1. Spirit Fanfics >
  2. Membros >
  3. MorganaLFay

MorganaLFay

Nome: Morgana
Sexo: Feminino
Localização:
Aniversário: 23 de Outubro
Cadastro:
Apenas uma leitora que às vezes tenta escrever algo.

Perfil no Nyah: https://fanfiction.com.br/u/803228/

Conhecendo meu "Eu escritor".

Postado

Conhecendo meu

Olá, minha gente bonita.

Fui indicada pela @Laisve para o jornal do "eu escritor".
O mais engraçado é que em um primeiro momento não tive a intenção de fazer o jornal, o motivo era muito simples: insegurança. Esse "eu escritor", me deixou desconfortável, afinal, não me julgava como tal coisa. Portanto, como iria escrever sobre algo que não acreditava ser?
E ao contrário do que você pode estar pensando, não era nenhuma falsa modéstia, ou necessidade de aplausos, mas sim a danada da insegurança.
Até que hoje, depois de ouvir a fala daquele que por mais que eu negue me conhece muito bem, e que afetuosamente chamo de "Filhote de Centauro", decidi fazer o jornal. Como ele mesmo disse, o problema em si não está na minha insegurança, mas em deixar ela me dominar e me impedir de fazer as coisas. Portanto, sem mais delongas, segue o jornalzinho.

Antes de tudo vamos as regras:

I. O intuito deste desafio é para que nós como leitores aqui da plataforma conheçamos um pouco mais sobre os autores das fanfics que tanto gostamos e proporcionar que outros leitores conheçam um pouco mais sobre nós como escritores e também conheçam o trabalho maravilhoso dos demais. Vamos espalhar a corrente do bem, apoiar e incentivar nossos queridos escritores.

II.. Caso não queira responder alguma questão, apenas poste a pergunta e deixe o espaço da resposta em branco para que o questionário não fique incompleto.

III. Ao serem indicados, vocês precisam repostar o jornal com as mesmas regras e com “Conhecendo Meu Eu Escritor” no título.

IV. Você precisa repassar o desafio para frente, então marque pelo menos uma pessoa para cumprir o desafio também.


Eu, escritora?



1. Desde quando você escreve?
No primeiro momento achei que a resposta para essa pergunta seria muito curta, mas depois de refletir um pouco lembrei que desde o momento em que fui ensinada a juntar letras, formar palavras, frases e sentenças eu já tentava criar minhas histórias.
No geral eram histórias simples, inspiradas pelos gibis da Turma da Mônica e pelas histórias de terror que meu pai contada quando ainda estava neste plano.
A frase mais emblemática da minha é até hoje: “Essa menina não tinha amigos, ela tinha livros”. E posteriormente Neil Gaiman veio para corroborar minha pretensa solidão da primeira infância ao escrever que “Livros eram mais confiáveis que pessoas, de qualquer forma.” Sendo assim, passava boa parte do meu tempo escrevendo além das minhas nada assustadoras histórias de terror, diários, cartas e os roteiros dos filmes que eu acreditava piamente que iria filmar.
Infelizmente não filmei nenhum dos meus confusos roteiros, o que acredito seja um grande alívio, mas continuei escrevendo.
Já na adolescência comecei a escrever fanfics. Lembro até hoje, e acho que já contei essa história inúmeras vezes, mas vou repetir mesmo assim. Antes de começar a escrever eu era uma leitora assídua de fanfics, geralmente as que giravam nos universos de Saint Seiya (Cavaleiros do Zodíaco) e Yu Yu Hakusho. Um belo dia, em meio as minhas leituras, me deparei com um fic sobre dois personagens da saga de Asgard. A história estava sinalizada como yaoi/lemon, e eu não fazia ideia do que aquilo significava. Li a história e no decorrer da trama, para minha surpresa, os dois personagens masculinos se beijam e se descobrem apaixonados. Admito que fiquei olhando para a tela do computador por alguns segundos, pisquei algumas vezes e um letreiro luminoso surgiu na minha mente.
Sim, é isso!
Estava escrito no letreiro com luzes de néon. Brega desde a juventude.
Decididamente era sobre aquilo que eu queria escrever naquele momento. Passei minha adolescência como leitora anônima e escrevendo sem nunca publicar. Poderia enumerar uma série de motivos para não ter jogado no mundo minhas histórias, mas a grande verdade era que eu morria de vergonha que alguém lê-se o que eu havia escrito. Sério.
Até hoje eu sinto um pouco dessa vergonha, mas trabalho melhor esse sentimento. Recentemente encontrei em um HD externo algumas dessas histórias. Eram bem simples, banhadas em uma série de clichês, mas para uma jovem por volta dos treze ou quatorze anos, estavam bem dignas.
Com o passar do tempo fui diminuindo o ritmo da escrita sem nunca o abandonar de verdade. E recentemente, decidi que queria ler algumas histórias, mesmo que eu precisasse escrevê-las. E foi assim que cheguei aqui.


