1. Spirit Fanfics >
  2. Yin Yang - (Imagine Park Jisung) >
  3. As Far As I Know

História Yin Yang - (Imagine Park Jisung) - Capítulo 48


Escrita por:


Notas do Autor


Annyeong!

Dia aleatório. Horário aleatório. Quantidade de palavras mais aleatório ainda. 🤭 mas o que importa é que temos capítulo novo!

Então... tenham uma boa leitura!

Capítulo 48 - As Far As I Know




- Então quer dizer que finalmente se entenderam? - Tae questiona.

Combinei com Yedam de nos encontrarmos de manhã para irmos a escola juntos. Coisa que o mesmo não negou, mas obviamente, se sentiu incomodado ao receber os olhares das pessoas que não eram acostumadas a me ver segurando a mão de outro garoto que não seja Jisung.

Estávamos em nosso local de costume. Sentados no gramado, em baixo da árvore.

- É... Acho que "se entender" é uma boa definição.  - Respondo a Taehyung.

- Como assim?

- Você já foi menos lerdo, sabia? - Ming questiona o amigo, que faz careta. - É óbvio que esses dois estão se pegando. Se duvidar, já fizeram até mais que isso. - Suspiro. De novo isso?

Yedam me encara com um bico formado nos lábios, demostrando incômodo assim como eu.

- Jeonginie. - Tae se aproxima do menor, buscando alguma informação. - Me conta, eles já...

- Yah! - Brigo com o mesmo. - Não termine essa frase perto de meu irmão! - Jeongin ri.

- Eu não sei, Hyung! Ela não me contou.

- Ah há! - Ming aponta para nós dois. - Quando você não conta nem para Jeongin, é porque aconteceu!

- Jeonginie e eu temos um acordo, não é maninho?

- Que tipo de a acordo? - Hyunjin pergunta.

- Se vocês...

- N-Nada! Não é nada! - O menor tampa minha boca com as mãos, me impedido de continuar minha fala. Riu de seu pavor momentâneo.

- Vai! Faz! - Ming me olha com empolgação. A olho sem entender.

- Fazer o quê?

- Isso! - Ela faz formato de bico com as mãos, juntando-as, referindo-se à um selinho. Yedam cora.

- Yah! Seus pervertidos!

- É só um selinho! - A chinesa faz um bico.

- É! Queremos ver!

- Que eu me lembre, vocês já viram! Então, não há necessidade de verem de novo!

- Eu não vi ainda! - Jeongin comenta, com um sorriso sapeca.

- Você, não se intrometa! Ou quer que Hyunjin saiba do que se trata o acordo?

- Yah! Noona!

- Mas de que diabos de acordo vocês estão falando?

- Nada de grande importância. - O mais novo tenta se explicar, com a melhor cara de sonso que já dera.

- Que acordo é esse? - Yedam pergunta, me olhando. Me aproximo do mesmo, cochichando para si, do que se tratava a conversa. Ao terminar de explicar, ele apenas ri.

Desvio o olhar para dois seres humanos que nos encaravam com brilho nos olhos.

- Vocês formam um casal tão bonito! Acho que vou chorar! - Tae começa seu clássico drama.

- Eu que ajudei a formar! - Ming continua sua performance.

Reviro os olhos.

- Eu mereço!

Os dois se abraçavam, fingindo uma crise de choro.

- Yedamie. - Sussurro para o garoto, que me encara. Roubo um selar do mesmo. Tão rapidamente, que quando os dramáticos perceberam, já era tarde demais.

- Yah! Não vale! Nós não vimos! - Tae finge outro choro.

- Eu vi! - Jeongin sorri vitorioso.

- Oh vida cruel! - Ele se joga nos braços da chinesa, que faz careta para o exagero do amigo.

O sinal toca, indicando o início das aulas.

- É nossa deixa. - Digo.

- Mas eu ainda nem vi o beijo! - Tae reclama.

É a vez de Yedam soltar um suspiro. Ele me encara, como se me pedisse autorização de algo. Apenas assenti, já sabendo do que se tratava.

Por fim, o acastanhado me puxa para um selinho demorado. Ao nos separarmos, vi Taehyung quase chorar de emoção, literalmente.

- Felizes? - Questiono.

- Muito! - Ambos respondem.

- Agora vamos!

Arrastei Yedam junto comigo, adentrando nos corredores.

Sinto um arrepio cruzar meu corpo, ao sentir um olhar sobre mim. Mais especificamente, o olhar dele sobre mim. Cujo não demorei para encontrar, já que ele caminhava à nossa frente, vindo em nossa direção junto a Mark e ChenLe.

Abaixo a cabeça, na tentativa de ignorá-lo, o que foi inútil, pois senti o pavor de Yedam, quando o mesmo apertou minha mão, que ainda se mantinha entrelaçada a sua. Paramos de caminhar. Respirei fundo, para tentar evitar qualquer desentendimento ocorrente.

Ergui minha visão, por fim, encontrando o garoto parado, a uma curta distância de nós. Os outros alí presente, ficam sem saber como reagir, então, apenas param junto conosco.

Puxei o garoto para mais perto, deixando-o por trás de mim, como forma de lhe proteger.

- Vai me dizer que também virou guarda costas desse aí? Esses outros já não eram suficiente? - Ele pergunta em tom irônico.

