1. Spirit Fanfics >
  2. Frozen: Amor, Magia e Gelo >
  3. Visitando o Vovô Pabbie

História Frozen: Amor, Magia e Gelo - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Então....

Comentem

Capítulo 3 - Visitando o Vovô Pabbie


Fanfic / Fanfiction Frozen: Amor, Magia e Gelo - Capítulo 3 - Visitando o Vovô Pabbie

Após ouvir o comentário de Anna, Elsa ficou muito chateada pela irmã pensar isso dela.

-Anna! Eu não acredito que você pense isso de mim!

A ruiva ficou vermelha como um pimentão, o olhar dela ficou baixo e ela tonta.

-Desculpa Elsa, eu só pensei que- a loira interrompeu a outra.

Elsa procurou o olhar de Anna, e a tocou no queixo para que elas compartilhassem um olhar forte.

-Você é minha irmã e isso nunca vai mudar Anna, claro que é bom ter uma amiga aqui - Elsa envolveu a irmã com ambos os braços a apertando - mas ninguém nunca vai te substituir!

A ruiva respirou aliviada, mas ela apenas tinha se safado já que pensou outra coisa e tinha que tirar isso a limpo.

Quando se soltaram, as duas sorriam uma pra outra.

E quando o trenó real de Kristoff chegou, a ruiva subiu nele e sorriu para a irmã tendo uma ideia.

-Noite de jogos Elsa, amanhã - disse a ruiva - você tem que vir, e pode trazer quem quiser!

A loira apenas balançou a cabeça rindo do quanto a irmã era descontraída mesmo agora como Rainha.

-Claro, eu vou sim! - Concordou a Elsa.

Xxx

Anna passou metade do caminho tentando encontrar as palavras certas para perguntar ao marido sobre a irmã.

O casal estava bem aquecido em longos sobre tudo negros, e a alguma distância do Tenente Destin e a carruagem com as bagagens que ele trazia.

Estava escuro, mas a luz da lua minguante ainda conseguia iluminar tudo muito bem.

Anna passou a mão no apoio a frente dela várias vezes, se balançando como se cantasse uma música só dentro da cabeça ruiva dela; mas enfim resolveu falar.

-Kristoff, você acha que a Elsa é igual ao Oaken?

A pergunta da ruiva pegou o loiro de surpresa, até Sven levantou a cabeça confuso e deu um rosnado.

-O quê? Claro que não Anna - disse o loiro rindo - não imagino a Elsa aumentando os preços de produtos só pra tirar um lucro extra!

A ruiva ficou com uma expressão de confusão estampada na face.

-Não desse jeito Kristoff! Eu quero dizer - ela tentou encontrar as palavras - que gosta de pessoas que vestem o mesmo tipo de roupa que ela, entendeu?

Ele pensou um pouco e entendeu.

-Ahh, entendi agora - ele olhou pra cima com uma das mãos no queixo - bom, ela nunca demonstrou interesse em nenhum pretendente.

A ruiva bateu de leve no bíceps dele.

-Exatamente, ela não quer namorar com ninguém, diz que não precisa de um príncipe na vida dela, nem de um marido nem nada do tipo.

A ruiva falou juntando os fatos, mas o loiro ainda não tinha todos eles.

-Bom, mas não quer dizer que ela goste de quem se veste igual a ela, quer?

Ambos suspiraram. E a ruiva pensou em compartilhar suas suspeitas com o marido.

-Olha, ela parece bem próxima da Honeymaren, tipo, as duas se dão muito bem e fazem coisas juntas - a ruiva começou a enumerar nos dedos - as duas não tem pretendente, gostam das mesmas coisas, adoram ficar uma com a outra, e elas estavam sorrindo muito animadas mais cedo quando eu as surpreendi na floresta.

O loiro puxou as rédeas e Sven parou.

-Vamos falar com o Vovô Pabbie, já pretendíamos fazer isso mesmo então vamos agora!

A ruiva se apoiou no ombro do marido e o beijou.

-Obrigado por entender - disse ela descendo do trenó - vou avisar o Tenente Destin.

Ela desceu e assim que retornou eles partiram.

Xxx

Assim que chegaram na floresta dos Trolls, Bulda que era como uma mãe para Kristoff veio correndo e pulou nos braços dele.

