História Forget The Blood - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Kasper Schmeichel, Peter Schmeichel
Personagens Kasper Schmeichel, Personagens Originais, Peter Schmeichel
Tags Kasper Schmeichel, Peter Schmeichel, Rússia2018, Traição
Visualizações 30
Palavras 1.019
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Beijo ❤❤

Capítulo 8 - 007


- Anne Santos com todos os acontecimentos desde o Kremlin, Rússia.

John ergue a mão e eu baixo o microfone. Mais um direto, depois do segundo jogo da seleção. Foi divertido pelos fãs que juntaram-se ao meu lado.

O meu telemóvel toca e eu afasto-me um pouco de John para atender.

- Oi linda.

Kasper fala mal o sinal indica que eu aceitei a chamada.

- Oi loirinho. Tudo bem?

- Sim, esta melhor agora. Onde estas?

- No Kremlin. Vim fazer uma reportagem. Estas no hotel?

- Estou à espera para tomar duche aqui no treino. Queres passar aqui?

Retirei o telemóvel da orelha e aproximei-me de John.

- Estamos livres?

Ele diz que sim com a cabeça e eu volto a colocar o aparelho no ouvido.

- Passo aí em 10 minutos.

- Vou ficar à espera. Até já linda.

- Até já loirinho.

Desligo a chamada e guardo o telemóvel. Ajudo John com o equipamento e entro no carro. A viagem é curta, e mesmo ele tendo deixado na porta do hotel, o caminho até ao campo é rápido. Noto alguns dos jogadores a ir no sentido contrário ao meu, e muitos deles cumprimentam-me.

Chego até ao portão, e mostro a minha identificação. O segurança deixa-me passar e eu percorro os corredores e as áreas até aos balneários. Está silêncio. Bato à porta, que abre-se e ouço o barulho de água a correr. Aproveito para esperar, quando em alguns minutos Kasper aparece, novamente de toalha.

- Eu disse que vinha.

Sorri enquanto falo, e ele chega-se perto de mim e beija os meus lábios. Coloco as minhas mãos no seu pescoço e ele pressiona o meu corpo contra o dele, onde consigo notar a sua ereção.

- Espero que hoje, ninguém nos atrapalhe. - a voz dele é sussurrada ao meu ouvido e a minha pele arrepia-se. E a memória vai aquele dia em que por pouco o pai dele não nos apanhava.

- Melhor fechar a porta não? - digo baixo também. Kasper solta o meu corpo e caminha até à porta onde a fecha à chave.

Aproveito para tirar o casaco e fico de camisa e uma saia um pouco acima dos joelhos. Kasper junta-se novamente a mim, e puxa o meu corpo de em contra o dele. Os seus lábios tomam os meus e os seus dedos começam a despertar a camisa.

Em menos de nada a peça de roupa superior vai parar ao chão, e ele encaixa as suas duas mãos nos meus seios. Suspiro alto, com uma mão no seu pescoço e a outra a descer lentamente pelo seu peitoral e abdômen.

Kasper abre e retira o meu soutien, e começa a beijar e a lamber os meus seios. O meu corpo vai de encontro aos cacifos, e eu desço mais a minha mão, ate à toalha. Agarro-a entre os dedos e puxo-a lentamente, até ela cair aos seus pés. A sua ereção era bem visível, e a minha mão rodeia a mesma, o que o faz soltar um gemido longo.

Movimento a minha mão para a frente e para trás, enquanto o ouço gemer e enquanto eu gemo também.

Os seus lábios voltam aos meus, e em menos de nada a minha saia é praticamente arrancada do meu corpo.

- Preciso. - ele fala entre os gemidos.

- Do que loirinho?

- Da tua boca.

Mordo o lábio, enquanto ele agarra a mão que há segundos estava no seu membro e puxa-me para um dos bancos de madeira. Senta-se e eu ajoelho-me à sua frente. Passo novamente a mão pelo seu membro e passo a língua na sua extensão toda. Kasper solta um gemido baixo mas longo e rouco, que faz a minha intimidade pulsar.

Uso a minha boca, para cima e para baixo, enquanto ele geme e agarra o meu cabelo.

- Não, não.

O olho quando ele puxa a minha cabeça e mordo novamente o lábio.

- Não vou-me vir assim. Nem penses.

Levanto-me, e ele desce a minha calcinha pelas minhas pernas. Deposita beijos no interior das minhas coxas e um dos seus dedos decide explorar o meu ponto mais sensível, e eu pendo a cabeça para trás.

Kasper volta a ajeitar-se no banco e puxa o meu corpo. Enquanto ele coloca o preservativo, eu ajeito-me em cima dele. Suas mãos agarram a minha cintura e puxam-me para baixo, até sentir o seu membro invadir-me.

Os gemidos de nós dois são audíveis, enquanto ele estoca dentro de mim. Beijo os seus lábios, e mordo lentamente o seu pescoço, ao mesmo tempo que sinto cada centímetro dele ocupar o seu espaço.

- Oh foda-se.

É a palavra dita quando sinto que ele atinge o ápice, algum tempo depois de mim. Derrubo-me em cima do corpo dele, com a respiração ofegante, em concordância com a dele. Sinto um beijo na testa e dou um sorriso.

....

Hoje é o dia da folga da Dinamarca, mas o selecionador inventou de levar a equipa a um passeio. Kasper não queria ir mas eu tive que o alertar. Aliás tem vários dias que ele nem anda a dormir no quarto dele. Podia e ia dar problemas se alguém descobrisse.

Saio do hotel pois também não apetece-me ficar trancada. Até ligava para a Patrícia mas ela está ainda com a seleção.

- Oi Anne.

Peter aparece na minha frente e eu quase caio de susto.

- Desculpa. - ele diz entre risos.

- Não faz mal. - rio-me também. - Pensei que tinhas ido com a seleção.

- Não, aquilo é um momento de descontrair antes do último jogo da fase de grupos. Eles ficam bem.

Ele sorri e eu faço o mesmo. Começamos a andar e paramos ao pé de um parque com algumas zonas verdes. Com uma vista incrivelmente bonita.

- Estou aqui já há algum tempo e nunca tinha visto isto.

Dou uma gargalhada e Peter acompanha-me.

- É a Rússia tem alguns encantos.

Digo que sim com a cabeça enquanto o olho. Peter sorri enquanto aproxima-se mais de mim.

Até que sinto os seus lábios nos meus.

Oh porra.



Notas Finais


❤❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...