebê! -mamãe começa a chorar quando olha minha barriga e alisa ela.

—Mãe, para de chorar. -ri.

—Ai filha...

—Vamos entrar, o papai tá terminando de fazer um bolo de chocolate! -Sofia segura minha mão, me levando para dentro junto com minha mãe.

Ela fecha o portão com o controle e nós adentramos a casa, deixo minha mochila no sofá e vou para a cozinha com elas.

—Filha! Eu estava morrendo de saudade. -papai vem até mim, me beijando e me abraçando. —Que bom que você veio.

—Eu também estava papai. Muita saudade.

—Olha sua barriguinha. Meu deus, Camila, você realmente está grávida... -ele ri, passando as mãos em minha barriga. —Tá grandona já.

—Isso porquê eu só fui descobrir à um mês atrás...

—Mas é sempre assim, depois que a gente descobre ela aparece rápido. -mamãe limpa suas lágrimas com um guardanapo. —Voce já foi ao médico certinho filha?

—Fui. Tá tudo certo. Mandei mensagem pra vocês, da próxima vez eu gravo...

—E você veio com quem? De táxi?

—Não. Com a Lauren.

—A sua chefe? Por que ela não entrou?

—Ela vai vir depois. E falando nisso... -ri. —A Lauren não é só a minha chefe... -mordo o lábio inferior.

—Vocês estão namorando? -mamãe pergunta.

—Sim...

—Sua chefe? -papai.

—Pois é...

—Mas chefe e funcionário não podem se relacionar.

—Na empresa não tem essa regra, papai.

—Oh, sim... E vamos conhecer ela quando?

—Hoje à noite.

—Otimo, espero que ela goste de comida cubana.

—Ela é cubana-americana.

—Camila! Você encontrou uma cubana!!!!

—Simm. -ri. -Cubana...

—Simm, e você gosta mesmo dela? -papai pergunta.

—Simm pai. Muito, tipo muito mesmo. Eu me separei do Austin porque nosso relacionamento estava uma merda e eu comecei a sentir algo por ela...

—Faz quanto tempo que você se separou dele?

—Ah, um ano e meio eu acho. -dou de ombros.

—Eu achava ele chato. Ainda bem que vocês não namoram mais, Camz. -Sofia ri.

—Simmm, nossa. Ele era bem chatinho né? Não sei como consegui gostar dele por tanto tempo assim...

-Ah, eu gostava dele, ele era educado. -mamãe fala.

—Eu também gostava, tanto é que fiquei bem decepcionado sobre ele não assumir a paternidade... -papai fala.

—Eu nunca gostei dele. -Sofia dá de ombros.

—Falando sobre paternidade... Acho que vocês podem me achar doida mas, a Lauren quer assumir o bebê, então eu decidi que tudo bem ela assumir, sim? Ela é minha namorada e talvez futura esposa... Ela quer muito ser mãe, ter uma família...

—Camila à quando tempo vocês estão namorando mesmo? -Mamãe pergunta, franzindo o cenho.

—Hummm... Um mês. -mordo meu lábio, já esperando pelo surto dos meus pais.

—Vocês namoram à um mês e você já deixou com que ela assuma o bebê? Você nem a conhece direito.

—Mamãe, eu conheço à Lauren à quatro anos. Nós trabalhamos juntas à quatro anos. Eu já sei muita coisa sobre ela. E vocês vão me dar razão quando conhecerem ela, ela é perfeita, sabe... Em tudo. Ela é sempre muito amorosa, educada, carinhosa e simpática. E eu nem tô exagerando porquê tô apaixonada não. E vocês precisam ver como ela cuida de mim, é como se eu fosse uma boneca de porcelana, ela demonstra tudo isso apenas com o olhar... E ela é sempre tão carinhosa comigo, me mima todos os dias, faz todas as minhas vontades, me apoia em todas as minhas decisões, ela aumenta minha autoestima todos os dias, ela é sempre muito protetora, chegou em um nível de superproteção tão grande que ela tem medo de me deixar sozinha e eu passar mal... Sabe, eu sinto que é ela com quem eu vou passar o resto da minha vida, e se não for, eu faço ser, faço dar certo. Estamos juntas apenas por um mês mas o que eu sinto, parece ser um amor de anos e anos atrás, e eu não consigo me ver sem ela. É como se fossemos feitas uma pra outra, sabe? A minha outra metade. Eu tenho muito medo de perder ela, tanto medo que só de pensar eu fico triste e choro... -suspiro.

