1. Spirit Fanfics >
  2. Winter Flower (Imagine Min Yoongi - Suga) >
  3. Capítulo III

História Winter Flower (Imagine Min Yoongi - Suga) - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


"Brilhe!" 🌟

Capítulo 3 - Capítulo III


   S/N P.O.V's

~Uma semana depois~

Via os carros passarem na rua pela vidraça da cafeteria, apoiando a minha cabeça em uma das mãos. Um azul, um preto, um amarelo...

- Aqui está, senhorita. - a garçonete fez-me despertar, colocando o capuccino em cima da mesa.

- O-obrigada. - fiz uma pequena reverência com a cabeça, da qual a garçonete repetiu e depois saiu.

Mexi o líquido dentro da xícara, bebericando um pouco. Suspirei, olhando novamente para a rua.

Já se passou uma semana desde que aquilo aconteceu. Eu não sabia que faria tanta falta. Minha vida tem se baseado em apenas ficar em casa ou dar uma volta no quarteirão. Tranquei minha faculdade por enquanto, até as coisas melhorarem, e eu precisava desse descanso. Nem sei mais porquê fiz essa faculdade pra começo de conversa.

Hoseok ficou muito triste por eu ter que me distanciar por um tempo. Perguntou o porquê disso tão de repente. Apenas falei que eram assuntos pessoais. Não devo satisfações a ninguém, mesmo que seja meu "amigo".

Também voltei até aquele bar, e descobri que aquele ser misterioso sempre vai lá, toda noite às 19:30. Ele realmente toca bem, e não é só isso, eu consigo sentir a paixão dele pelo instrumento. Mas porquê esconder o rosto? Não seria mais reconhecimento para ele se ele não escondesse?

Olhei as horas no meu relógio de pulso, já eram 19:00. Me levantei, deixando a quantia de dinheiro necessária para pagar o cappucino e sai do estabelecimento. O céu já estava escuro, dando uma bela visão das estrelas. A última provavelmente, já que o inverno está próximo.

Ajeitei o cachecol, fazendo-o tampar a minha boca, e sai caminhando. Seul fica linda a noite. Toda iluminada, pessoas tirando fotos da paisagem, casais andando de mãos dadas... Uma verdadeira obra de arte.

Cheguei ao meu destino. O lugar em uma rua pouco movimentada, com um estilo rústico. Entrei, vendo que já haviam pessoas no local, esperando por ele. Sentei-me em uma das mesas, observando o lugar. Era um pouco pequeno, o que deixava ele com um ar luxuoso e aconchegante ao mesmo tempo. Algumas mesas no centro, um jukebox no canto e o piano mais a frente.

Depois de quinze minutos, as portas dos fundos foram abertas e ele entrou, indo até o piano. Ele carregava um ar misterioso sobre si, ao mesmo tempo que transparecia sua calma. Tinha cabelos negros e uma pele extremamente branca. Seria ele real?

Depois de se acomodar, a música começou. Todos estavam em silêncio, apreciando a música. Alguns bebiam enquanto ouviam, outros apenas escutavam, como eu, até os funcionários paravam para ver o "show". Era incrível como o "pianista misterioso" encantava a todos.

De repente a música pareceu-me familiar. Arregalei os olhos, já quase marejados. Meu pai tocava essa música pra mim.

                  Flashback On

Fui andando a passos lentos até o escritório do papai. Tinha tido um pesadelo e estava com medo. Abri a porta do escritório devagar, segurando firme meu coelhinho de pelúcia nos braços. Ele estava mexendo com alguns papéis, até notar minha presença. Deu um sorriso fraco antes de me perguntar.

- O que foi minha princesa?

- Tive um pesadelo... - disse, apertando mais a pelúcia.

Mamãe havia viajado a trabalho, então só estava eu e papai em casa. Sempre tinha pesadelos, ou simplesmente não conseguia dormir.

Olhei para o piano no canto da sala. Ele percebeu o que eu queria, então levantou e caminhou até o piano, sentando no banquinho que tinha ali. Ele deu tapinhas no mesmo, sinalizando que eu sentasse ali, o que eu fiz sem demora.

- O quê você quer que eu toque?

Sem hesitar, respondi, animada:

- Aquela música... Err... - cantarolei a música, fazendo o mais velho sorrir e ajeitar a postura, pronto para começar.

A música era doce e tranquila. Eu amava ela! Me fazia ficar com sono, mas ao mesmo tempo com vontade de ouvir mais. Os dedos dele deslizavam pelas teclas, fazendo-me ficar impressionada.

