1. Spirit Fanfics >
  2. What was born to be >
  3. Amigos próximos

História What was born to be - Capítulo 9


Escrita por:


Notas do Autor


Oi oi gente, eu sei que estou atrasada, me desculpem :(
Estou passando pela famosa badvibes, mas espero que gostem do capítulo <3

Capítulo 9 - Amigos próximos


Fanfic / Fanfiction What was born to be - Capítulo 9 - Amigos próximos

Uma semana havia se passado desde então. 

Pela semana que eu e Jimin havíamos passado com o cio do ômega, muita coisa do casamento tivera de ser adiada, por isso tínhamos ainda muitas decisões a tomar em poucos dias faltantes para a cerimônia por fim acontecer. 

Era insano acreditar que em apenas três dias estaríamos casados. 

Naquele dia precisaríamos fazer a última prova dos ternos, terminar de decidir pequenos detalhes sobre a decoração e buscar o convidado do Jimin no aeroporto, que chegava em nossa casa hoje. 

— Qual você disse que era o nome do seu amigo mesmo? —  perguntei enquanto estava parado, em cima do palanque, enquanto a moça terminava de fazer os ajustes finais em meu terno. 

Jimin e eu estávamos em uma das alfaiatarias mais conhecidas da cidade, experimentando nossos ternos do casamento; dividíamos a mesma sala, mas esta era separada por uma cortina, para que não víssemos nossas roupas antes da hora. Pude ouvir a risada gostosa de Park antes que este me respondesse. 

—  Yoongi. Min Yoongi. É a terceira vez que eu falo só hoje, Jeon. —  apesar da pequena alfinetada, seu tom de voz era risonho, o que me fez sorrir. 

Jimin estava feliz. Eu sabia disso, eu sentia isso, e ele demonstrava isso. E só de imaginar o sorriso dele naquele momento, um similar se abriu em meu rosto, me fazendo sorrir completamente bobo enquanto encarava meu próprio reflexo no espelho.

A costureira  que estava trabalhando em Jimin colocou a cabeça para o meu lado do aposento, dizendo um: 

—  Você é um homem de sorte. —  enquanto claramente olhava seu trabalho bem-feito em meu ômega alguns metros de distância. 

—  Eu definitivamente sou. —  respondi, orgulhoso. Eu realmente não me importava parecer completamente bobo apaixonado por Jimin, porque era como eu me sentia e eu queria que todos a nossa volta soubessem disso. Eu queria que Jimin tivesse certeza disso. 

Sem contar que estar marcado ao Park era uma sensação completamente nova do que havia sido com Taehyung. Tudo era extremamente intenso. Era como se eu conseguisse sentir e entender com clareza tudo que vinha de Jimin. Às vezes tinha a sensação de que compartilhávamos até os mesmos sonhos, o que, claro, era loucura demais. Mas era, sem sombra de dúvidas, mais intenso do que eu era capaz de pôr em palavras. 

Após fazermos as provas de nossos ternos pela última vez antes do casório, seguimos direto até o aeroporto. A ansiedade de Jimin em ver seu amigo era nítida, e eu não precisava de uma marca para notar isso. Incrivelmente, eu não sentia ciúme algum quanto a isso. 

Por maior que fosse o instinto protetor de meu lobo para com seu ômega, era como se soubéssemos que aquilo que existia entre Min e Park não passava da mais pura amizade. Isso porque eu sequer havia os vistos juntos pessoalmente ainda. Eu só sabia que não tinha motivos para me preocupar se tratando de Yoongi. 

— Eu realmente acho que você e o Yoongi vão se dar bem. E não leve a cara de bravo dele a sério, ele é um amor de pessoa. — Jimin disse ao meu lado no carro, ela clara sua ansiedade de encontrar o amigo, pois o ômega não conseguia parar de se mexer. — Céus, eu realmente tô com saudades dele. — sussurrou por fim, e notei que ele claramente estava falando sozinho. Soltei uma pequena risada, negando com a cabeça. 

Eu me sentia feliz que Jimin tinha alguém próximo de si em sua vida. Levando em conta o que ele provavelmente havia passado depois da morte de seu irmão, era importante que ele tivesse amigos ao redor dele naquele momento difícil. E alguma coisa me dizia que Min Yoongi havia sido essa pessoa

Quando chegamos no aeroporto, Jimin seguia em passos apressados até a área de desembarque, tirando do bolso interno de seu casaco uma plaquinha escrita “Min Yoongi” em letras coloridas e com glitter. 

