História What a Feeling. - Capítulo 28


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Styles, One Direction
Personagens Harry Styles, Personagens Originais
Tags Adultério, Cleo, Cleopires, Harrystyles, Romance, Sonhos, Styles
Visualizações 38
Palavras 2.220
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Famí­lia, Festa, Ficção, Musical (Songfic), Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


*ATENÇÃO NESSA LETRA QUE ME INSPIROU A FAZER ESSA FANFIC*

Capítulo 28 - Epilogo - What a feeling


Fanfic / Fanfiction What a Feeling. - Capítulo 28 - Epilogo - What a feeling

Eu estou vendo ela dançar, vestido está captando a luz

Em seus olhos há nenhuma mentira, não há mentiras

Não há dúvida, ela não está em um disfarce

Sem saída e uma longa descida

Todo mundo precisa de alguém por perto

Mas eu não posso te manter tão perto agora

(...)

Que sensação de estar bem aqui ao seu lado agora

Segurando você em meus braços

Quando o ar acabou e nós dois começamos a correr loucamente

O céu caiu

Mas você tem estrelas, elas estão em seus olhos

E eu tenho algo que falta esta noite

Que sensação de ser um rei ao lado de você.

( WHAT A FEELING - ONE DIRECTION)


EVELYN FERREIRA
18 de Maio de 2019, sábado.
LOS ANGELES, CALIFÓRNIA.

Confiro mais uma vez o vestido preto em meu corpo, ele é comprido até os pés, com uma abertura para a perna esquerda até o meio da cocha, um decote em "v" faz meus seios parecerem maior. Meu cabelo agora um pouco maior está de um lado só, a maquiagem simples com destaque nos lábios vermelhos. Eu gostei. Menos da cor do vestido, é claro. Claire é louca, suas madrinhas todas entrarão de preto, simbolizando a luto por sua vida de solteira. Eu não poderia ficar mais chocada quando ela me contou. 

Flashback

Adentro a loja de vestidos atrasada em mais de uma hora. Depois que Claire saiu da DecoArt alegando querer de dedicar apenas o seu casamento, Charles me passou todos os projetos que estavam no nome dela para terminar. O que acabou me atolando até o ultimo fio de cabelo de trabalho, e fazendo que minha ultima reunião durasse mais que o previsto. 

Claire, que estava com um vestido bufoso em frente ao espelho e olhava para sua mãe com tédio, enquanto a mesma balançava ao som de alguma música imaginaria com o véu pela loja.

- Pelo amor de Deus mãe, eu não vou me casar de branco. 

- Eu já disse que você está muito louca se você acha que vou deixar que você cumpra o que planejou. 

- Ei! - disse chamando atenção das duas. - Desculpe pela demora, o cliente me enlouqueceu com... 

- Ainda bem ! - Clarisse me interrompeu, as semelhança entre as duas não eram só físicas. - Quem sabe você não consegue colocar um pouco de juízo nessa cabeça dura que sua amiga tem? 

- Mãe, é o meu casamento! - Claire exclamou - E vai ser tudo como eu tenho em mente, já experimentei esse vestido ridículo e não vou mudar de ideia. 

- Eu nem sei do que vocês estão falando. - dei de ombros.

- Ela quer se casar usando vermelho, e pior ... - Clarisse andou até alguns pufes e puxou um vestido que estava ali em cima. - Quer suas madrinhas usando preto!

- Representa o sangue e o luto pela minha vida de solteira que vai acabar.- Claire diz e rola os olhos, me deixando perplexa. - Avisei Niall, que se ele continuasse com aquela proposta idiota iria ser pra sempre, que eu não daria nenhum divorcio, que nosso casamento iria ser diferente e que nunca em hipótese alguma eu usaria branco.

- Mas... - tentei mas fui interrompida. 

- Chega, vocês terão suas opiniões consideradas na decoração ou nos bufê, mas não no que eu visto. Evelyn. - ela andou até sua mãe e tomou o vestido de sua mão. - Vá experimentar esse enquanto eu retiro esse vestido ridículo

Flashback off.

Depois não tivemos mais como opinar em nada, e se fizemos ela negava ou fingia que não estava ouvindo nada.
Caso aparte, agora ali, pronta para levar minha melhor amiga até o altar, a felicidade fazia meu coração bater acelerado.

Minha amiga acabava de vestir seu vestido com ajuda de Maura e Clarisse, mesmo que não precisasse de ajuda, era perceptivel que ela estava se divertindo com a ajuda de sua sogra e sua mãe.