Meus pais e Sofia me olham, sorrindo grande.

—Essa Lauren é mesmo muito especial... Eu nunca te vi assim... -papai diz rindo.

—Seus olhos brilham só de falar o nome dela... Eu nunca te vi assim, filha... Vocês realmente se gostam muito, né ?

—Você nem faz idéia, mamãe... -sorrio.


-x-


Papai, mamãe e Sofia não desgrudaram de mim o resto da tarde, e lógico que nem gostei né? Estava morrendo de saudade deles, é sempre muito bom ficar com meus pais e minha irmã, eu me sinto tão mais feliz e protegida ao lado deles... Minha família é o meu ponto fraco, o meu tudo.

—Camz, como o bebê vai se chamar? -Sofia pergunta, passando as mãos na minha barriga.

—Ainda não sei amor, não pensamos em nada.

—Quando você vai saber se é menino ou menina?

—Semana que vem, na terça.

—Voce vai filmar pra gente ver?

—Claro que vou.

—Que horas são? Tô com fome.

Pego meu celular ao meu lado no sofá, olhando as horas.

—São sete horas. A mamãe já terminou o jantar eu acho, daqui a pouco a Laur- a campainha toca. —Deve ser ela.

Eu e Sofia nos levantamos, pego o controle do portão e vou até lá, abrindo e encontrando a mulher mais linda do mundo vulgo Lauren Jauregui minha futura namorada e possivelmente futura esposa também.

Ela usava um vestido justo, vermelho, uma cinta preta e uma jaqueta de couro preta, nos pés, um salto fino, preto também.

Vou até ela, selando nossos lábios.

—Lauren, essa é a Sofia, minha irmãzinha. -bagunço os cabelos de Sofia, que revira os olhos, sorrindo.

—Olá Sofia, ouvi falar muito de você. -Lauren sorri, indo até minha irmã e deixando um beijinho na bochecha dela. —Pra você. -ela a entrega uma sacola. —Camila me disse que você gosta muito de maquiagens. E ah... -ela sai de casa, indo até o carro, destrancando a porta e tirando de lá de dentro um ursinho de pelúcia que era bem grandinho.

Sofia abre a sacola de presentes, curiosa.

—Meu deus! -ela tira uma paleta de maquiagem da sacola. —É da Lancôme! Lancômeeee! -Sofia dá pulinhos animados.

Lauren volta, tranca o carro.

—Isso é muito caro. Eu ameei.

—É pra você também. Sei que vocês duas gostam muito de ursinhos. -ela estica o urso para Sofia pegar.

A mesma o pega, o abraçando.

—Obrigado, obrigado, obrigadoooo. Eu amei muito. -Sofia a abraça.

—Você merece, princesa.

Entramos para dentro de casa, Sofi foi correndo mostrar para mamãe o que ela ganhou da Lauren enquanto nós íamos para a cozinha pra eu poder apresentá-la aos meus pais.

—Mamãe, papai, essa é a Lauren. Lauren, meus pais, Sinuhe e Alejandro.

—Olá querida, Camila fala muito de você, é muito bom poder finalmente te conhecer. -mamãe fala, sorrindo e indo abraça-la.

—Olá senhorita Sinuhe, é muito bom conhecer vocês. -Lauren a abraça de volta. —Espero que Camila tenha falado coisas boas.

—Com certeza! Ela só fala de você o tempo todo. -papai a abraça. —Seja bem-vinda à família, Lauren.

Lauren, sorri, corando um pouquinho.

—Muito obrigado.


-x-


Meus pais conversaram com Lauren o jantar todo, deram mais atenção pra ela do que para mim, acho que isso significa que eles gostaram dela... É impossível não gostar dela, né, ela é perfeita!

Depois do jantar e passar algum tempo conversando, eu e Lauren resolvemos sair um pouquinho e andar pela cidade.

—Como foi a reunião?