2. O primeiro par romântico que você escreveu?
Vou dizer Milo e Camus, mas algo me diz que foi Shaka e Ikki.
Sinceramente, não lembro.
Nas histórias que encontrei no HD tinha uma quantidade significativa de casais e não recordo qual deles foi o primeiro que escrevi. Agora, depois de adulta e aqui no Spirit, o primeiro foi Camilo destruído. Afinal, estava apenas convergindo para Miloga. Todos os caminhos levam a Miloga.
Ouvi um amém, irmãs? Amém!


3. Seu ship favorito de algum fandom:
Em Saint Seiya (Cavaleiros do Zodíaco) costumo dizer que acho que todo mundo vai bem com todo mundo, mas gosto bastante de Shura e Máscara ( que na minha cabeça chama-se Ângelo), Shura e Shaka, Shaka e Ikki, Milo e Hyoga, Milo e Kanon, Milo e Aiolia, Milo e Camus… Todo mundo no Milo, e ele em todo mundo. Também tenho um carinho por Sorento e Isaak, não posso esquecer minha menção honrosa a Shun e Hyoga. Mas como já disse, todo mundo ali combina desde que tenha um contexto, ao menos na minha cabeça funciona assim.

Em Yu Yu Hakusho, essa maravilha da humanidade, adoro Kurama e Hiei. Yusuke e Kurama também não me desagrada não.



4. Assunto preferido de escrever:
Acho que o cotidiano. Chato, eu sei. Mas acredito que seja isso mesmo. No geral, minhas histórias versam sobre a vida das pessoas e as situações absurdas, ou não, que elas enfrentam.


5. Gênero preferido de escrever:
Essa é difícil e não tenho uma resposta.


6. Sobre qual fandom gosta mais de escrever?
Escrevo apenas sobre Saint Seiya ( Cavaleiros do Zodíaco).


7. Sobre qual/quais personagem/ens gosta mais de escrever.
Até pouco tempo eu afirmava não ter nenhuma predileção com relação aos personagens, mas hoje acredito que Shura e Máscara da Morte encabeçam minha fileira de personagens a quem gosto de dar voz.
Acredito que Sorento e Shaka também estão presentes nessa lista, além de Milo e Hyoga.


8. Fandom que quer escrever, mas ainda não fez.
Sem dúvida alguma Yu Yu Hakusho.


9. O que você escuta quando está escrevendo?
Nadinha.
Eu tenho um problema absurdo para me concentrar, absolutamente tudo nessa vida me distrai e quando percebo já estou imersa no meu próprio mundo imaginário que no geral, não tem conexão alguma com aquilo que estou escrevendo. Por isso, prefiro escrever no silêncio, ou o mais perto dele.
Só ouço música quando ela consegue de alguma forma fazer uma simbiose com a história e se fundir de tal forma, que vira a cadência exata para que o texto seja formado.
Até o momento isso aconteceu apenas duas vezes. A primeira foi com Edge the World, em um dos capítulos de Essência da Verdade e a segunda com Do I Wanna Know, que virou a melodia que embala tudo que diz respeito a Shura e Máscara.


10. Autores (de livros) que te inspiram:
Nossa são tantos.
Então, para ficar mais prático vou elencar meus autores preferidos. Não que o estilo de escrita ou temática tenha a ver com o que eu escrevo. Mas são tão importantes na minha formação como leitora, que acabam aparecendo em quase todas as minhas histórias, seja como simples menção ou referências descaradas.
Edgar Allan Poe, Stephen King, Neil Gaiman, Isaak Asimov, Machado de Assis, Primo Levi, Toni Morrison, Octavia Butler, Tolkien e J.K.Rowling.
Ultimamente ando muito entretida com Raphael Montes, vale a pena conferir. A Livreira que reside em mim, deixa essa dica.