Eu não tinha ideia em que momento Park havia feito aquilo, mas soltei uma risada com a cena, preferindo não ficar abraçado ao ômega naquele momento, dando-lhe espaço para se preocupar apenas em achar seu amigo.

Eu estava parado próximo de si, ambas as mãos nos bolsos da calça, um pequeno sorriso nos lábios enquanto via Jimin com a placa levantada alto em cima da cabeça, estava na pontinha dos pés enquanto procurava seu amigo na multidão. Era uma cena extremamente adorável e eu apenas permaneci naquele transe de admirá-lo pelos minutos seguintes, completamente encantado e vidrado em Park Jimin. 

Eu só percebi que Min Yoongi havia aparecido quando Jimin gritou seu nome, correndo de onde estava até alcançar o amigo, o abraçando no mesmo instante. 

Eu não me mexi no lugar em que estava, apenas olhando-os de longe, um singelo sorriso e expressão calma enquanto os observava. 

Pude notar quando o rapaz se afastou minimamente de Jimin para pegar a plaquinha nas mãos do ômega, revirando os olhos com aquilo, mas o pequeno sorriso era perceptível. Eles se abraçaram novamente, o ômega parecia não querer sair do abraço e eu apenas permaneci ali, os olhando em silêncio. Nem eu e nem meu lobo nos sentíamos ameaçados, realmente não tinha do que me preocupar. Eu definitivamente não seria o tipo de alfa possessivo, principalmente se tratando de alguém tão claramente importante na vida do meu ômega. 

Pude ver quando o olhar de Min recaiu sobre mim, ele ainda abraçava meu ômega e, naquele momento, apenas acenei minha cabeça em sua direção, em forma de cumprimento. O outro alfa apenas me olhou por poucos segundos antes de assentir de volta para mim, e mesmo com a quantidade de pessoas ali naquele momento, consegui ouvir a voz de Yoongi dizendo para Jimin:

— Estamos abraçados todo esse tempo e seu alfa não parece querer me matar. Parece que realmente encontrou a pessoa certa, Chim. — e então eles se afastaram. 

Vi Jimin olhar para mim logo em seguida, o sorriso presente em seus lábios e a felicidade estampada em seus olhos. 

— É Yoon, eu realmente achei. — disse, virando de volta para o amigo, pegando em seu braço e o puxando até onde eu estava.

Min carregava apenas uma mala de mãos não muito grande; vestia-se inteiramente de preto, assim como seus cabelos, o que causava um contraste enorme na sua pele branca. Sua expressão era séria, e me lembrei das palavras de Jimin de outrora no carro. Apesar disso, sua postura não era ameaçadora, e dava pra ver como partilhava do sentimento de felicidade em rever Jimin. 

Quando chegaram até onde eu estava, o ômega logo veio para o meu lado, segurando em meu braço enquanto o sorriso nunca saia de seus lábios. 

— Yoongi, esse é meu noivo, Jeon Jeongguk. — e então ele me olhou — Jeon, esse é meu melhor amigo, Min Yoongi. 

Estendi minha mão para o alfa em minha frente, que prontamente devolveu o aperto num cumprimento formal. 

— É um prazer poder conhecê-lo, Min Yoongi. Jimin não para de falar sobre você na última semana. — disse, soltando uma pequena risada enquanto afastava a mão do aperto de Yoongi, repousando-a na base da coluna de Jimin de forma delicada e em um gesto que mais demonstrava cuidado do que qualquer outra coisa. 

— Imagino que a essa altura não deve aguentar sequer olhar para mim, então. — disse, um pequeno sorriso aberto nos lábios enquanto arqueava as sobrancelhas. Era perceptível que o alfa estava tentando qual seria minha reação diante aquilo, como se quisesse ter certeza de que Jimin estaria em boas mãos. 

— Muito pelo contrário, não via a hora de finalmente conhecê-lo. Qualquer pessoa que seja importante na vida de Jimin, eu vou querer ter o prazer de conhecer. — disse, ainda sorrindo. Era claro, em minha postura, que eu dizia a verdade. — Bom, imagino que a viagem da Alemanha até aqui tenha sido cansativa, vamos indo então?

E sem muita delonga nós três passamos a caminhar até o estacionamento do aeroporto. 

Quando entramos no carro, peguei uma das mãos de Jimin na minha e a trouxe para perto de minha boca, deixando um selar na palma de sua mão, de forma carinhosa. Meu olhar estava cravado no seu, e mesmo que o ômega não tivesse dito nenhuma palavra, eu sabia que ele me agradecia por não ter tido reações negativas em relação à Yoongi. Me aproximei do mesmo, apenas para deixar um beijo em sua bochecha, antes de me sentar corretamente no banco do motorista, dando partida no carro em seguida. 

