1. Spirit Fanfics >
  2. What if?... (segunda temporada) >
  3. Rhaenyra Targaryen

História What if?... (segunda temporada) - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Olá malta! Estou de volta! 😁
Bem, para começar bem a história, o primeiro capítulo será sob o ponto de vista de Rhaenyra Targaryen.

Espero que gostem!

Capítulo 1 - Rhaenyra Targaryen


Fanfic / Fanfiction What if?... (segunda temporada) - Capítulo 1 - Rhaenyra Targaryen


Explosões... Gritos... Barbaridade... Terror puro corria nas veias de Rhaenyra... E ela não queria acreditar no que via.

Porto Real estava um caos. As pessoas corriam e atropelavam-se umas ás outras, fugindo de algo que se aproximava... Mas não era algo comum... Era a escuridão.

Crianças, Homens e mulheres choravam, desesperadas...:




-"Mas o que se passa aqui?"






-"Senhora! Fuja! Fuja e nunca mais volte! Estamos perdidos... PERDIDOS!"- disse um plebeu, que desatou a correr.




Multidões se moviam para o Porto naval. Rhaenyra fazia o possível para alcançar o que quer que seja que todos fugiam. A rua onde se encontrava era apertada, e como estava cheia, decidiu seguir outra rota.

Decidiu correr numa ruela que por ali passava, e desesperadamente tentou abrir a porta de uma das casas... mas tudo estava fechado a sete chaves...

Com o nervosismo a subir, decidiu dar um pontapé numa das portas e entrar à força...
Um... dois... três pontapés foi o que bastou para Rhaenyra abrir a maldita porta, e com uma rapidez incrível, invadiu e procurou as escadas para uma possível varanda... E encontrou-as.

Subia as escadas duas a duas. Louca para saber o que estava a acontecer, Rhaenyra sentia o seu coração a palpitar demasiado depressa... e isso nunca era um bom sinal...

A chegar ao terceiro andar da casa, procurou uma janela e olhou para fora da casa... e o que viu fê-la recuar dois passos...

Junto ao Portão principal, milhões de corpos subiam e atiravam-se para dentro de Porto Real... "Não... não pode ser..."... E algo estava a acontecer no ar.

Nuvens carregadas de uma escuridão nunca vista aproximavam-se e tapavam a luz do meio-dia que se fazia sentir na cidade... em cinco segundos, Porto Real estava novamente de noite. Parecia algo saído de um livro, ou de uma lenda...

Pouco tempo teve para verificar o que estava a acontecer, pois o que estava a acontecer fora das muralhas era o que chocava Rhaenyra...

Um choque de titãs dava-se... mas estes titãs que ao longe pareciam sombras, não eram nada mais nada menos que criaturas aladas. Cerca de dez destas lutavam umas contra as outras... 

Ao olhar melhor aquelas criaturas, Rhaenyra apercebeu-se de que não eram simples criaturas... eram dragões. E um deles ela reconhecia perfeitamente... Drogon.

Drogon lutava contra um outro dragão, de cor azulada... e o choque dos seus fogos iluminava a noite, que antes fora dia.

Rhaeny não queria acreditar no que via. Não sabia o que estava a acontecer... e desejava não querer saber... mas lá no fundo sabia o que tudo aquilo era...

Mas não havia tempo para isso. Ao olhar para o dragão azul e tentar perceber quem o montava, este virou-se brutalmente na sua direção, e olhou-a diretamente.

Uma onda de medo correu em Rhaenyra, e todo o seu ser parecia gritar uma e uma só coisa... "Foge...".

Enquanto fugia da casa e corria em direção à Fortaleza Vermelha, o grande dragão sobrevoou a rua, e tudo se iluminou numa chama azul, e Rhaenyra só teve tempo de se assustar...



...


E mandar um grande salto. Estava na Fortaleza, precisamente no seu quarto... deitada na sua cama. Transpirava brutalmente, e o seu coração palpitava a uma velocidade que parecia que lhe ia sair pela boca. Apercebeu-se que tudo não passava de um sonho... um terrível sonho que preferia não encarar novamente.

Decidiu levantar-se e preparar-se para o dia... afinal, o sol ja brilhava e o dia não se fazia sozinho...

Rhaenyra, com a ajuda das servas, preparou-se e vestiu-se. O seu lonho vestido feito com escamas de dragão e da cor do vinho realçava os seus cabelos ondulados e platinados. Colocou uma simples tiara na cabeça e seguiu caminho, rumo à aula que tinha a esta hora.