11. Qual das suas fanfics te define e por quê?
Complicadinha essa pergunta. Acho que todas as minhas histórias tem um pouquinho da minha essência. Cada um dos personagens, em algum momento, sou eu e ao mesmo tempo não são.
Agora refletindo com cuidado acredito que “Cenas de uma livraria”, tem muito do meu cotidiano, frustrações e alegrias. Sorento livreiro me representa de uma forma que nem eu poderia imaginar.


12. Tem alguma dica de escrita?
Leia.
Parece papo de professora, mas é verdade. Na minha concepção a leitura é primordial para a escrita. Leia de tudo, até bula de remédio está valendo, mas não deixe de ler. Leitura ajuda a desenvolver o pensamento crítico, melhora a fluidez da escrita e acrescenta vocabulário.
Além disso, estou tentando deixar o texto mais organizado possível. Por hábito eu costumava escrever tudo de uma forma muito confusa e depois ir organizando aos poucos. Percebi que tentar deixar o texto claro logo de primeira, me ajuda na hora de revisar e aprumar a história.
Outra coisa que costumava fazer nos meus textos da adolescência e voltei a fazer depois de engatar uma parceria e fazer uma história com vários personagens é criar uma ficha para eles.
Olá pessoal do RPG, tudo bom?
Sério, quando você tem uma memória tão falha como a minha, é importante ter os dados dos personagens seguros em algum lugar. Nas minhas fichas mais antigas eu costumava até mesmo escrever traços da personalidade, frases emblemáticas, gostos e etc.
Hoje em dia não chega a tanto, ainda, mas acho mesmo que ajuda.
Fora isso, também acho que é importante você tentar escrever, comece devagar, no seu ritmo e vá aos poucos criando seu mundinho. Pode ser que no começo você ache que ficou ruim, bobo, ou clichê, mas não desista. Talvez você nunca alcance o grau de excelência que busca e está tudo bem. No geral a gente se cobra demais e com isso acaba perdendo grande parte da diversão.


13. Que programa você usa pra escrever?
Google Drive - Documentos.


14. Conte a respeito dos seus planos para sua/s próxima/s fics.
O meu único plano é terminar minhas fics não concluídas.
Recentemente descobri que não havia terminado uma fic que acreditava piamente que estava concluída. De acordo com @Laisve, eu coloco na minha cabeça que fiz algo e dou o assunto por encerrado, mesmo que não tenha feito. Olha que ser humano mais caótico.
Então, vou terminar Ascendente em Peixes, que deve ter mais um ou dois capítulos; Catarse, felizmente já está encerrada só aguardando a temporalidade de Essência da Verdade alcançá-la; a própria Essência já está na reta final com no máximo mais nove capítulos; Pilhéria e Porvir também terão suas continuações, sem previsão de quantidade de capítulos e atualização.
Mas vou terminar tudo. Isso é uma certeza. Posso demorar, desanimar no meio do caminho, diminuir o ritmo, mas sempre volto e continuo. Sendo assim, todas as histórias terão uma conclusão, quanto a isso não existe dúvida.


15. Qual a parte mais fácil da escrita para você?
Pensar na história, nos diálogos e nos locais em que a trama vai se desenrolar.


16. Qual a parte mais difícil da escrita para você?
Começar a escrever. Vencer a preguiça, o desânimo e a insegurança.


17. Hábitos de escrita (bons e ruins):
Bons: Eu tenho um grande problema com auto avaliação, normalmente sou melhor para elencar meus erros dos que acertos e isso está relacionado com a tal insegurança sobre a qual falei lá em cima.
Por isso, pedi ajuda a uma pessoa que escreve comigo há alguns meses, e segundo ela (alô, alô @Laisve), posso citar os recadinhos que deixo na fic e que nos lembram de alguns detalhes. Mas acho que prefiro os recadinhos bobos que vou deixando em alguns cantos. E sim, tenho que concordar com ela. Acho que os recadinhos são uma boa coisa, ainda mais quando você tem a memória de peixinho dourado.
Tento sempre que possível escrever as ideias em algum lugar e penso bastante sobre os cenários, os personagens e o que os levou até aquele lugar. E acho que isso está ligado a outro ponto que ela mencionou que é a escrita detalhada de sentimentos e de pequenos aspectos.
Engraçado como a insegurança nubla nossa visão, lembro claramente de já ter falado para ela que não tenho habilidade para detalhes e descrições.