Durante o trajeto até a casa dos Jeon, Park e Min conversavam sobre diversos assuntos que eu preferi não tentar me intrometer. Era óbvio que estavam contando as novidades e achei que seria apropriado não me intrometer no momento que era claramente deles. Quando chegamos em minha casa, Jimin acompanhou nosso convidado até os aposentos que ele usaria e segui então para meu quarto, decidido a tomar um banho. 

O sol já se punha no horizonte, indicando o início da noite, e sorri ao imaginar que dali apenas três dias eu e Jimin estaremos nos casando. 

Segui até o banheiro, deixando minha roupa no cesto que continha ali e entrando embaixo do chuveiro, ligando na água quente, sentindo meus músculos relaxarem. 

Não muito tempo depois, ouvi a movimentação no quarto e logo o ômega entrou no banheiro, tirando suas roupas e entrando no box junto comigo, me abraçando no mesmo instante. 

Apesar de ter ficado momentaneamente confuso com a aparição repentina do Park, retribui seu abraço no mesmo instante, envolvendo sua cintura e o puxando para mais perto, trazendo-o inteiramente para debaixo da água quente do chuveiro. Permanecemos ali, apenas abraçados e em silêncio por um minuto inteiro. 

No fim, nenhuma palavra precisava realmente ser dita. Eu conseguia sentir tudo que Jimin queria me dizer pela marca; o ômega estava em completa paz naquele momento, e sentir aquilo me deixava da mesma forma. Abraçados daquela forma, era como se eu conseguisse sentir nossos lobos completamente entrelaçados, completamente entregues um ao outro. 

— Eu não consigo dizer em palavras o quanto eu estou grato a você nesse momento, Gukkie. — Jimin disse baixinho, sua voz saindo abafada contra meu peito enquanto eu tinha meu nariz afundado em seu cabelo, sentindo o cheirinho de seu shampoo. 

— Você não precisa dizer amor, eu sinto isso. — sussurrei de volta para si, o apertando um pouco mais antes de afastar nossos corpos lentamente, apenas o suficiente para que eu pudesse olhá-lo nos olhos — Você é o amor da minha vida, Jimin. Eu jamais, jamais, vou interferir ou ser contra qualquer pessoa que é importante para você. O que te faz bem, me faz bem, ok? — minhas mãos estavam em seus rosto em um toque delicado, e quando terminei de dizer, pude ver um lampejo magenta percorrer suas íris, antes do ômega me puxar para um beijo. 

O beijo que se iniciara lento não demorou até se tornar intenso. Em poucos minutos eu já estava pressionando o corpo do ômega contra a parede fria, enquanto minhas mãos percorriam por todo seu corpo, tendo as pequenas unhas de Jimin arranhando minha nuca e ombros. 

O lubrificante do Park já começava a escorrer por suas coxas grossas e tive que romper nosso beijo, passando a distribuir beijos por todo seu pescoço, ombro e clavícula. 

— Gukkie-ah, por favor. — Jimin disse manhoso, entre suspiros — Eu preciso sentir você, alfa. — e então não pude evitar um pequeno rosnado de sair por minha garganta, completamente extasiado. 

— Tudo que meu ômega quiser. — sussurrei em um tom de voz grave em seu ouvido, virando o corpo menor no momento seguinte.

Jimin encostou o peito na parede fria e arfou com o contato, empinando sua bunda para mim em seguida, me fazendo agradecer aos céus pelo ômega que eu tinha. Segurei firme em sua cintura com uma de minhas mãos enquanto direcionei meu membro teso até sua entrada com a outra, me afundando lentamente no interior quentinho do ômega, soltando um longo suspiro no processo.

Jimin espalmou as mãos na parede enquanto gemia baixinho, e comecei a me movimentar lentamente dentro de si. Eu não tinha pressa naquele momento, e o Park parecia não ter também, pois não reclamou em momento nenhum do ritmo lento em que eu o penetrava. 

Apoiei um de meus braços junto do de Jimin, segurando em sua mão enquanto continuava no ritmo lento porém maravilhoso. Eu entrava até fundo no ômega, ouvindo seu gemido manhoso, e me retirava sem muita pressa, apenas para repetir todo o processo novamente. Ali, nossos corpos se amavam e se sentiam da forma mais íntima possível, e eu passeava com minha outra mão por todo o tronco do ômega, numa carícia gostosa. 

Fizemos amor até ambos os corpos chegarem em êxtase juntos, e depois tomamos nosso banho propriamente dito entre beijos carinhosos e risadas. 