Ser princesa por vezes dava trabalho, na sua humilde opinião. Da parte da manhã, Rhaenyra iria comparecer ás suas aulas diárias com o lorde mão, Lorde Tyrion Lannister; da parte da tarde iria responder ás audiências e ás reuniões com o pequeno conselho, e à noite teria um jantar com os Lordes da campina, Mina Tyrell e Bronn. Para além disto, tinha de manter uma postura sempre correta e adequada...Mas o que podia fazer, era o seu dever como princesa regente... não havia remédio

O seu pai e a sua mãe estavam de viagem ao norte. Rhaenyra ficara aborrecida por não ir... ela queria aproveitar a visita para meter a conversa com a sua tia Sansa e os seus primos... mas sabia que tinha deveres a cumprir...

Afastando os restantes pensamentos, decidiu subir as escadas para a torre da mão, e bateu à porta. Já podia ouvir o riso e as palhaçadas dos seus irmãos do outro lado...

Muito calmamente, Tyrion abriu a porta da sua sala e, como sempre, recebeu Rhaenyra com um sorriso:




-"Ah, bom dia, princesa."





-"Bom dia, Lorde Tyrion."





-"Faça favor..."



Rhaenyra entrou. Os seus irmãos, Eddard e Visenya já se encontravam lá.

Ao entrar, ambos deram pela sua presença:




-"Bom dia Rhaenyra!"- disse Eddard.



Eddard era um dos gémeos que a sua mãe teve e ambos já contavam com doze anos. Visenya era uma jovem com cabelos prateados, mas cacheados, assim como o seu pai... mas tinha o toque Valiriano, tanto na face (um pouco mais arredondada) como nos olhos, que eram do mais puro violeta... Eddard, pelo contrário, não saíra muito ao lado Targaryen... o seu cabelo curto era negro, e a sua cara era oval... tal como Jon.. apenas os seus olhos eram da cor típica Valiriana... Todos eram mais baixos que Rhaenyra, mas nenhum ultrapassava o tamanho de Jon.




-"Bom dia!"




-"É mais boa tarde, isto são horas de chegar?- disse Visenya, levantando a sobrancelha.





-"Bom dia também para si, Princesa Visenya. Peço desculpa por a ter importunado."- disse Rhaenyra, num toque de ironia enquanto se sentava na mesa.




-"Por favor, altezas, comportem-se. Se se tratam desta maneira dentro da minha sala, o que farão fora dela?"- disse Tyrion.





-"Desculpe, Lorde Tyrion."- disse Rhaenyra.





-"Ótimo. Então... hoje vamos discutir um importante tópico, que toca todas as ações da coroa e de todas as instituições reais... economia."




-"Deuses... credo."




Rhaenyra deu um encontrão em Visenya, para esta se comportar:




-"Ah... que interessante. Porque não falámos disto antes?"





-"Admiro o seu entusiasmo, Princesa, mesmo que este seja fingido. Ora, começemos por noções básicas..."




De repente, alguém entra na sala... e era uma cara conhecida:




-"Ah! Príncipe Aiden, estava receoso que hoje decidisse não aparecer."





Aiden sentou-se de frente para Rhaenyra:





-"Não é meu costume faltar ás suas aulas, lorde Tyrion... já devia saber."





-"Ás minhas não... repito, ás minhas. Ora, como eu estava a dizer..."




Rhaenyra olhava para Aiden. Segundo sabia, ele foi adotado pelos seus pais temporariamente, mas como nunca encontraram a sua família, Daenerys e Jon decidiram criá-lo... assim como os seus filhos. 

Aiden era um homem forte. De olhos verdes e queixo quadrado, este deixava muitas mulheres pelo reino... encantadas... era difícil pensar nele como uma criança indefesa que entrou na fortaleza Vermelha à anos atrás:





-"Princesa Rhaenyra... ouviu o que eu disse?"




Rhaenyra voltou à realidade:




-"Sim... ouvi Lorde Tyrion."





-"Ótimo, importa-se de repetir?"




-" A escassez de recursos significa que a sociedade está limitada e, portanto, não pode produzir todos os bens e serviços que as pessoas desejam ter.
A coroa deve ter sempre em conta os negócios que faz e com quem os faz antes de avançar com qualquer projeto, pois a maior razão que se atribui a uma crise/escassez de recursos são os investimentos feitos em entidades incapacitadas e duvidosas."





-"Muito bem, princesa."





Tyrion virou as costas para ir buscar algo, e Rhaenyra aproveitou:





-"Aiden, voltaste a ir lá outra vez?"




Aiden olhou, desconfiado:



-"Tu é que disseste, não eu."




-"Aiden... estou a falar a sério..."




-"Não será melhor arranjarmos outra altura para discutir isto?"