O mundo inteiro parecia parar para ouvir, bom, pelo menos para mim. Meu medo todo sumia, só de estar ao seu lado. Quando a música parou, papai olhou para mim, com um sorriso leve nos lábios. Soltei o coelhinho e abracei ele, que retribui.

- Eu te amo, papai! - falei, olhando para o mais velho com um sorriso.

- Eu também te amo, minha pequena. - ele fez carinho na minha cabeça, depositando um selar em minha testa.

Quero estar pra sempre com você, papai!

                   Flashback Off

Quando voltei a realidade, foi como sentir um choque. Como esqueci disso por tanto tempo?

Limpei uma lágrima que insistiu em cair. Nem preciso dizer que sinto falta do meu pai, apesar que já fazem dezoito anos que ele não está mais aqui. Ele era o meu porto seguro, o lugar que eu mais amava, e foi tirado de mim sem piedade. Ainda é um mistério como tudo aconteceu.

Balancei a cabeça negativamente, tentando expulsar tais pensamentos. Olhei em volta, e então percebi: ele já havia ido embora.

- Droga! - bati em minha própria testa.

Eu planejava segui-lo, até saber quem ele realmente é. Invasão de privacidade? Talvez.

Levantei-me, assim como a maioria fazia. Aquele bar não seria nada sem o piano. O show já havia terminado, então era hora de todos voltarem às suas vidas pacatas.

                                            Dia seguinte...

                                                13hrs44min

- Por favor, Unnie! Olha a oportunidade que você tá perdendo por preguiça!

Neguei novamente. Não podia fazer aquilo. Era arriscado demais!

- Não quero, Sun Hee! É arriscado demais! - tentei convencer a ruiva. - Agora fica quieta, eu tenho que me concentrar!

- Por favor!!! - Foi quando eu vi na televisão: "Game Over". Respirei fundo.

*Calma, S/N, não mata ela. Você ama ela, não é?!* pensei. Suspirei.

- EU VOU TE MATAR, SUA PIRRALHA! - larguei o controle no sofá e sai correndo atrás da mais nova, que gritava enquanto também corria.

Estávamos jogando um jogo que ela trouxe de casa. Eu estava lutando com um personagem que precisava derrotar para entrar em uma porta para a próxima fase. Mas Sun Hee insistiu que eu passasse sem lutar, o que além de arriscado era errado. Enfim, acabei perdendo o jogo. Motivo bobo para briga? Sim, mas não tenho mais nada de interessante para fazer.

Enquanto corria, comigo em seu encalço, Sun Hee jogou algum objeto não indentificado por mim no chão, fazendo-me levar um tombo. Ainda no chão, puxei o pé dela, fazendo a mesma soltar um grito e cair também.

- Me solta!! - ela esperneava, enquanto eu ainda a segurava sem dificuldade alguma.

- Quem mandou me atrapalhar? - falei com cara de tédio. - Agora você vai ver só! - fiz a melhor cara de psicopata que pude.

- AH! A UNNIE VAI ME MATAR!!!

Soltei ela, rindo. Ser dramática era sua especialidade. Ela fez bico, cruzando os braços. Fomos interrompidas pelo meu celular tocando igual um desesperado da sala.

- Já volto, espera aí. - já ia saindo, quando virei novamente para ela. - Arruma isso. - me referi a bagunça com um sorriso, depois saí ouvindo a ruiva resmungar.

Caminhei até o meu celular, que estava encima da mesinha de centro, pegando ele em seguida. Era Jungkook que estava me ligando. O que esse menino quer?!

- Oi.

- Noona! Me ajuda, por favor! - Jungkook falou baixo, parecia estar chorando.

- Jungkook? O que aconteceu? - perguntei já preocupada.

- É a mãe! - ele fungou. - Ela está tendo uma crise...

- Jungkook... É só dar o remédio para ela, calm-

- Não é isso! - Ele já parecia desesperado. - É diferente! É como se não fosse ela! Ela está gritando e destruindo tudo que ela vê! - ele começou a chorar mais, a ponto de ouvir seus soluços.

- Ela te bateu?! Onde você tá?! - a essa altura, Sun Hee já estava ao meu lado, preocupada por eu já estar alterada.

- Não, eu tô escondido no guarda roupa. - um estrondo pôde ser escutado do outro lado - Vem logo, Noona!


Notas Finais


Obrigada por ler! 💜
Divulguem *-*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...