—Foi tudo bem, deu tudo certo, amanhã vou ver os modelos das roupas que eles estão fazendo e dependendo do trabalho deles eu fecho contrato no domingo... Como foi o resto do seu dia? Ficou menos enjoada?

—Aham. Passei o dia conversando com os meus pais e colocando a conversa em dia. -me sento em um banco junto dela enquanto tomo o resto do meu sorvete. —Acho que eles gostaram de você.

—Voce acha? Eles me amaram. -ela ri. —Sua mãe me convidou pra ir almoçar lá amanhã.

—O quê? -ri. —Como eu nem sei disso?

—Você estava no banheiro.

—Você vai?

-Acha que eu perderia essa oportunidade de passar mais tempo com seus pais?

—Eles são um máximo né. -ri.

—São. Por isso você é tão perfeita assim. -ela sorri.

—Boba. -dou um selinho nela.

Lauren passa a mão na minha barriga.

—Mamãe sentiu sua falta, bebê.

Termino de tomar meu sorvete e jogo o copo no lixo, atrás do banco.

—A gente também. -faço bico.

—Sentiu mesmo? -ela segura meu rosto, dando vários selinhos em minha boca.

—Sentimos.

—Muito?

—Muito, muito, muito.

—Owwn. Eu amo vocês.

—A gente também. -passou meus braços pelo pescoço dela, selando nossos lábios e em seguida aprofundando o beijo.

Nós duas ficamos lá sentadas, conversando e se beijando por algum tempinho, até o clima esquentar e voltarmos para o carro, indo até o hotel onde ela estava hospedada.

—Ei, aqui tem câmera, sossega. -ri. —E a qualquer momento alguém pode entrar.

—É so disfarçar. -ela ri, parando de me beijar quando o elevador se abre.

Lauren segura na minha mão, me conduzindo até o quarto, a mesma tira um cartão da bolsa, passando ele uma vez e a porta destrancando. Ela é rápida, fecha a porta novamente e agarra minha cintura, deixando beijos por meu pescoço, me fazendo arrepiar.

Me viro para ela, tirando seu cinto e olhando ele.

—O que foi? -ela tira meu cabelo da frente do meu rosto e me olha nos olhos.

—Seria interessante se você me batesse com essa cinta, não acha?

—Sua sádica. -ela ri. —Seria sim. -sela nossos lábios.

—Quando eu ganhar o bebê, quando finalmente a gente puder transar, quero isso.

—Seu desejo é uma ordem, amor...

Sorrio sacana antes de puxar ela para um beijo.

O beijo termina e nós começamos a nos despir, tiro o vestido e o sutiã dela, a deixando somente de calcinha. Eu, que já estava nua, me deito na cama, observando Lauren se aproximar e "subir" em cima de mim, fazendo nossos corpos quentes, se encontrarem. Ela faz uma trilha de beijos, começando pela minha boca e parando no meu peito esquerdo, onde ela começa a chupar e mordiscar levemente, enquanto acaricia o outro com a mão, apertando.

Fecho os olhos, gemendo baixinho e suspirando enquanto sinto seu toque em meu corpo, me causando arrepios atrás de arrepios.

—Hmm. -mordo meu lábio.

Lauren troca, agora chupando o outro peito. Sua mão livre desce por minha barriga e para quando chega perto da minha virilha, passando a ponta dos dedos.

Ela para de chupar meu peito e volta a se sentar no meio das minhas pernas, ela olha meu corpo, mordendo o lábio.

—Você é uma puta de uma gostosa.

As mãos dela param em minhas coxas, as apertando e em seguida começando descer lentamente para minha virilha, ela passa o dedo indicador sobre meu clitóris e para entre a abertura vaginal.

—Você tá tão molhada amor... E eu mal te toquei...

Mordo meu lábio inferior, sorrindo maliciosamente e deixando um gemido escapar quando sinto ela penetrar um de seus dedos em mim, e em seguida outro, começando a movimenta-los lentamente.

Minha respiração começa a ficar desregulada.

—H-hmm. -fecho os olhos, gemendo baixinho enquanto movimento meu quadril conta seus dedos.