Rhaenyra endireitou-se:




-"Está bem, mas esta conversa ainda não acabou."



...



Tyrion continuou a sua aula, até que um soldado entrou na sala:




-"Peço desculpa Lorde mão, mas chegou uma visita."




-"Uma visita? De quem?"





-" Do Senhor Tully..."




Tyrion revirou os olhos discretamente, mas foi o suficiente para Rhaenyra perceber. Já se sabia o que esperar do Lorde Tully, mas era precisa muita vontade para o receber:




-"Diga-lhe que já vou a caminho."




Rhaenyra interviu:




-"Não, Lorde Tyrion. Vou ser eu quem o receberá."




Tyrion olhou estupefacto para Rhaeny:





-"Vossa alteza... não sei se este... senhor tem boas intenções em vir cá. Deixe-me tratar disto."





-"Não será necessário. Se quiser acompanhar-me tudo bem, mas eu vou tratar deste assunto."




Os príncipes olhavam uns para os outros:




-"E então a aula?"- disse Eddard.






-"Tudo bem, eu levo-vos ao pátio, vamos treinar a pontaria no arco e flecha..."- disse o Aiden.





-"Sim...!"- Disse Visenya-" Quer dizer, está bem, já que tem de ser..."





-"Ótimo. Vamos, Lorde Tyrion?"





-"Atrás de si, princesa."



...



As portas da Sala do Trono abriram-se, e o arauto declarou a sua presença:




-"Estão na presença de Sua Alteza Real a Princesa Rhaenyra Winterborn da Casa Targaryen. Princesa e Regente dos Oito Reinos e da Cidade de Meereen, juntamente com o Lorde Tyrion da Casa Lannister... Lorde de Rochedo Casterly e Mão da Rainha Daenerys I."




Pensando como a sua mãe faria, Rhaenyra endireitou a sua postura e caminhou calmamente na sala. Sentia as suas mãos tremerem, mas decidiu ignorar isso por alguns momentos.

Dirigiu-se ao fim da sala, e lá estava o Senhor Edmure Tully.

Não percebia a preocupação que sua mãe e Tyrion tinham... afinal, aquele não passava de um simples homem...:





-"Tenha cautela, Princesa... Se jogar as peças corretamente, talvez consiga... amenizar, a relação de Edmure com a coroa."- disse Tyrion, sussurando.





-"Vou tentar. Algum conselho?"





-"Por agora não."





-"Pronto... tudo bem..."





Respirando fundo, decidiu avançar:





-"Seja muito bem-vindo a Porto Real, Lorde Tully. Espero que a viagem não tenha sido demasiado cansativa."





Edmure olhou Rhaenyra, de alto a baixo:





-"Vós sois a Princesa Rhaenyra?"





-"A própria. Muito prazer."




Edmure revirou os olhos, com desprezo:




-"Não vim para falar convosco... vim para falar com a Rainha Daenerys. Onde está ela?"




-"A minha mãe está de momento numa viagem ao Norte, e não poderá comparecer. Mas talvez possamos resolver o que o traz por cá..."





Rhaenyra subiu as escadas e calmamente se sentou no Trono Real... o Trono de Ferro. No fundo, sempre pensou que aquela cadeira era mais confortável, mas isso não importava agora:





-"Então, Lorde Tully... o que o traz à capital?"






-"Vim demonstrar o meu descontentamento acerca da última regra que saiu acerca das taxas de impostos sobre os terrenos das casas nobres."





Tyrion manifestou-se:





-"O pagamento dos quinhentos dragões de ouro?"





-"Exatamente, Lorde Lannister. É um absurdo pagar tal valor sendo que as peças vão maioritariamente para..."





-"O povo? A muralha? A Patrulha da Noite?"- disse Tyrion.





-"A Casa Tully é uma das mais poderosas. O Senhor controla todo o Tridente e lucra com os terrenos férteis à beira rio..."- disse Rhaenyra, confusa.





-"Menina esperta... é mais sabida do que eu pensava..."





-"Cuidado com quem está a falar, Lorde Tully. Está a responder à filha da Rainha."- disse Tyrion, irritado.





-"Claro, claro."- abanou a mão, desvalorizando-" O que eu vim deixar claro é... Não me agrada pagar tal valor para depois ter as minhas peças de ouro desperdiçadas em coisas tão patéticas..."





Rhaenyra estava chocada. Como é que era possível um Lorde tão rico vir-se queixar à capital por conta de um pagamento tão insignificante...:





-"Deixe-me ver se eu entendi. O senhor vem de Correrio, atravessa a estrada do:Rei e entra em Porto Real apenas para se queixar acerca de um pagamento insignificante no meio de tanta riqueza?"