Quando saímos de nosso quarto para o jantar, encontramos Yoongi saindo de seu próprio aposento, e este apenas lançou um sorriso sugestivo para nós dois, mas não disse nada. 

Descemos nós três juntos até a sala de jantar, onde minhas mães já estavam sentadas à nossa espera, a comida já servida na mesa. 

— Senhoras Jeon, este aqui é meu convidado mais que especial para o casamento, Min Yoongi. — Jimin apresentou seu convidado logo que chegamos — Yoongi, estas são Jeon Jiyoon e Jeon Hyuna. — e então ele sorriu. 

— É um prazer poder conhecê-las, senhoras. — e então Yoongi fez uma reverência respeitosa antes de se sentar ao lado de Jimin, que havia sentado em minha frente na mesa de jantar — Fico realmente agradecido por me aceitarem como convidado em sua casa. É uma bela casa, a propósito. O jardim é enorme. — comentou, sorrindo de forma educada para as mais velhas ali presentes. 

— Ora essa Yoongi, não precisamos de tamanha formalidade. — Jiyoon foi quem disse, já servindo seu prato de comida, fazendo com que todos nós seguíssemos seus movimentos. 

— Todo amigo de Jimin é nosso amigo também. — dessa vez quem dissera fora Hyuna, sorrindo de forma acolhedora para o rapaz, que concordou com a cabeça, também sorrindo. 

— Agora entendo de onde Jeongguk tirou esse traço de sua personalidade. — Min comentou e minhas mães se entreolharam antes de sorrir.

— Sabe, vamos levar isso como um elogio. — Jiyoon então disse, e começamos todos a comer de nossas comidas. 

O jantar se seguiu então daquela forma; minhas mães a todo momento puxavam assunto com o convidado, com o propósito de o conhecer um pouco mais. Permaneci em silêncio a maior parte do tempo, apenas ouvindo a conversa de minhas progenitoras com o rapaz, e Jimin vez ou outra participava da conversa, contando de algumas histórias de quando eram mais novos. 

Em determinado momento da noite, depois que todos já havíamos terminado o jantar e os pratos haviam sido retirados, Taehyung adentrou o aposento carregando uma garrafa de vinho juntamente com cinco taças. O ômega não olhou para mim em momento nenhum, e apenas respeitei seu espaço quanto a isso.

Desde minha última visita em seu quarto, uma semana atrás, não havíamos conversado mais e eu jamais forçaria qualquer contato que fosse com ômega, pois eu entendia que ele precisava de seu próprio tempo para poder superar por tudo que tinha passado. 

Observei em silêncio enquanto o Kim servia cada uma das taças de vinho e, no momento em que parou ao lado de Yoongi, foi inevitável não notar o olhar do alfa para com o ômega. Taehyung, pela primeira vez desde que entrara no recinto, levantou o olhar discretamente, apenas o suficiente para retribuir o de Min, antes de abaixar a cabeça, agora claramente envergonhado, fazer uma pequena reverência antes de se retirar do cômodo. 

Meu olhar foi de encontro com o de JImin no momento seguinte, e o mesmo me olhava de volta, as sobrancelhas arqueadas como se tivesse notado a mesma coisa que eu, e então ambos sorrimos, cúmplices, perdidos em nosso mundo. 

Antes de subirmos para o nosso quarto, porém, ouço Yoongi me chamar, e peço para Jimin ir subindo enquanto seguia com seu amigo até a varanda de minha casa. Caminhamos no jardim por uns minutos, e por um breve momento me lembro do primeiro dia de Jimin nessa casa. Como aquela realidade parecia tão distante agora. 

— Jimin é realmente uma pessoa muito importante para mim, sabe. — Min então se pronunciou pela primeira vez desde que havíamos saído de dentro da casa. 

— Eu não tenho nenhuma dúvida quanto a isso, não se preocupe. Eu jamais o faria se afastar de qualquer pessoa que faça bem a ele. — disse de forma séria, sentindo a brisa fria passar por nós. 

— Jimin provavelmente te contou sobre o irmão dele. — Yoongi então disse, e eu apenas concordei com a cabeça — Eu era amigo de Jinyoung. Mesmo sendo alguns anos mais novo que ele, éramos melhores amigos. Por isso quando tudo aconteceu, eu estive do lado de Jimin. E, como quando tudo aconteceu ele era apenas uma criança. todos passaram a tratá-lo de forma diferente. Tinham medo de contar tudo a ele, tinham medo de brigar com ele ou de serem duros demais. Criaram uma bolha super protetora ao redor dele que claramente não o estava fazendo bem. — e então ele suspirou. — Eu fui o único a não fazer isso. Nunca escondi as coisas dele, ou o tratei de forma diferente, ou com dó. Foi assim que acabamos criando nossa amizade. Apesar do meu instinto superprotetor com ele, eu jamais o tratei de forma diferente ou como alguém extremamente frágil; muito pelo contrário. JImin é, sem sombra de dúvidas, o ômega mais forte que eu já pude conhecer. 

