História A Guerra dos Mortos-Vivos (Interativa) - Capítulo 3


Escrita por: e SaatieW

Visualizações 50
Palavras 515
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, LGBT, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Hey, guys! "Turu" bem com vocês?
Porque eu tô bem.

Anyway, estou aqui com mais um mini capítulo, como prometido, dessa vez, tentando mostrar um pouquinho só sobre Mond des Todes.
Sendo mais exata, a grande estadia de Howaito neste Reino.

E sem mais delongas, vamos logo para o capítulo. Espero que me perdoem por qualquer erro e curtam este capítulo que fiz com muito carinho.




Capa feita pelo meu primo, SaatieW <3

Capítulo 3 - Segundo mini cap.


Fanfic / Fanfiction A Guerra dos Mortos-Vivos (Interativa) - Capítulo 3 - Segundo mini cap.

 Até então, o mundo nunca tinha sido tão árduo em suas costas. Nada o tinha feito chorar tanto como este dia. Sequer fazê-lo ter vontade de apodrecer junto de seus antepassados.

 Howaito está aflito. Não. Muito mais do que aflito, pois se encontra em total agonia ao sentir o seu próprio sangue escorrer por sua pele. Seus olhos, antes cintilantes da cor do mar, se encontram temerosos ao ver a face da própria morte sorrindo para ele, limpando a, tão esperada, última lágrima de sua face. De sua boca, que ousava o seu último suspiro, saiu sangue, tão avermelhado quanto as dos olhos famintos da morte, que espera paciente a hora de sua refeição.

 Porém o garoto se mantém firme. A cada chicotada em suas costas, ele gritava, berrava, em esperanças de abafar a sua agoniante dor. E quando não se via mais a hora, ele abria os olhos, em busca de seu povo, que era obrigado a ver a sua própria tortura. Sendo mais exata, a sua própria morte.

 -Isso, meus caros, é o que acontece com ladrões, hipócritas e traidores.

 “Quem ousa ultrapassar minhas regras, sofre a mais árdua punição. E confesso, este é um homem forte! Ou deveria dizer de sorte?”

 Alexander I levanta seu braço esquerdo, permitindo mais chibatadas, que talvez finalizasse a própria vida de Howaito, pois dessa vez não houve gritos, muito menos gemidos, mas um sussurro:

 -Vai...se foder.

 O Rei, um tanto revoltado, se demonstrou surpreso, dando um grande sorriso de puro sarcasmo, levantando o rosto caído do menino para encará-lo melhor.

 -O que disse? - ele questiona deixando ressoar curtas risadinhas pelo grande pátio ao qual se encontram. - Espere um momento, deixe eu chamar o meu querido amigo, pois é ele quem consegue falar com os mortos - nesse momento, todos os seus guerreiros que se encontravam em suas devidas posições riam junto de seu Rei.

 -Para quem se denomina como o melhor, é uma grande decepção saber que é incapaz de um luxo desses.

 O silêncio se alastrou na hora, e um tapa forte foi ouvido por todos, assim como também foi visto mais sangue espirrar para o chão, amedrontando as crianças as quais estavam por perto.

 -Mate-o.

 E com isso, Howaito foi tirado das correntes e jogado para o chão, humilhado e imerso em sua própria desgraça, ouvindo todos de seu povo, também escravos, aterrorizados, pedindo por misericórdia pelo pobre garoto.

  Dessa vez, não era a morte que sorria, mas sim o próprio rapaz, que não sentia mais medo de sua situação. Estava incapaz de sentir, incapaz de ver sua própria realidade, somente a observar o céu nublado em sua cabeça. Porém, faíscas brilhantes o ofuscou de todos seus pensamentos melancólicos, aquecendo o seu peito como se lhe proporcionasse mais força, mais vida, mais alegria. Logo em seguida, uma lembrança: a sua própria família reunida consigo nas noites das luzes, antes de toda a desgraça acontecer.

 Sendo assim, um sorriso maior ainda surgiu em seu rosto, e com toda a alegria que sentia, pôde dizer contente e aliviado:


 “Sim, eles ainda lembram de mim.”



Notas Finais


Yaaaaaaaay, finaaalmente terminei esse segundo mini cap.!
Isso foi meio confuso de escrever, em minha opinião, acho que não está 100% bom, porém razoável hahaha'. Mas é o que consigo ._., claro que tô buscando melhorar, então peço desculpas desde então. Nha...
Porém é isso, "garela". Não vou digitar muito, pois estou com sono e amanhã tenho um grande dia pela frente, resolvendo papelada e trabalhos de escola. (UM LIXO AAAA)

Espero do fundo do coração que tenham gostado, e que também me perdoem por qualquer insatisfação. Peço também para que estejam comentando, pois um feedback é de bastante relevância!
Acima de tudo
Kissus de Cookies e até a próxima!

<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...