- Não exagere! - Mark reclama com o mesmo. - Vamos? - Ele pergunta para Ming, que apenas assente e o acompanha.  Os outros ao meu redor também fazem o mesmo, deixando apenas três alí.

- Engraçado. Ele era o pior de nós três. - Jisung fala consigo mesmo.

- O palhaço terminou a piada? - Questiono em tom irônico. - Se nos der licença, temos aula. - Tento me esquivar de si, mas ele ainda se põe a minha frente. Dou um suspiro de impaciência. Yedam se coloca lentamente ao meu lado, talvez por peso na consciência do comentário maldoso de Jisung. O garoto a nossa frente limpa a garganta e passa a encarar o chão.

- Nós... - Ele finge uma tosse. - Nós podemos conversar? - Sorriu, mas de injúria.

- Você é surdo ou o quê? Deixei bem claro que não tínhamos mais nada para...

- Não gaste saliva atoa, ok? - Ele me olha indiferente. - Não é com você que quero conversar. - O vejo engolir em seco.

Percebo que ele se tratava de Yedam. O mesmo o olhava com espanto, sem entender o que acontecera.

- Podemos conversar? - Por fim, os dois se encaram. - De homem para homem? A sós? - Ele desvia olhar para mim, indicando que eu seja a pessoa sobrando alí na conversa.

- Não estou ficando nem maluca de deixar vocês dois a sós!  - Ele suspira.

- Ok, então. Talvez realmente seja perigoso conversarmos a sós. - Seu olhar vai para Yedam, que engole em seco. - Sobre... Aquilo... O soco que lhe dei. Eu... Sinto muito. - Me espanto com sua declaração. Yedam não estava diferente. - Eu agi por ciúmes. Não sabia que o beijo que ela se referia foi  apenas por um jogo. É por isso... Que sinto muito. E se pensar bem, eu também levei um soco naquele dia, então digamos que estejamos quites.

- A diferença... - Tento intervir, mas ele corta minha frase.

- A diferença é que eu mereci. Sei que vai dizer isso, e concordo. Eu mereço o soco que recebi, Yedam não. E pode não se intrometer? - Reviro os olhos diante de sua injúria. Apenas dou um passo para trás, deixando que os dois conversem.

- Bem... - Yedam parece buscar as palavras certas. - Sendo bem sincero, não quero e nem gosto da ideia de tentar aceitar seu pedido de desculpas. - Dou um sorriso de lado. - Mas creio que seja melhor fazer isso. Não só por educação, mas também porque não é bom guardar tanto rancor no coração. Então... Tudo bem. Aceito suas desculpas.

- Tsc... - Jisung sorri de leve. - Você não costuma falar muito, mas quando fala, parece uma velha gagá que conheço. - Cerro os olhos para o mesmo, já imaginando que a "velha" que o garoto se referia era a sacerdotisa. - Bem... Era só isso mesmo. Achei que seria mais correto falar sobre isso formalmente e pessoalmente. - Yedam assente.

Antes que pudéssemos voltar a  nossa trajetória, Jisung chama novamente.

- Ah, sim! Antes que eu esqueça... Um papo reto, dessa vez de ex para atual. - O acastanhado volta a apertar minha mão. - Apenas pedi desculpas pelo soco sem motivos que dei, mas não significa que tenha me arrependido de meu ato. - Jisung se aproxima se aproxima de Yedam. Que engole em seco, mas não recua. - Se ousar machucá-la, seja fisicamente ou emocionante, juro que lhe darei um soco com todas as minhas forças. E com certeza não vai querer ver isso. - Yedam o olha, como se o garoto a sua frente estivesse falando o maior absurdo que escutara em toda sua vida.

- Não sou você, Park Jisung. Por que diabos eu a machucaria?

- Não sei. Me diga você, Bang Yedam? - Eles estavam tão próximos, que se chegassem um pouco mais perto, provavelmente viraria corna, e  pelo Jisung.

- Ok! Chega! - Me coloco no meio entre os dois, evitando que algo, que Yedam nem fazia ideia do perigo, pudesse acontecer. - Já se desculpou e já teve suas desculpas aceitas. Agora, será que pode se retirar?

Seu olhar se reveza entre mim e Yedam. Por fim, ele apenas solta um suspiro e segue seu caminho.

O acastanhado parecia ter soltado todo o ar que estava prendendo desde o início daquela conversa. Apesar de ainda parecer atordoado. Toco seu peitoral, sentindo seus batimentos completamente desregulados.

Acaricio entre sua nuca e seus cabelos, em seguida, o puxando para um beijo calmo e delicado, na tentativa de acalmá-lo, ao menos um pouco. Ao nos separarmos, ele apenas junta nossas testas.

- Melhor? - Pergunto, quase como um sussurro.

- Melhor.

- Vamos? O professor já deve ter entrado na sala. - Ele assente, mas então, volta a sua expressão de espanto. - O que houve?

- Agora é a aula de meu irmão!

- Ai, droga! Ele vai me matar!

Por sorte, quando chegamos na sala de aula, professor Bang Chan mal acabara de adentrar, mas mesmo assim, não o impediu de espreitar o olhar sobre nós.

É, HaNa. Agora você deve ser um bom exemplo para seu (Não) namorado.



Notas Finais


É isso!

O cap ficou bem mais curto do que o costume, mas foi apenas para não deixar em branco, então espero que tenham gostado!

Jalga!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...