Eu ouvia todas as palavras de Yoongi em silencio, apenas absorvendo tudo que o mais velho tinha a me dizer, e eu começava a entender ainda mais sobre o quão importante aquela amizade entre eles era. 

— Não me entenda mal, eu só… Preciso ter certeza que Jimin não irá se machucar, ele definitivamente já sofreu o suficiente por uma vida. E, antes que você me diga, eu sei sobre o lance de almas gêmeas e, eu fico realmente feliz com isso, mas é inevitável eu não me preocupar com ele, acho que você consegue entender.. — e então Yoongi parou de andar, me fazendo acompanhá-lo no mesmo instante, e se virou em minha direção, a todo tempo me analisando. 

— Eu não te julgo por querer cuidar dele, Yoongi. E com certeza não quero passar a imagem de alguém que eu não sou. As coisas entre Jimin e eu aconteceram de uma hora para outra, eu tenho total noção disso, mas eu posso te dar a certeza de que eu jamais faria qualquer coisa que pudesse machucá-lo. Meu lobo vive agora para cuidar e fazer o lobo de Jimin bem e feliz. Tudo que eu mais quero é poder cuidar dele e viver ao lado dele até meu último suspiro. — meu tom de voz era calmo, mas meu olhar estava grudado no do rapaz por todo o tempo, passando toda a verdade por aquela troca de olhares. 

Yoongi me analisou por longos segundos antes de abrir um sorriso de canto. 

— Confio em você, Jeon. Mas pode ter certeza que se fizer mal a ele, eu não me importo nenhum pouco que seja um lúpus, eu o farei se arrepender disso. — completou, arqueando a sobrancelhas e soltando uma risada em seguida, o tom levemente divertido encobrindo a sentença que eu sabia ser estritamente real. 

Apenas neguei com a cabeça, rindo e concordando em seguida. 

— Me parece justo. — disse, antes de voltarmos a caminhar, dessa vez em silêncio novamente. 

Não nos demoramos muito mais ali fora, logo voltando para dentro da casa novamente. Percebi que, quando estávamos próximos de adentrar a sala - local por onde havíamos saído - Yoongi desviou olhar para um pouco além dali, e pude reconhecer Taehyung de longe. 

— Se você me der licença. — ele então disse, seguindo em direção ao ômega acastanhado. 

Parei onde estava, olhando surpreso para Yoongi, que já se afastava do local em que estávamos. 

— Yoongi. — o chamei, sério, fazendo o alfa parar no local em que estava e me lançar um olhar por cima do ombro — Não machuque Taehyung. Ele já tem passado por coisa demais. — completei em um tom pesaroso, e Yoongi concordou com a cabeça antes de seguir até o ômega. 

Não pude evitar ficar observando por mais algum tempo ali. Yoongi se aproximou de Tae de forma respeitosa, mantendo uma distância entre eles enquanto iniciava alguma conversa. O Kim tinha o rosto corado, era possível ver dali, mas não havia permitido muita aproximação além daquela no momento. 

Min o acompanhou até a entrada do quarto de Tae, e fez uma pequena reverência a ele, pedindo educadamente a mão do ômega e deixando um pequeno selar na mesma antes de se afastar. 

Eu estava extremamente curioso quanto aquilo, sinceramente. 

O contato entre eles havia sido breve, e eu agradecia Yoongi por não estar forçando nada, aparentemente. Mas ainda tinha uma pulguinha atrás da orelha sobre o que estaria acontecendo ali, e que tipo de interesse o alfa poderia ter no rapaz, tão rapidamente. 

Foi com aqueles pensamentos que segui de volta para meu quarto, tendo um Jimin sonolento me esperando para poder dormir. Um pequeno sorriso se fez presente em meus lábios ao presenciar uma cena tão fofa, do ômega lutando contra o sono, e não me demorei até estar deitado junto com meu ômega. 

O dia de nosso casamento estava chegando e eu não poderia estar mais ansioso por isso. 

 


Notas Finais


Novamente me desculpem pela demora, mas espero que vocês tenham gostado do capítulo. <3
Não esqueçam de comentar o que acharam e até a próxima, beijinhos

~tia mag


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...