Sinto sua respiração entre minhas coxas e em segundos sinto sua boca quente chupando meu clitóris.

—O-oh. Lauren... Hmmm. -levo minhas mãos para os cabelos dela, os puxando suavemente.

Ela aumenta os movimentos dos dedos, indo mais rápido, me fazendo rebolar contra seu rosto e seus dedos.

Sinto meu corpo se arrepiar e ir esquentando cada vez mais enquanto ela movimenta os dedos sobre meu "ponto G". Fecho os olhos, mordo os lábios e gemi baixinho. Estava perto.

—Hmmm. -seguro os cabelos de Lauren e automáticamente minhas pernas se fecham, mas ela tira os dedos de mim e afasta minhas pernas, se concentrando em me chupar.

Sinto minhas pernas perderem a força e começarem a tremer, não demora muito e chego em meu orgasmo.

—Ohh. L-lauren. Hmmm. -tento me afastar, mas a mesma continua segurando firme em minhas coxas. —Hmm.

Eu estava sensível por ter acabado de ter um orgasmo, e ela continuava me chupando, me fazendo gemer e contorcer de tanto prazer.

Minutos depois, ela para, e se levanta tirando a calcinha, vem pra cima de mim e me beija, fazendo eu sentir meu próprio gosto.

Depois do beijo, me ajeito na cama, e ela se encaixa no meio das minhas pernas de uma forma que faz com que nossas intimidades de toquem. Lauren segura em minha coxa enquanto ela começa a rebolar, roçando nossas intimidades e nos fazendo gemer.


-x-


Depois da nossa foda, ficamos um pouquinho na cama até nossas respirações voltarem ao normal.

Agora estávamos na banheira, relaxando, depois do banho.

Deito minha cabeça no ombro de Lauren, fechando os olhos e suspirando.

—Quer comer alguma coisa?

—Não, estou cheia ainda.

—Tudo bem. -ela passa as mãos em minha barriga. —Você tá cansadinha né.

—Aham. Tô com ficando com sono. Cheguei em casa e nem dormi, fiquei com meus pais o dia todo conversando.

—Quer que eu te leve agora?

—Não, to com o controle da Sofia, quero ficar mais um pouquinho agarradinha com você.

—Owwn. Sentiu minha falta, foi?

—Senti. Nem acredito que não vou dormir agarradinha com você hoje.

—Ah amor, só hoje e amanhã.

—Dorme lá amanhã, nós vamos embora no domingo mesmo...

—Tudo bem, se seus pais deixarem eu vou.

—Eles vão deixar. A mamãe com certeza vai falar com você amanhã.

—Já entrei pra família.

—Sim. -dou risada. —Eles te amaram. E com razão né, você é um docinho lindo. -viro minha cabeça para ela que me dá um selinho demorado.

—Eu te amo muito.

—Eu também te amo muito.


Quando a água começou a esfriar, saímos da banheira, nos secamos, trocamos e Lauren me levou de volta para a casa dos meus pais.

—Boa noite babe, se sentir qualquer coisa estranha, me liga que eu venho correndo. Dorme bem princesa. -Lauren sela nossos lábios.

—Tudo bem, não se preocupa, eu te amo, bons sonhos. -abro o portão. —Até amanhã. -entro.

—Até amanhã, eu amo vocês.

—A gente também.

Lauren volta para o carro e eu fecho o portão.

Entro para dentro de casa, tranco a porta da frente e vou para o meu quarto. Sofi dormia na minha cama abraçada com o ursinho que a Lauren a trouxe. Tiro meu salto, e vou até a minha mala, a abrindo e pegando meu pijama de bolinhas. Troco minha roupa e antes de deitar na cama, apago a luz do abajur.

—Camz?

—Sim?

Ela não responde.

Me cubro com a coberta e abraço a cintura dela.

Alguns minutos depois eu já estava dormindo.


Notas Finais


Bom gente, é isso

Perdoem-me pelo smut bosta, é o primeiro smut lésbico que eu faço, então tenham paciência comigo kakskakkaka

Vou tentar não demorar pra atualizar mas não prometo nada.

Espero que vocês tenham gostado.
Comentem, amo os comentários de vocês
De cuidem, até a próxima att ❤️💋


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...