Conseguia ver o seu nervosismo toda vez que seus olhos encontravam com os meus, junto com o cansaço e da ressaca de sua despedida de solteira.
Fomos ao uma boate de estripe para mulheres, e nos divertimos até as quatro da manhã. Harry também acompanhou Niall na dele, mas assim que cheguei em casa, ele me esperava para termos o nosso momento juntos. Fomos dormir ao amanhecer, o que nos deu apenas 3 horas de sono, e agora ali, meu corpo gritava por uma cama.

Mas havia muito para arrumar, a previsão do tempo resolveu não seguir o que indicava e o mundo caiu, fazendo o campo de golfe ficar encharcado. O bufê ligou avisando que demoraria uma hora e as flores foram despedaçadas.

Eles não desistiram, e me vi de tênis pisando num lamaçal e caminhando até o altar com minha melhor amiga logo atrás de mim de pés descalços.

  O casamento foi como nos seus sonhos, misturados com o de Niall. A felicidade dos dois estava estampada em seus rostos. Ela entrou ao som de Slow Hands, fazendo seu noivo rir alto e fazer sua gargalhada contagiar quase todos.

Foi um espetáculo a parte a hora dos votos, e assim que o padre os declarou casados a chuva voltou a cair e enquanto todos corriam para as tendas, Niall e Claire se beijavam encharcados de baixo de chuva.

Durante a festa, a única tradição que se prosseguiu foi a de jogar o buquê para as solteiras. Eu não estava no meio daquele amontoado de garotas doidas para ser a próxima a se casar. Estava na lateral, os braços de Harry me envolviam e um sorriso estava preso em nossos rostos observando a contagem regressiva. E quando Claire jogou o buquê ele de uma maneira mágica saiu torto e caiu nas minhas mãos. Até poderia acreditar que foi uma trapaça do acaso, mas o sorriso zombeteiro de Claire não me deixava acreditar que o acaso tinha algo haver com aquilo.

Harry por sua vez, me olhava com um pequeno sorriso de lado. Já havia se passado 1 ano desde que meu divorcio saiu, um ano e meio que estávamos juntos. E uma conversa sobre morarmos juntos estava em andamento.

Iriamos dar um passo de cada vez, Harry estava estudando loucamente o roteiro de um novo filme que ele pretendia fazer, e a ideia que Claire deu de abrirmos uma pequena empresa de decoração em L.A ainda estava fresca em minha mente.

Eu queria ir morar com ele, mas não queria ficar sem trabalhar e Claire jogou a sugestão em meu colo enquanto conversávamos sobre o assunto, e como ela passaria a morar com Niall em Los Angeles a ideia poderia caber como uma luva.

Fiquei de pensar, até porque não temos um capital para conseguirmos nos tornar empreendedoras no Estados Unidos, e nenhuma de nós duas queríamos usar o dinheiro dos meninos.

Vi Claire apontar para mim e gritar que esperava o convite para madrinha. Neguei com a cabeça e olhei para Harry, que segurava o sorriso.

- O que você acha? - perguntei fazendo com que as covinhas voltassem a aparecer em suas bochechas.

- Que poderíamos conversar sobre, quando você se decidir se vem morar comigo.

- Bom, eu ando pensando bastante nisso. Posso voltar a LA semana que vem, quem sabe não consigo encontrar uma empresa legal que me aceite como empregada.

- Isso é um sim? - suas sobrancelhas se juntam, mas o sorriso continua em seus lábios.

- Yep. - seus lábios vem em direção aos meus e ali me da um selinho. - Mas não vai ser de imediato, tenho que tratar com Charlie uma data final para os projetos que tenho em andamento, tenho que conseguir um visto e escola para o Bruno... - ele me beija novamente me interrompendo.

- Vamos aos poucos. Eu te disse Ivye, quando voltou para mim que eu nunca mais te deixaria ir embora, temos tempo.

- Eu já disse que você é o homem mais especial desse mundo? Obrigada. - ele colou nossas testas e o seu nariz acariciava o meu.

- Eu amo você. - ele disse baixo o suficiente para só para mim escutar.

- E eu a você. - lhe beijei e quando pensei em aprofundar o beijo, Claire me puxou pela mão, gritando que havia chegado a hora da dança para o noivo.

Mas o olhar de Harry, continha uma pequena promessa que sei que ele cumpriria, mais tarde.

Três cadeiras estavam postas no meio do salão de dança, a de Niall ficava mais a frente, a de Harry e de Greg ficavam mais atrás.

Ensaiar aquela coreografia tinha sido um desafio grande com Denise do outro lado do oceano. Aprendemos a coreografia, viajamos para Mullingar por um fim de semana para ensaiarmos juntas e tudo deu certo.