Ruins: Sou irritantemente prolixa, tenho muita dificuldade em ditar os caminhos para os quais a história vai se encaminhar. No geral eu começo a fic tendo algumas ideias, mas não necessariamente sei seu meio e fim. Ainda acho que boa parte das minhas histórias foram psicografadas, uma vez que, eu não tinha a mais vaga ideia do que estava fazendo.
Não faço cronogramas, sim eu sou uma bagunça. Juro que em algum momento eu melhoro. Reconhecer o problema é o primeiro passo.


18. Elogie sua própria escrita:
Voltaremos ao tópico da dificuldade na auto apreciação.
Já me falaram algumas vezes que tenho uma escrita imersiva, na qual a pessoa consegue enxergar os elementos da história e compreender os sentimentos dos personagens como se fizesse parte daquele universo.
Então, acho que vou apostar nisso.


19. Uma palavra que te define como escritora:
Liberdade.
Ela está diretamente ligada a minha vontade de escrever ou não. Sempre que começo a me sentir presa por algo, seja por uma prazo, tema, ou qualquer coisa que julgue uma amarra, o texto fica maçante, sem cor e a paixão se esvai. Quando a sensação de liberdade volta, a animação ressurge e eu começo a escrever desde as coisas mais bobas e melosas ( sim, vou deixar todo mundo diabético) , até as coisas mais tristes.


20. Recomende os escritores que você mais gosta aqui no Spirit:
Acho que tenho mais autoras queridas do que espaço para escrever, mas como por profissão acabo indicando leitura as pessoas, não vou fazer diferente aqui: @Laisve, @Super-nova, @SeleneDelRey. Cada uma, a sua forma, conseguiu me cativar de maneira singular com sua escrita. Acho que vale a pena conferir.


Indicações

Até onde consegui ver a maior parte das escritoras que conheço já foram marcadas nesse jornal, então, não quero parecer repetitiva e por isso deixo em aberto para todo mundo que leu até aqui e queira falar um pouco mais sobre o lado escritor(a).

Agradeço de coração a quem leu e como faço nas minhas fics, sempre deixo claro a felicidade que sinto ao saber que vocês dedicaram seu tempo comigo.


Beijinhos e vamos espalhar amor nesse mundo! (rsrsrs)

Comendo: Pão de queijo.
Bebendo: Café.
Permalink Comentários (3)

[05/05/2020] Potinho do amor 1.0

[25/04/2020] Tag da Escrita


Atualizações do Usuário

Usuário: MorganaLFay
Adicionei um novo capítulo
História: Porvir.
História: Porvir.
As artimanhas de um cupido felino, uma sequência cartunesca de fatos e a mais pura coincidência. Será que apenas esses fatores serão o suficiente para entrelaçar de forma definit..
Usuário: MorganaLFay
Favoritei a história
História: Foco Múltiplo
História: Foco Múltiplo
Isaak e Hyoga são amigos desde sempre, por isso mesmo tem intimidade para conversar sobre tudo e sobre nada... Não seria a amizade uma grande expressão do amor?
Usuário: MorganaLFay
Então, deixo em aberto para quem ler, caso tenho vontade de fazer, vá em frente. 😘
Usuário: MorganaLFay
https://www.spiritfanfiction.com/jornais/conhecendo-meu-eu-escritor-20763181 @Laisve me indicou para fazer o jornalzinho e depois de pensar com meus botões fiz o bendito.
Não indiquei ninguém, pois quase todo mundo que conheço nesse mundo virtual já tinha sido marcado.
Usuário: MorganaLFay
Adicionei um novo jornal
Jornal: Conhecendo meu "Eu escritor".
Jornal: Conhecendo meu "Eu escritor".
Olá, minha gente bonita. Fui indicada pela @Laisve para o jornal do "eu escritor". O mais engraçado é que em um primeiro momento não tive a intenção de fazer o jornal, o moti..