-Meu menino voltou! - Exclamou ela alto.

-Oi pessoal, é bom ver vocês - disse o loiro.

Todas as outras pedras rolaram alegres ao redor dos três, Anna, Sven e Kristoff, e como de costume o Vovô Pabbie estava numa pedra mais elevada olhando para eles.

Bulda parou na frente de Anna enquanto as crianças puxavam Kristoff para lhe encher de perguntas.

-Então como o meu menino está se saindo como esposo? - Perguntou como uma mãe.

Anna nem precisou pensar muito.

-Muito bem, ele é atencioso e compreensivo, um pouco atrapalhado mas eu amo isso nele!

Foram belas as palavras de Anna, e assim que o loiro retornou eles se afastaram do resto do pessoal pra falar a sós com o ancião.

Todos olhavam pro céu, o casal e o ancião.

-Digam, em que este velho Troll pode ajudar vocês?

O casal se olhou e Kristoff indicou a esposa que falasse.

-Gostaríamos de ajudar a Elsa a encontrar o amor - disse a ruiva - pra ela poder ser completa.

O loiro não disse nada quando o velho começou a balançar a cabeça.

-Elsa já encontrou o amor minha criança, do contrário estaríamos no inverno eterno e você ainda seria uma escultura de gelo!

Agora Anna olhou para o marido indicando que ele falasse.

-Estávamos pensando em alguém pra ela casar, criar uma família e raízes.

As palavras do loiro foram muito claras, e a pedra do queixo do Vovô Pabbie soltava uma pequena faísca enquanto ele coçava o mesmo pensando.

-Não sei se posso ajudar vocês com isso crianças - disse o ancião - o amor que querem para a Elsa, não é único.

Ele esfregou os dedos e uma fumaça se formou na cor rosa, depois ela se dividiu e criou a forma de duas metades de um coração.

-A Elsa pode ter metade do quebra cabeças, mas outra pessoa possui a metade que a completa - ambas as fumaças se tornaram um coração vermelho brilhante - eu não posso fazer muita coisa quanto a isso, ela tem que achar esse caminho sozinha, a magia do amor é uma das mais poderosas, e imprevisível.

Pareceu com um aviso para não mexer com o amor, ao menos para Kristoff, já que para Anna era quase como um desafio.

Ela sorriu pro marido empolgada, mesmo que ele tenha uma expressão de "má ideia" estampado na face.

-Disse que não podia fazer muita coisa, então o que pode fazer?

A pergunta da ruiva fez o marido soltar um enorme suspiro.

Mesmo assim o Troll pegou uma pedra de seu colar e a fez ficar cristalina, e estendeu a Anna.

-Qualquer um que segurar essa padrão nas mãos a fará ascender se disser o nome de alguém que a ama - disse o Troll - mas ela não diz se a pessoa que a segura ama alguém.

Kristoff coçou a cabeça perdido.

-Então fazemos o que com ela Vovô Pabbie?

O velho apontou para a pedra nas mãos de Anna.

-Minha querida diga o nome do Kristoff - pediu ele e ela o fez, então a pedra acendeu - o rapaz te ama.

Então ele fez sinal para ela entregar a Kristoff e ela entregou.

-Diga o nome da sua esposa meu rapaz - e assim que ele disse, a pedra acendeu - com isso a Elsa pode saber quem ela conhece que a ama e isso talvez encurte a jornada dela.

Os casal trocou um olhar animado.

-Obrigado - disseram juntos.

Quando estavam saindo, o loiro subiu a esposa no trenó e eles começaram a se mover.

Ele suspirou feliz.

-Agora entregamos isso pra Elsa e ela descobre quem ama ela - disse calmo - resolvemos tudinho.

Ele largou as rédeas de Sven e colocou as mãos atrás da cabeça, depois cruzou ambas as pernas na proteção a frente do trenó, o sorriso dele brilhando.

Mas Anna abaixou as pernas dele e o olhou séria.

-Não vamos dizer nada disso a Elsa, ela nunca vai concordar - a ruiva fez um bico lindo pensado - vamos fazer ela nos contar sem saber, e eu já tenho um plano!

 


Notas Finais


Continua?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...