Claire em seu vestido vermelho estava de frente para o Niall que gargalhava de nervoso. Harry se sentou de frente para mim e me olhava prendendo um sorriso de canto. Suas mãos foram postas sobre suas cochas e as pernas abertas, um sorrisinho cafajeste apossou em seu rosto quando fiz a pose inicial na frente dele.

Bola Rebola da Anitta começou a tocar e enquanto começávamos a coreografia, e todo mundo gritou.

Bola rebola, bola rebola , bola rebola

Rebolamos e descemos até o chão rebolando, com as mãos apoiando no joelho. Subimos e fazemos um quadradinho enquanto voltamos a parte coreografada. Escutei quando Harry assoviou me fazendo rir e errar um passo.

Quando a música se aproximava do fim na parte mais rápido do bola rebola, nos aproximamos bem deles viramos de costas e rebolamos encostando em suas cochas. Consegui sentir o membro de Harry dando sinal de vida e suas mãos antes abertas sobre suas cochas, agora estavam presas em minha cintura.

Os gringos que estavam presentes gritavam e os brasileiros dançavam. E quando a música acabou, me virei e dei um selinho em Hazz e me afastei a tempo de ver ele mordendo o lábio inferior negando e dizendo:

- Você me paga! - ri e andei até o bufê a procura de uma garrafinha de agua.

O dj Alok tomou sua posição e quando voltei, fui puxada para pista e um copo de vodca posto em minha mão. Dancei o resto da noite na companhia de todos meus amigos e os amigos de Harry.

Não vi como cheguei no quarto do hotel ou quando. Mas acordei jogada nos braços de Harry, um braço para fora da blusa, e as calças pelo joelho. Harry tinha sua camisa social aberta, a gravata pesa na testa, de cueca e somente um sapato nos pés.
Eu não sabia de ria, ou se chorava pela dor de cabeça que me apossava. Puxei meu celular e tirei uma foto no espelho do teto de como estávamos, aquele momento deveria ser guardado para sempre. Me levantei, fechei as cortinas, que estavam abertas deixando o sol entrasse por eles, retirei a blusa a calça que havia vestido em algum momento da festa e voltei para os braços de Harry, dormi poucos minutos depois.

(...) 

- Evelyn. - escutava a voz de Harry ao longe me tirando do sono e abri os olhos. - É o Bruno. - me estendeu seu celular.

- Oi filho.

- Oi mamãe, eu to aqui em baixo com a tia Clarisse tá? Vou um pouco para a piscina, eu iria até o quarto da senhora mas... meu deus do céu, um cochão desse e eu dormindo na ripa lá em casa. - meu filho de apenas 10 anos soltou essa frase enquanto falava no telefone comigo.

- BRUNO FERREIRA DE SOUSA. - chamei sua atenção.

- Que mãe ? - perguntou se fazendo de inocente.

- Êh muleque, você ainda vai tomar um aperto com essas cantadinhas de pedreiro.

- Mãe elas não vão entender.. enfim, estou na piscina com a tia Clarisse, eu ia até ai chamar a senhora mas ela disse que não era uma boa ideia.

- Tudo bem. Daqui a pouco eu...

- Deixa eu falar com o tio Harry. - revirei os olhos entregando o celular para Harry, que soltou uma gargalhada logo depois que colocou o celular no ouvido.

Os dois se aproximaram muito, conversavam todos os dias e isso me faz uma mulher completa. Harry não evoluiu muito no português, mas eles se entendiam.

Engraçado como as coisas acontecem.

As vezes a gente só precisa sair da cidade. Ter uma nova visão, mas nem sempre a gente consegue ter uma nova visão porque precisa de uma nova visão... Bom a gente precisa de uma nova visão para poder ver... É complicado.

Vendo Harry rindo ali, enquanto falava no telefone com meu filho e retirava uma gravata da cabeça, me fez entender tudo.

A questão é...

Abra os olhos, o que você vê? Mais possibilidades? A sua vida continua te dando esperanças? Porque esse é o objetivo, o mundo é cheio de possibilidades e diferentes modos que te faça sair da rotina.

As vezes, uma mudança de visão é tudo que você precisa para dar a volta por cima e ser verdadeiramente dona de si, dona de sua própria felicidade.

Eu tive a sorte de conseguir alguém nesse processo que somasse a mim, que me apoia e me respeita acima de tudo.

As vezes, uma viagem pode mudar sua vida.

FIM...


Notas Finais


Mentira... temos 2 bônus ainda kkkkkk

Não vou dizer muitas coisas porque não estou em condições.
Sábado vem os agradecimentos e na próxima Quinta, o Bônus com Harry e Evelyn.
Deixo a palavra com vocês.
MUITO OBRIGADA POR TUDO.
AMO VOCÊS.
BEIJO, ELIE 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...