-"Bem... visto dessa forma é um pouco idiota mas..."





-"Alguma vez lhe ocorreu dirigir-se à janela do seu cómodo quarto e olhar para lá do seu castelo e ver a situação do seu povo? Realmente tem coragem para chegar aqui e descriminar o trabalho da minha mãe por conta de uns dragões de ouro que não lhe fazem falta?"





-"Bem... eu..."





-"Deixe-me pará-lo por aí..."





-"Minha Princesa, se me permite..."- Tyriom aproximou-se de Rhaeny e sussurrou-lhe ao ouvido-" Não devemos criar mais hostilidades. Por favor, tenha cuidado. O Senhor Tully é... desprovido de humildade... aproveite-se disso...."




Tyrion afastou-se, e Rhaenyra respirou fundo... Pensou acerca do que iria fazer, e ocorreu-lhe uma ideia... o que ia dizer custava-lhe, mas era o necessário:





-"Compreendo, Lorde Tully... Sei que deve ser difícil para si ver alguns privilégios de nobre serem retirados... Mas tudo isto é para o bem comum... julgava que era um homem altruísta e humilde..."




Tully sorriu, muito cheio de si:




-"Ora, princesa, não sabia que me tinha em tão alta conta. "





-"Sempre ouvi histórias sobre a sua coragem e humildade... mas parece que algo mudou..."






-"C-c-como assim? Nada mudou."





-"Ora... quinhentas peças de ouro é um valor relativamente pequeno, não acha?"





-"Bem..."





-"Será que as histórias se enganaram? Será que o grande Lorde Tully não passa de um... egoísta?"- disse Rhaenyra.





-"Isso é mentira!"






-"Então prove-o. E que tal fazermos assim... Os dragões de ouro manter-se-ão, mas uma percentagem maior dos fundos irá para Correrrio e para o seu povo... o que acha?"



Lorde Tully parecia estar a considerar a proposta...:




-"Tudo bem, acho que a sua proposta é aceitável."





-"Ótimo, então está acordado... Assim foi dito, assim será feito. Mais alguma coisa a ser resolvida?"





-"Por agora não, Princesa."





-"Tudo bem. De momento tenho assuntos a tratar... Aproveite para visitar os belos jardins da Fortaleza, sei que nunca verá iguais de tamanha beleza..."






-"Assim o farei."





-"Ótimo. Agora, se não se importa..."



...




Lorde Tully, após a discussão, saíra da sala do Trono. Tyrion olhava a princesa, e parecia surpreendido:





-"Jogada arrojada, princesa."





-"Pois... mas deu-me uma repugnância que nem quero falar."





-"É normal. Se me permite dizer, demonstrar os seus sentimentos ás pessoas da corte não irá ajudá-la. Nunca deixe que as pessoas saibam o que está a pensar, isso pode ser uma fraqueza. Mas pelo contrário, analise sempre as expressões faciais e as reações dos outros, assim saberá o que eles pensam e o que deve fazer em diversas situações..."




-"Entendo..."





Tyrion olhou para Rhaenyra, sentada no Trono de Ferro:





-"Como se sente?"




-"Como assim?"- disse Rhaenyra confusa.





-"Ora... a princesa está sentada no Trono dos seus antepassados... O que acha dessa cadeira? Não lhe transmite nada?"





-" Deixa-me... orgulhosa... da minha família... mas é pouco mais desconfortável do que julgava. De qualquer das formas, uma governante não se deve medir pelo trono que tem."- Rhaenyra levantou-se e desceu as escadas-"Mas não pensemos mais nisso. Ainda temos muito que fazer... vamos Lorde Tyrion?"





-"Vamos sim, Vossa alteza..."




Ambos abandonaram a sala do trono, em direção à sala do pequeno conselho...



...



Notas Finais


E assim termina o nosso primeir capítulo!
Este capítulo foi um pouco simples, pois serviu um pouco para mostrar como as coisas estão na família Real Targaryen. Portanto, Daenerys e Jon tiveram três filhos: Rhaenyra, Eddard e Visenya, sendo que estes dois últimos são gémeos. Aiden foi falado nos últimos capítulos da fic, sendo que acabou por se tornar filho adotivo dos Reis.
Rhaenyra está a aguentar as questões governamentais do Reino... mas onde andarão Jon e Daenerys? Uma questão que vai ser abordada no próximo capítulo.
Se quiserem deixar uma crítica positiva ou negativa acerca da fic que gostassem de compartilhar, deixem nos comentários!
Se quiserem deixar uma ideia que gostavam de ver incluída na história, deixem nos comentários! Novas ideias são bem-vindas 😁

Até à próxima! 😀


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...